Nesta semana, a coluna Rasgando o Verbo trata sobre um dos casos que mais repercutiu não só no futebol brasileiro, mas no mundo todo: a suposta agressão de Dudu sobre sua ex-esposa Mallu Ohanna. Nesse meio tempo de indefinição, todos os torcedores ficaram aflitos quanto a isto, visto que o atleta é um dos grandes nomes do futebol brasileiro dos últimos anos. Porém, ninguém mais sofreu quanto aos palmeirenses. A torcida do Verdão ficou numa angústia danada, já que o atacante é um grande ídolo e símbolo de reconstrução do clube ao lado da Crefisa.

INÍCIO DO CASO

No dia 23 de junho de 2020, iniciou-se uma polêmica grande em torno de Dudu. Mallu Ohanna fez um Boletim de Ocorrência contra o jogador. Os dois possuem dois filhos pequenos, Pedro Henrique Rodrigues e Cauê Rodrigues. Na ocasião, Mallu afirmou que sofreu socos na cabeça, no peito e também sofreu puxões no cabelo. Entretanto, o atleta se posicionou acerca da situação, afirmando  a falsidade das acusações, além de garantir que as imagens das câmeras de segurança seriam a prova para comprovar sua inocência.

LONGO CASO

Conforme os meses foram passando, a situação continuava indefinida. Ao mesmo tempo, Dudu tentava usar o futebol como meio de  se acalmar durante essa tempestade. Todavia, simultaneamente  em que o esportista mostrava sua possível inocência, um desfecho estava longe do fim, diante do fato que a mãe de seus filhos estava à procura de mais provas ao seu favor. Assim, para a tristeza dos torcedores do Alviverde Imponente, o jogador optou em  trocar o Brasil pelo Catar.

Além da tristeza que todos nós vivíamos com todo esse problema, a saída do camisa sete também trouxe mais um sentimento sem explicação. Desde quando chegou ao clube em 2015, ao lado da patrocinadora, o atacante foi o principal nome. Protagonista no título da Copa do Brasil de 2015, do Brasileirão de 2016 e e 2018, Dudu também se consagrou como o maior ídolo deste século e rei do Allianz Parque. Na arena, o Baixola foi o que mais atuou, com 127 partidas. Ademais, o que mais venceu, com 90 vitórias e o que deu mais assistências, 35 ao todo. Ou seja, seu nome ficou marcado na história com seis anos de clube.

ATUAL SITUAÇÃO

Nesta última quinta-feira (22), foi comprovado a inocência do desportista. Através de suas redes sociais, o ídolo do Palestra deixou seu desabafo   sobre toda essa situação pela qual ele viveu desde a metade do ano passado.

“Nos últimos meses, passei por um momento bem pesado. Posso dizer que foi um dos mais difíceis da minha vida. Somente as pessoas próximas a mim sabem como foi duro ser acusado por algo que jamais faria, mas, graças a Deus, chegou ao fim de uma maneira que não me causa nenhuma surpresa. A verdade prevaleceu e, como sempre disse, sou inocente”, disse.

Posteriormente, Dudu afirmou que sempre cumpriu com suas obrigações não somente como jogador, mas como pai e cidadão. Além do mais, deixou mais um recado afirmando que tudo isso é passado e que agora focará na continuação de seu trabalho.

“Foi duro, doloroso, mas agora é passado. Quero olhar para frente, seguir em paz ao lado das pessoas que eu amo e fazer o que mais gosto, que é jogar futebol. Agradeço aos que têm me enviado mensagens por todo esse tempo. O apoio de vocês me ajudou a encontrar forças nas horas que precisei. Mais uma vez, obrigado a cada um de vocês. Um grande abraço e seguimos firmes”, encerrou.

E AGORA

Imaginamos que, diante do término deste “pesadelo”, todos desejam  o retorno de Dudu ao palestra. Afinal, embora o Palmeiras conte com bons jogadores para a mesma posição, há uma saudade de ver o anúncio do nome do jogador nas escalações. Claro, diante da pandemia, isto é impossível ocorrer. Mas, e quando a torcida cantava “Dudu guerreiro”. Ah, tudo isso jamais será apagado na memória. Quando for possível, que ele possa voltar e continuar o ciclo que não acabou aqui, e que durará por mais um bom tempo. Obrigado por tudo, Eduardo Pereira Rodrigues.

Foto destaque: Reprodução/Arquivo Pessoal/FNV

 

Lucas de Lima Barão
Lucas de Lima Barão
Atualmente, estou no 6º semestre de jornalismo pela Universidade Nove de Julho. Tenho vontade de trabalhar com jornalismo esportivo, entretanto, não descarto abrir portas para outros caminhos. Ganhei um prêmio de melhor trabalho jornalístico no 5 semestre, onde meu grupo e eu produzimos um site. Estou em busca de encontrar oportunidades no mercado de trabalho.

Artigos Relacionados