Fernando Diniz análise dos 60 jogos pelo São Paulo e 18 substituições que deram certo durante o jogo

Fernando Diniz é um técnico com grande personalidade e que não se influencia com opiniões contrárias as suas ideias para agradar ninguém. Se quiser o seu trabalho tem que ser feito com seu estilo de jogo e não abre mão disso. E está certo! Seu trabalho demorou a engrenar e desde o Osasco Audax não conseguiu fazer um trabalho que o condecorasse como um dos melhores técnicos do Brasil.

Entretanto, seu trabalho no São Paulo pode ser apontado como um dos melhores da carreira. Num clube de ponta, mesmo sem um grande poderio financeiro ou contratações milionárias (pontualmente Daniel Alves, mas antes dele chegar), sendo apenas Luciano seu pedido de contratação, vem fazendo um trabalho – agora – digno de elogios.

Mas você sabia que o dedo de Fernando Diniz fez diferença DURANTE O JOGO POR 18 VEZES nesses 60 jogos como técnico do São Paulo? Isso é, as mudanças dele durante o jogo, suas substituições, “deram certo” por 18 vezes. Muitas vezes reclamaram que o técnico mexia mal ou não mexia. Mas vamos destrinchar aqui todos os 60 jogos do técnico pelo Tricolor e as 18 mudanças que deram certo.

Os 60 jogos de Fernando Diniz pelo São Paulo

  1. Flamengo 0 x 0 São Paulo (ESTREIA DE FERNANDO DINIZ)
  2. São Paulo 2 x 1 Fortaleza (1ª – GOL DE IGOR GOMES VINDO DO BANCO E DECIDINDO A VITÓRIA)
  3. Bahia 0 x 0 São Paulo
  4. São Paulo 1 x 0 Corinthians (VITÓRIA EM DERBY)
  5. Cruzeiro 1 x 0 São Paulo
  6. São Paulo 1 x 0 Avaí
  7. São Paulo 2 x 0 Atlético-MG
  8. Palmeiras 3 x 0 São Paulo (DERROTA EM DERBY)
  9. Chapecoense 0 x 3 São Paulo (2ª – ENTRADA DE JUANFRAN NO 2º TEMPO E DEU ASSISTÊNCIA PARA O 3º GOL DO TIME)
  10. São Paulo 0 x 2 Fluminense
  11. São Paulo 0 x 1 Athletico-PR
  12. Santos 1 x 1 São Paulo (EMPATE EM DERBY)
  13. Ceará 1 x 1 São Paulo
  14. São Paulo 1 x 0 Vasco da Gama
  15. Grêmio 3 x 0 São Paulo
  16. São Paulo 2 x 1 Internacional
  17. CSA 1 x 2 São Paulo
  18. São Paulo 2 x 0 Água Santa
  19. Palmeiras 0 x 0 São Paulo (EMPATE EM DERBY)
  20. Ferroviária 1 x 2 São Paulo
  21. São Paulo 1 x 1 Novorizontino (3ª – BRENNER SAIU DO BANCO PARA SALVAR O TIME DA DERROTA)
  22. Santo André 2 x 1 São Paulo
  23. São Paulo 0 x 0 Corinthians (EMPATE EM DERBY)
  24. Oeste 0 x 4 São Paulo
  25. São Paulo 2 x 1 Ponte Preta
  26. Binacional-PER 2 x 1 São Paulo
  27. Botafogo-SP 1 x 0 São Paulo
  28. São Paulo 3 x 0 LDU-EQU
  29. São Paulo 2 x 1 Santos (4ª – VITÓRIA EM DERBY COM DOIS GOLS DE PABLO ENTRANDO NO 2º TEMPO)
  30. São Paulo 2 x 3 Bragantino (VOLTA DO FUTEBOL PÓS-PANDEMIA)
  31. Guarani 1 x 3 São Paulo (5ª – PAULINHO BÓIA ENTRA NO 2º TEMPO E DECIDE O JOGO AO MARCAR O 3º GOL)
  32. São Paulo 2 x 3 Mirassol (ELIMINAÇÃO NO PAULISTA)
  33. São Paulo 1 x 0 Fortaleza
  34. Vasco 1 x 0 São Paulo
  35. São Paulo 1 x 1 Bahia (6ª – ENTRADA DE GONZALO CARNEIRO QUE DEU ASSISTÊNCIA PARA O GOL DE EMPATE E 7ª – ENTRADA DE LUCIANO QUE MARCOU O GOL DE EMPATE)
  36. Sport 1 x 0 São Paulo
  37. São Paulo 1 x 0 Athletico-PR
  38. São Paulo 2 x 1 Corinthians (8ª – ENTRADA DE JONAS TORÓ, QUE DEU ASSISTÊNCIA PARA O GOL DA VITÓRIA E 9ª – ENTRADA DE BRENNER QUE FEZ O GOL DA VITÓRIA NO DERBY)
  39. Atlético-MG 3 x 0 São Paulo
  40. São Paulo 3 x 1 Fluminense (10ª – VITÓRIA DE VIRADA SOBRE O FLUMINENSE AO COLOCAR BRENNER NO 2º TEMPO, QUE MARCOU O GOL DE EMPATE E DEU ASSISTÊNCIA PARA O TERCEIRO GOL)
  41. São Paulo 1 x 1 Bragantino
  42. Santos 2 x 2 São Paulo (EMPATE EM DERBY)
  43. São Paulo 2 x 2 River Plate-ARG
  44. LDU-EQU 4 x 2 São Paulo (11ª – ENTRADA DE PAULINHO BÓIA NO 2º TEMPO QUE DEU ASSISTÊNCIA PARA O 1º GOL; 12ª – ENTRADA DE BRENNER QUE MARCOU O PRIMEIRO GOL E DEU ASSISTÊNCIA PARA O SEGUNDO GOL E 13ª – ENTRADA DE TRÉLLEZ QUE MARCOU O 2º GOL)
  45. Internacional 1 x 1 São Paulo
  46. River Plate-ARG 2 x 1 São Paulo (ELIMINADO NA LIBERTADORES COM UMA RODADA DE ANTECEDÊNCIA)
  47. Coritiba 1 x 1 São Paulo
  48. São Paulo 3 x 0 Atlético-GO
  49. Palmeiras 0 x 2 São Paulo (14ª – VITÓRIA EM DERBY E 2º MELHOR JOGO DO ANO COM O 2º GOL MARCADO POR VITOR BUENO, VINDO DO BANCO)
  50. Fortaleza 3 x 3 São Paulo (ESTREIA NA COPA DO BRASIL)
  51. São Paulo 0 x 0 Grêmio
  52. São Paulo 5 x 1 Binacional-PER (15ª – JONAS TORÓ ENTROU NO 2º TEMPO E DEU ASSISTÊNCIA PARA O 5º GOL, MAS O SÃO PAULO FOI ELIMINADO MATEMATICAMENTE NA LIBERTADORES E SE CLASSIFICOU PARA A SUL-AMERICANA)
  53. São Paulo 2 (10) x (9) 2 Fortaleza (CLASSISICADO PARA AS QUARTAS DE FINAL DA COPA DO BRASIL)
  54. Lanús-ARG 3 x 2 São Paulo (ESTREIA NA SUL-AMERICANA)
  55. Flamengo 1 x 4 São Paulo (MELHOR JOGO DO ANO)
  56. São Paulo 4 x 3 Lanús-ARG (16ª – PABLO ENTROU NO 2º TEMPO E FEZ O GOL DE EMPATE, MAS O SÃO PAULO FOI ELIMINADO NA SUL-AMERICANA)
  57. São Paulo 2 x 1 Goiás
  58. Flamengo 1 x 2 São Paulo (QUARTAS DE FINAL DA COPA DO BRASIL)
  59. Fortaleza 2 x 3 São Paulo (17ª – POUPOU TITULARES E COLOCOU LUCIANO NO 2º TEMPO, QUE MARCOU O GOL DA VIRADA (2 x 1) E DA VITÓRIA (3 x 2)).
  60. São Paulo 3 x 0 Flamengo (18ª – COLOCOU PABLO NO 2º TEMPO: MARCOU O 3º GOL DO JOGO, CLASSIFICADO AS SEMIFINAIS DA COPA DO BRASIL)

Assim, o São Paulo de Fernando Diniz, com seu Dinizismo, é cotado como um dos melhores times do Brasil e chega a ser considerado favorito ao título da Copa do Brasil e do Brasileirão. São 60 jogos, 30 vitórias, 15 empates e 15 derrotas, aproveitamento de 58,3%, 94 gols marcados e 69 gols sofridos.

O que é o Dinizismo?

Fernando Diniz implementou no São Paulo um 4-4-2 (praticamente abandonado pelo futebol mundial). Seu goleiro joga com os pés. Contudo, não para dar chutões, mas, sim, para ser um a mais dentro do jogo e até dar assistência para gol, como no jogo contra o Flamengo pelo Brasileirão (1 x 4). Seus laterais se tornam pontas ao mesmo momento em que os zagueiros se tornam laterais, volantes viram zagueiros, meias viram volantes e atacantes viram meias de criação.

Decerto, tudo girando numa mesma engrenagem para gerar jogo e abrir espaços no meio-campo e defesa adversária, afinal, os jogadores puxam a marcação ao se movimentarem. É comum ver, por exemplo, num tiro de meta, Diego Costa e Bruno Alves (zagueiros) abertos nas laterais para dar opções de passe para Volpi. Luan e Daniel Alves (volantes) entram na área para serem as primeiras opções de passe para começar o jogo armando com qualidade.

Às vezes Gabriel Sara e Igor Gomes (meias) fazem isso também. Estes que se posicionam como volantes neste momento, para cobrir a função dos que se deslocaram até a zaga. Os laterais já estão quase na linha do meio-campo e os atacantes, Brenner e Luciano (atacantes), ficam do meio para frente. Porém, eles (atacantes) muitas vezes voltam para buscar jogo, participar da armação e puxar a marcação (feito com mais frequência por Luciano).

O sistema funciona bem. Para se ter noção, contra o Flamengo (1 x 4), no melhor jogo do ano do São Paulo, ambos os laterais marcaram gols. Tchê Tchê entrando na área e Reinaldo de pênalti. Ok, meio que não conta o pênalti pró-Reinaldo no sistema, mas sabemos que ele é bastante ofensivo. Gabriel Sara e Igor Gomes se movimentam o jogo todo, revezando o lado do campo sem nem conseguirmos perceber tal mudança.

Sara faz um papel tático e é extremamente técnico em campo, com gols e assistências. Igor é um motorzinho e bastante valente em campo. Luan deu a consistência no meio que faltava. A lateral direita é a única incógnita, ora com Tchê Tchê, ora com Juanfran, que vivem de altos e baixos. Mas, apesar das críticas passadas, o Dinizismo vai caminhando. Contra uns, a favor de outros, mas dando uma cara ao São Paulo que às vezes joga como Golias, o gigante, às vezes como Golias, o humorista. Mas a torcida está cada vez mais FECHADA COM DINIZ!

Maior freguês da era Fernando Diniz

Os maiores fregueses do São Paulo de Diniz são as mais recentes equipes eliminadas pelo time na Copa do Brasil: Fortaleza e Flamengo. Foram quatro jogos contra os cariocas, sendo um empate sem gols na estreia do técnico e três vitórias recentes. Já contra os cearenses foram três vitórias e dois empates. Porém, a maior vítima de Fernando Diniz é Rogério Ceni, que já perdeu para o Dinizismo em quatro oportunidades, duas pelo Leão e duas pelo Rubro-Negro, acumulando duas eliminações seguidas na Copa do Brasil de 2020.

Diniz em derbies

Um mal que os torcedores do São Paulo vinham sofrendo recentemente era com os clássicos. Corinthians, Santos e Palmeiras impunham medo ao Tricolor do Morumbi e seus torcedores. Venciam um ou outro, mas as derrotas eram mais frequentes. Com Fernando Diniz isso mudou.

Foram três jogos com cada arquirrival, sendo duas vitórias contra o Corinthians e um empate; dois empates com o Santos e uma vitória, e um empate, uma vitória e somente uma derrota em derbies para o Palmeiras, no oitavo jogo de Diniz como técnico do São Paulo, ainda no início do trabalho. Por fim, você acha que o São Paulo é o melhor time da atualidade?

Foto destaque: Reprodução/São Paulo Blog

Avatar
Eric Filardi
Quando pequeno quis ser jogador. O sonho de criança passou. Uma vida nova se anseia. Bem-vindo ao melhor site de futebol. Bem-vindo ao Futebol na Veia. Sou Eric Filardi, paulistano de 27 anos, criado em Taboão da Serra, jornalista pós-graduado em Jornalismo Esportivo e apaixonado por futebol. Como todo jornalista amo escrever. Como todo brasileiro amo futebol. Tenho meu clube e minhas preferências, mas viso o profissionalismo e a imparcialidade, sem deixar de lado a criatividade. Sou Tricolor, Peixe, Palestra e Timão. Sou da Colina, Glorioso, Flu e Mengão. Sou brasileiro, hermano, francês e italiano. Sou Ghiggia, Paolo Rossi, Caniggia e Zidane. Sou Alemanha dos 7 x 1, mas que o povo não se engane. Também sou Ronaldo, Romário, Zico, Garrincha e Pelé. Sou Bundesliga, MLS, Eredivisie e Premier. Sou das várzeas e dos terrões. Sou Clássico das Multidões. Sou Sul, Nordeste, Amazônia e Pantanal. Sou Galo, Raposa, Bavi e Grenal. Sou Ásia e África. Sou Barça e Real. Sou as Américas, a Europa, sou o mundo em geral. Sou a festa nas arquibancadas que o estádio incendeia: sou Futebol na Veia.
https://bit.ly/EricFilardi

Artigos Relacionados