O Corinthians é heptacampeão brasileiro. Jogando em Itaquera, o Timão derrotou o Fluminense por 3 a 1, de virada, chegou a 71 pontos e confirmou o título. A três rodadas do fim, ninguém mais alcança o líder.

O episódio final foi digno de roteiro de cinema. E com a cara do Corinthians. Com direito a drama, tensão, o herói salvando a pátria e, enfim, o final feliz. Tido como “quarta força” do Estado, o Timão surpreendeu e conquistou o Campeonato Paulista no começo do ano. Mas o melhor ainda estava por vir.

No Brasileirão foram nada menos que 34 jogos de invencibilidade – o melhor primeiro turno da história. No returno o time caiu de rendimento e viu os rivais aparecerem no retrovisor. Diante da ameaça, o Corinthians reagiu no momento decisivo para confirmar a conquista do Brasil.

Corinthians vence o Flu em Itaquera e confirma o hepta (Crédito: Rodrigo Gazzanel / Agência Corinthians)

Em pleno 15 de novembro a república corintiana solta o grito de campeão. A taça ainda não foi entregue. A CBF cogitou levar o troféu a Itaquera, mas voltou atrás devido ao encerramento das atividades do metrô, que dificultaria a volta para casa dos torcedores. A premiação vai ficar para a 37ª rodada, quando o Corinthians enfrenta o Atlético-MG, novamente na Arena. No entanto, a ausência do caneco não esfriou a festa da fiel torcida. Afinal, nesta temporada digna de conto de fadas do Timão, a magia não acaba meia-noite.

1º Tempo

Mais de 45 mil pessoas lotaram a Arena Corinthians, em Itaquera, para ver o Timão conquistar o Campeonato Brasileiro pela sétima vez. No entanto, a noite de festa ganhou contornos de drama logo no primeiro minuto de bola rolando. Em cobrança de escanteio de Marcos Júnior, o zagueiro Henrique ganhou de Jô e Pedro Henrique na altura e cabeceou para abrir o placar para o Fluminense.

Mas não houve tempo ruim para desanimar a fiel torcida. O gol só serviu para animar ainda mais as arquibancadas, que cantaram ainda mais alto apoiando o time da casa. Em campo, a resposta do Corinthians veio logo depois, aos 5 minutos, o cabeceio de Pablo foi por cima do gol, mas assustou o goleiro Diego Cavalieri.

O Corinthians tinha mais posse de bola e insistia nas jogadas pela direita, pressionando o Fluminense. O tricolor quase fez o segundo aos 21 minutos, em jogada de contra-ataque. Henrique Dourado ganhou na corrida de Pablo pela esquerda e cruzou certeiro para Gustavo Scarpa, mas Guilherme Arana surgiu no caminho e salvou o Timão.

Com dificuldades para furar a defesa do Fluminense, Rodriguinho tentou um chute de fora da área, mas acabou mandando por cima do gol. O Corinthians também desperdiçou uma grande chance aos 30 minutos. Romero fez uma bela jogada pela direita e deixou para Fagner, dentro da área. O lateral corintiano chutou cruzado e a bola passou por toda a área. Jô se esticou todo para tentar mandar para as redes, mas não conseguiu alcançar.

Antes do intervalo ainda houve tempo para Clayson animar a torcida. Aos 45 minutos ele tentou uma bicicleta, mas a defesa do Fluminense aliviou. Logo depois, aos 47, o atacante tentou um cruzamento para Jô, que cabeceou por cima do gol.

2º Tempo

Precisando da vitória para ser campeão, Carille colocou Jadson no lugar de Camacho no segundo tempo. E foi a vez do Corinthians ter um início avassalador. No primeiro minuto depois do intervalo Clayson cruzou e , de cabeça, empatou o jogo.

A virada do Timão veio dois minutos depois. Novamente Clayson, em bela jogada, tentou o cruzamento e acertou o travessão. No rebote, Jô apareceu para concluir de cabeça. Foi o 18º gol do camisa 7 do Corinthians, desbancando Henrique Dourado e assumindo a artilharia isolada do Brasileirão.

Timão vira e a torcida faz a festa em Itaquera (Crédito: Daniel Augusto Junior / Agência Corinthians)

A vantagem no placar levou o torcedor à loucura em Itaquera. Em campo, o Corinthians passou a administrar o resultado e explorar contra-ataques. O Fluminense tentava chegar mais ao ataque, arriscando chutes de fora da área. O Timão quase ampliou aos 37 minutos, com Jadson, mas a finalização do meia bateu na trave.

Mas a noite ainda reservaria algo especial para o camisa 10 alvinegro. Aos 39 minutos Jadson recebeu pela direita e bateu cruzado, desta vez com endereço, fora do alcance de Diego Cavalieri. Foi o gol do título do Corinthians.

Eufórico, o torcedor corintiano acendeu sinalizadores no estádio, obrigando a paralisação da partida por alguns minutos. Sob gritos de “campeão”, o meia Danilo entrou nos minutos finais no lugar de Jô. Exatos 472 dias depois de entrar em campo pela última vez, o camisa 20 do Corinthians recebeu a braçadeira de capitão e “estreou” no Brasileirão minutos antes da conquista do hepta ser sacramentada.

Sete

O Corinthians agora tem sete títulos brasileiros. Sete, o número cabalístico que significa “tantos quantos forem necessários“. O número nas costas do herói do hepta, . O número nas costas de todos os jogadores do Timão no fim da partida – usando a camisa comemorativa do hepta. Rua São Jorge, 777 – o endereço do Sport Club Corinthians Paulista.

Destaque do Timão, Jô é o novo artilheiro do Brasileirão 2017 (Crédito: Rodrigo Gazzanel / Agência Corinthians)

E o atacante fez justiça ao número. Fez tantos gols quantos fossem necessários para o título do Corinthians. Tantos gols que desbancou o artilheiro Henrique Dourado e agora é o jogador que mais vezes balançou as redes no Campeonato Brasileiro 2017. “Engolimos seco muita coisa. Mas a gente não tem que responder as críticas com palavras, e sim com trabalho. Este grupo está de parabéns. Trabalhou muito, correu, e é merecedor deste título maravilhoso”, afirmou o camisa 7.

Desde que o Campeonato Brasileiro começou a ser disputado, em 1971, o Corinthians nunca teve o artilheiro da competição. Com 18 gols, um a mais que o Ceifador, Jô aparece como um forte candidato a quebrar a escrita. No que depender do atacante, ele fará “tantos quantos forem necessários” para fazer história mais uma vez.

#Hep7a: na comemoração do sétimo título, todo mundo ostentou o “número do Jô” (Crédito: Rodrigo Gazzanel)

Mas nem tudo na vida são flores para o Corinthians. O Timão pode ter um importante desfalque para o ano que vem. O lateral-esquerdo Guilherme Arana, titular absoluto do time, confirmou que tem proposta do Sevilla e pode estar de partida para o futebol espanhol.

Quatro

Alheio à festa corintiana, o Fluminense ligou o alerta laranja no Brasileirão. O time das laranjeiras tem 43 pontos, ficando a apenas quatro da zona de rebaixamento. Vindo de duas derrotas seguidas e sem vencer a três rodadas, o tricolor tem uma “decisão” pela frente contra a Ponte Preta.

“Conheço muito bem a Ponte, uma equipe guerreira. Será realmente muito importante uma presença maciça do torcedor”, analisou o técnico Abel Braga. O Fluminense encara a Macaca na próxima segunda (20), no Maracanã. O jogo promete ser um confronto direto contra o rebaixamento. A Ponte Preta tem 39 pontos e, caso vença, pode encostar no tricolor na tabela de classificação.

Ficha Técnica

Corinthians 3 x 1 Fluminense

Local: Arena Corinthians, em São Paulo (SP)
Data: 15 de novembro de 2017, quarta-feira
Horário: 21h45 (de Brasília)
Árbitro: Bráulio da Silva Machado (SC)
Assistentes: Kléber Lucio Gil e Neuza Ines Back (ambos de SC)
Público: 45.775 pagantes
Renda: R$ 2.882.688,00
Cartões amarelos: Gabriel (Corinthians); Léo, Henrique Dourado, Reginaldo, Pedro, Henrique e Lucas (Fluminense)
Gols: CORINTHIANS: Jô, a 1 e aos 3 minutos, e Jadson, aos 40 minutos do segundo tempo
FLUMINENSE: Henrique, a 1 minuto do primeiro tempo

CORINTHIANS: Caíque; Fagner, Pedro Henrique, Pablo e Guilherme Arana; Gabriel, Camacho (Jadson), Romero, Rodriguinho e Clayson (Maycon); Jô (Danilo). Técnico: Fábio Carille

FLUMINENSE: Diego Cavalieri; Lucas, Nogueira, Henrique e Léo; Marlon Freitas (Pedro), Wendel, Júnior Sornoza (Matheus Alessandro) e Gustavo Scarpa; Marcos Júnior (Peu) e Henrique Dourado. Técnico: Abel Braga

Avatar
Johnny Katayama
Johnny Katayama é jornalista, locutor e apaixonado por esportes – de futebol e basquete até hipismo e xadrez. Entusiasta dos eSports e jogador amador de League of Legends. Narrador e repórter nas transmissões da TV MundoVôlei. Autor do livro: “Galo Guerreiro – os últimos campeões estaduais da história do futebol profissional de Maringá” (2012).

Artigos Relacionados