Com ingressos esgotados, Brasil estreia na Copa do Mundo Sub-17

Pela 1ª rodada do grupo A da Copa do Mundo Sub-17, o em amistoso.

País-sede pela primeira vez, a Copa do Mundo acontece entre os dias 26 e 17 de novembro no Brasil. Dessa maneira, a Seleção Canarinho já entra em campo neste sábado (26). Três dias depois, a equipe brasileira enfrenta a Nova Zelândia no mesmo palco. O encerramento da participação na fase de grupos será contra Angola, em Goiânia, no dia 1º de novembro. Além do Bezerrão, outros três estádios também receberão partidas do Mundial: Olímpico e Serrinha (Goiânia) e Kléber Andrade (Cariacica).

Escalação do Brasil definida

O técnico Guilherme Dalla Déa definiu a escalação para o jogo contra os canadenses: Matheus Donelli; Yan, Luan Patrick, Henri e Patryck; Daniel Cabral; Gabriel Veron, Talles Costa, João Peglow e Talles Magno; Kaio Jorge. Além disso, o comandante, em entrevista coletiva, prometeu “futebol alegre e envolvente”, mesmo com a pressão:

“O Brasil tem responsabilidade muito grande dentro da competição. É uma responsabilidade grande que todos sabemos, mas mais importante é que todos nós façamos o melhor para que a gente traga para o nosso povo um futebol envolvente e alegre. E que, além disso, transforme essa pressão em um bom jogo, de forma alegre e ousada”, disse Dalla Déa.

Henri: o capitão brasileiro

O técnico também comentou a respeito da escolha do capitão do time. Dalla Déa definiu que Henri vai ficar com a faixa. O zagueiro é conhecido do comandante desde que participou da comissão técnica no Sul-Americano Sub-15, em 2017. Na ocasião, Henri fazia parte da equipe.

“Esses atletas já vêm comigo em um trabalho de três anos. Procuramos dentro do grupo identificar os líderes e isso não é só dentro de campo. A liderança tem que partir do lado de fora, com a sua organização, o comprometimento e o respeito aos companheiros. Dessa maneira, a gente rodou entre vários atletas e, neste momento, o Henri é o nosso capitão. Mas deixo claro que todos são os nossos capitães. Temos que trabalhar em equipe. Hoje, o ele tem essa responsabilidade. Em suma, é um atleta que é referência para o grupo. Isso nos deixa muito seguro”, destacou o técnico.

Foto destaque: Divulgação/Alexandre Loureiro/CBF

Danyela Freitas
Sou goianiense, graduada em Letras pela Universidade Federal de Goiás (UFG), pós-graduada em Jornalismo Esportivo pela Estácio-SP e tenho três grandes paixões: a escrita, a leitura e o esporte (não necessariamente nessa ordem).

Artigos Relacionados