Fluminense

Santa Fé e Fluminense jogaram a 2ª rodada da Libertadores, nesta quarta-feira (27). Assim, o jogo iria acontecer no estádio Metropolitano de Techo. No entanto, nesta terça-feira (27), a Conmebol confirmou a mudança de local da partida, por decreto devido a pandemia de Covid-19. Assim sendo, o duelo acontecerá às 21h (horário de Brasília), na cidade de Armenia.

Portanto, o time carioca, que estreou com um empate contra o River Plate, busca a primeira vitória na Libertadores. Entretanto, mesmo empatando, a equipe deixou uma boa impressão em seu primeiro jogo da competição. Assim, na 2ª rodada, o Fluminense mira em um triunfo para se afirmar como um forte concorrente do Grupo D.

A mudança de estádio para o jogo ocorreu devida a proibição de jogos na capital da Colômbia. Assim sendo, tendo como causa o aumento de casos de Covid-19 na cidade. Assim, o Tricolor se livrou de um dos desafios da partida entre Fluminense e Santa Fé. De modo que, além de enfrentar um grande adversário, o Flu teria que encarar uma altitude de 2.640 metros de Bogotá.

Vale ressaltar que a altitude é um antigo revés para o Fluminense. No entanto, em jogos oficiais, o Tricolor acumula quatro confrontos na altitude, com duas vitórias e um empate. Desse modo, com a mudança de local, o próximo desafio se tornou menos problemático. Assim, acabando com uma grande vantagem do Independiente Santa Fé.

No entanto, a mudança de logística nas vésperas do confronto resultou em um deslocamento cansativo para os atletas. Assim sendo, a equipe teve que sair de Bogotá para a cidade de Armenia, a 280 quilômetros da capital. Desse modo, o treinamento do time continuou sendo em Bogotá. Além disso, tiveram dificuldades para conseguir a liberação de voo que levasse toda a delegação.

Fluminense mirando os três pontos

De antemão, o Time de Guerreiros vai em busca da primeira vitória no torneio. Desse modo, jogando a 1.480 metros do nível do mar, o Fluminense mira uma melhor colocação no Grupo D, para ter uma situação mais confortável na luta por uma vaga no mata-mata da Libertadores.

Foto Destaque: Reprodução/Fluminense

Avatar
Juliana Veiga
Estudante de Jornalismo, carioca, 22 anos. Escolhi o jornalismo, pois é uma profissão admirável, que apresenta uma amplitude de áreas para atuação e possui a missão de informar e formar opiniões. Desde a minha infância sonhava em ser comunicadora, e a paixão pelo futebol sempre esteve presente em minha vida. Assim, tornando o jornalismo esportivo a primeira certeza que tive na profissão. Redatora em sites jornalísticos e apaixonada por esportes, escrita e fotografia.

Deixe uma resposta