A princípio, todo jogador tem o seu lado humano que muitas vezes o torcedor, a imprensa e todos em sua volta não compreendem. Foi o que ocorreu com o lateral do Tricolor, o Zeca. Logo, recém chegado ao Bahia, o atleta não vinha tendo boas aparições. Desse modo, pediu afastamento das atividades do clube por aproximadamente dois meses para acompanhar o tratamento da mãe. Dessa maneira, no início de outubro, Lucimara Neves Cracco morreu aos 45 anos.

Portanto, após seu retorno, Zeca disputou a partida diante do Coritiba na última segunda-feira (17). Por outro lado, o lateral que entrou na segunda etapa, marcou o gol decisivo que deu o triunfo ao Bahia por 2 x 1. Por fim, na saída do gramado, bastante emotivo, Zeca se emocionou ao falar e lembrar da mãe.

 

“Não gosto nem de falar. Estou muito feliz pela oportunidade de poder atuar, ajudar nosso grupo a conquistar os três pontos. Fico emocionado, perdi minha mãe. Foi difícil, muito difícil. Não gosto de falar, foi recente, ainda sinto nos treinamentos e na concentração. Esse gol foi para ela e para minha família toda, meus amigos. Sei que ela está em um lugar melhor, do lado de Deus. Sei que ela está me ajudando”.

Além disso, o lateral Zeca relembrou de momentos em que a mãe dava o suporte, especialmente após os jogos, onde ele tinha o hábito de ligar pra ela.

“Nem tenho palavras. Acho que eu falaria que amo ela, todo jogo ligava para ela para dizer como foi. Quando ia bem, ela ficava feliz; quando não ia, me dava motivação. Sei que um dia estarei do lado dela. Agora ela está olhando por mim”.

Foto destaque: Reprodução/Instagram

 

Gilvan Rodrigues
Gilvan Junior, 20 anos, natural de Feira de Santana, estudante de jornalismo pela FAT. Desde pequeno, meu principal assunto era o esporte. Sempre acompanhado programas, sites, etc. Decidir, partir pra área que me dará a oportunidade de viver daquilo que mais amo. O futebol.

Artigos Relacionados