Felipe Melo: 'Não vi o Liverpool fazendo tanta força para ganhar do Flamengo' (Foto: Divulgação/Cesar Greco/Sociedade Esportiva Palmeiras)

Após ser campeão paulista pelo Palmeiras, o zagueiro Felipe Melo participou do programa “Seleção Sportv” na última terça-feira (11). Na entrevista, o capitão da equipe alviverde, que passou várias temporadas na Europa, destacou a disparidade técnica entre o futebol do Velho Continente e o sul-americano. Assim, para exemplificar sua fala, o camisa 30 rememorou a final do Mundial de Clubes de 2019 entre Liverpool e Flamengo onde, segundo ele, os ingleses não precisaram de tanto esforço para vencerem .

“Existe hoje no futebol brasileiro, comparando com o europeu, um desnível técnico muito grande. Não vi o Liverpool fazendo tanta força para ganhar do Flamengo. O desnível entre o futebol europeu e o sul-americano é muito grande”, afirmou o zagueiro.

https://twitter.com/futebol_info/status/1293346080634150913

Sobre as finais do Campeonato Paulista vencido pelo Palmeiras, Felipe Melo disse que o primeiro jogo foi chato de assistir, mas destacou o duelo tático entre as duas equipes. Ademais, afirmou que o jogo entre Flamengo x Atlético-MG, pela 1ª rodada do Brasileirão foi mais divertido de se ver.

“O primeiro jogo da final foi difícil de assistir. Tem que ter um entendimento de que o jogo tecnicamente não teve tanta criação, mas o nível tático foi alto. Foi mais divertido assistir Flamengo x Atlético-MG, mas taticamente o Dérbi foi muito acima”, disse.

Por último, o camisa 30 falou sobre o seu primeiro título como capitão do Palmeiras.

“O Palmeiras se preparou para uma guerra. Era ganhar ou ganhar. Essa conquista tem um gosto especial porque tiramos o clube da fila e ganhamos o campeonato em cima do maior rival. Com 37 anos realizei mais um sonho de levantar a taça como capitão da equipe”, finalizou Felipe.

Foto Destaque: Divulgação/Cesar Greco/Sociedade Esportiva Palmeiras

Renan Liskai
Renan Liskai
Muito prazer! Sou Renan Liskai, paulista, natural de Santo André. Desde 1998 falando, respirando, sorrindo, chorando e enlouquecendo por futebol. A vida de goleiro não deu certo, mas o jornalismo sempre esteve ali. Descobri que se não podia estar dentro de campo ou das quadras, eu poderia estar do lado de fora, mas sempre vivendo tudo isso. Sou daqueles que não perde um jogo de futebol por nada, seja ele qual for. Costumo dizer que esse esporte é assunto mundial e que não há uma pessoa no mundo que nunca tenha falado sobre tudo que acontece dentro e além das quatro linhas. Assim como todo mundo, carrego uma história e experiências. Sou filho, irmão, neto, amigo e sempre serei um eterno aprendiz dessa vida.

Artigos Relacionados