Giorgian de Arrascaeta, conhecido apenas por de Arrascaeta, nasceu na cidade de Nuevo Berlín, Uruguai. É um dos principais jogadores do CR Flamengo. Acima de tudo, é um dos principais nomes do futebol brasileiro. Desde a época do Cruzeiro, o jogador vem atuando com brilho no Brasil.

Desde 2014 o meio-campista veste a camisa dos charruas. Confira na Coluna Desclausurando o Uruguaio a história de um dos melhores jogadores do cenário brasileiro.

DE ARRASCAETA

O jogador nasceu na cidade de Nuevo Berlín. Primeiramente estreou na equipe Defensor Sporting Clube aos 18 anos de idade. Logo depois, em 2013 ele já conquistou Torneio Clausura. Contudo, o ano de 2014 foi especial para Arrascaeta. O jogador estava no elenco do Defensor que fez uma ótima campanha na Libertadores 2014. Naquela ocasião, o clube uruguaio chegou até as semifinais do torneio.

Ao todo foram 65 jogos com a camisa do El Violeta, marcou 18 gols e deu 17 assistências. Em seguida, o camisa número 10 assinou com o Cruzeiro EC. Certamente havia muita empolgação com a chegada do garoto que tinha na época 20 anos de idade.

EM SOLO BRASILEIRO

Chegou em 2015, logo em seguida já virou titular da Raposa.  Em seu primeiro ano em Minas Gerais, o jogador uruguaio mostrava um bom futebol. Um dos destaques foi na partida contra o Atlético Paranaense, confronto válido pela 11ª rodada do Campeonato Brasileiro 2015. Com toda certeza Giorgian foi o melhor em campo, marcou um gol e deu uma assistência naquele jogo que estava muito difícil.

Em 2016, no jogo da volta das quartas-de-final da Copa do Brasil de 2016, De Arrascaeta participou de todos os gols na vitória por 4 x 2 contra o Corinthians. O meio-campista deu uma assistência para o gol de Ramon Ábila, sofreu o pênalti que resultou em mais um gol do atacante argentino, cobrou escanteio de onde saiu o gol de Bruno Rodrigo e coroou sua atuação marcando o último gol do Cruzeiro na partida.

Por fim, ao todo foram 111 jogos, 26 gols e 18 assistências. Se tornou o maior artilheiro estrangeiro da história do clube mineiro e conquistou duas Copas do Brasil.

Contudo, saiu pela porta dos fundos. Embora tivesse respeito e carinho da torcida, o camisa 10 decidiu que era hora de mudar de clube. Mas o Cruzeiro não queria negociar, e isso fez com que Arrascaeta faltasse aos treinos. Até que em janeiro de 2019, o Clube de Regatas  do Flamengo 0 anunciou por 14,80 milhões de euros.

FLAMENGO

No Rio de Janeiro, o uruguaio chegou com enormes expectativas. Arrascaeta conseguiu junto com Gabriel Barbosa e Bruno Henrique o melhor time do Brasil no ano de 2019. Definitivamente foi o melhor ano da carreira do jogador. Em resumo foram 34 jogos, balançou as redes 14 vezes e deu 17 assistências.

Imediatamente conquistou títulos com a camisa rubro-negra, conquistou o Campeonato Brasileiro daquele ano, a Copa do Brasil, além é claro da Libertadores 2019. Logo após foi eleito o melhor meio-campista do campeonato nacional. No confronto contra o Ceará, Arrascaeta marcou um gol de bicicleta que na hora foi apontado e concorreu ao prémio Puskas, porém o coreano Son Heung-min levou o troféu.

Em 2020 as coisas se mantiveram nos altos. São 33 jogos até então, e sendo sempre um dos destaques das partidas.  O jogador já está usando a braçadeira de capitão do clube e espera continuar com a boa fase que dura desde janeiro de 2019.

SELEÇÃO URUGUAIA

Sua primeira convocação na Seleção Uruguaia foi em 2014. Naquela ocasião o Uruguai enfrentou o Japão em um amistoso, contudo ele não entrou em campo. Três dias depois, novamente estava entre os convocados, mas dessa vez foi utilizado na segunda etapa. E em sua primeira partida oficial com a camisa da seleção, o jogador deu uma assistência na vitória contra a Coreia do Sul.

Em 2018, Giorgian foi convocado para a Copa do Mundo na Rússia. Porém, entrou em campo duas vezes e não teve muito brilho. Por outro lado, o camisa 10 continua sendo convocado, e atualmente está ganhando mais espaço e sendo mais utilizado. Pela sua seleção, o jogador disputou 26 jogos, marcou três gols e deu quatro assistências.

Foto Destaque: Reprodução/Marcelo Cortes/Flamengo

 

Avatar
Caio Henrique de Oliveira
Eu escolhi jornalismo simplesmente por amar futebol. Desde 2016 eu tenho essa vontade de ser jornalista e trabalhar com esse esporte. Eu já trabalhei durante três anos em uma rádio aqui da minha cidade, lá eu fazia um programa de música e também um programa esportivo. Meu objetivo é trabalhar fora, possivelmente na Europa falando sobre o futebol europeu. Minha personalidade é de estar de bom humor na maioria do tempo.

Artigos Relacionados