Darío Pereyra

Alfonso Darío Pereyra Bueno, conhecido apenas por Darío Pereyra, foi um zagueiro que atuou em solo brasileiro durante 13 anos de sua carreira. Com toda certeza, o defensor ficou conhecido pela sua passagem no São Paulo Futebol Clube. A princípio, Darío demorou para se adaptar ao futebol brasileiro, contudo, logo depois já conseguiu se firmar como titular da equipe.

Ficou marcado também pela sua carreira com a Seleção do Uruguai. Lá atuou em 33 jogos, marcando cinco gols. Confira na Coluna Desclausurando o Uruguaio a trajetória de um dos principais zagueiros do São Paulo.

O INÍCIO DA LENDA 

Nascido no dia 19 de outubro de 1956, em Sauce, Uruguai, o defensor começou a sua carreira no Club Nacional do Uruguai. Mas jogou poucas partidas pelo clube. Porém, naquela época Pereyra atuava na ponta-esquerda do campo, e não como um zagueiro. Foram poucos jogos, contudo, o São Paulo mostrou interesse no jogador e o contratou. Ao longo de sua passagem pelo Nacional, foram apenas seis jogos disputados.

CHEGADA AO TRICOLOR

Darío Pereyra chegou no ano de 1977. Foi a segunda contratação mais cara da história do futebol brasileiro naquela época. O Tricolor contratou por 5 milhões de cruzeiros. No aeroporto, foi carregado pela torcida e recebido com muita festa. Afinal, o zagueiro tinha recusado uma proposta do Real Madrid.

Logo de cara já ganhou o primeiro título de sua passagem: conquistou o Campeonato Brasileiro daquele ano (o time do São Paulo enfrentou o Atlético MG na decisão, e saiu vencedor nos pênaltis, 3 x 2, no Mineirão). Em resumo, seu primeiro ano em solo brasileiro, o camisa 4 jogou seis jogos, contudo, não teve muito brilho. No entanto as coisas estavam para melhorar.

Carlos Alberto Silva, técnico do Tricolor, mudou Darío de posição. Recuou o jogador para a defesa. Sem dúvida a sua mudança de posição ajudou e muito. De fato, rapidamente se tornou titular. Em 1981, ganhou a Bola de Prata da Revista Placar em sua posição no Campeonato Brasileiro (o que se repetiria em 1983 e 1986) e foi um dos principais jogadores na campanha do bicampeonato paulista.

Enfim, o jogador atuou ao lado do zagueiro Oscar, essa dupla é lembrada pelos torcedores como uma das melhores da história. Em resumo foram 457 jogos pelo São Paulo, marcando 37 gols. Ficou 11 anos no Morumbi. Conquistou dois brasileiros e quatro Campeonatos Paulistas (1980, 1981, 1985 e 1987).

Darío, acima de tudo, ficou marcado pela sua raça em campo. Tinha um forte preparo físico, e também muita garra dentro e fora de campo. Com toda certeza ficará na história do São Paulo pelo seu amor a camisa e pela sua força de vontade nas quatro linhas. Os torcedores o elegeram ao lado de Oscar como “deuses da raça”.

PÓS SÃO PAULO

Após passagem pelo São Paulo, Darío ainda passou por Flamengo e Palmeiras, contudo não teve o mesmo brilho nesses dois times. Também atuou no Japão, na ocasião o defensor atuou no Gamba Osaka. Foi ali, no continente asiático, que Pereyra pendurou as suas chuteiras.

CARREIRA COMO TÉCNICO

Primeiramente, o defensor uruguaio foi comandante das categorias de base do São Paulo. Chegou a assumir o time principal no ano de 1997, sendo vice-campeão do Campeonato Paulista daquele ano. Também passou por Coritiba. Em 1999, comandou o Atlético MG. Em Minas Gerais, o técnico conquistou o Campeonato Mineiro do mesmo ano, certamente foi a sua melhor campanha como comandante. Entretanto, o ex-zagueiro não teve muito brilho nos outros clubes que comandou.

Foto Destaque: Reprodução/Arquivo Histórico do São Paulo FC

Caio Henrique de Oliveira
Eu escolhi jornalismo simplesmente por amar futebol. Desde 2016 eu tenho essa vontade de ser jornalista e trabalhar com esse esporte. Eu já trabalhei durante três anos em uma rádio aqui da minha cidade, lá eu fazia um programa de música e também um programa esportivo. Meu objetivo é trabalhar fora, possivelmente na Europa falando sobre o futebol europeu. Minha personalidade é de estar de bom humor na maioria do tempo.

Artigos Relacionados