Bahia

O conselho fiscal divulgou nesta semana o último balanço financeiro do Bahia. Assim, o Tricolor demonstrou bom desempenho na entrada de receitas, com destaque para direitos de transmissão e negociação de jogadores. Em contrapartida, várias despesas excederam o orçamento, a exemplo da comissão de empresários de atletas. No entanto, fazendo um recorte do semestre, o clube conseguiu um superávit.

Principais receitas do Bahia

Primeiramente, o conselho fiscal salientou as áreas que o Bahia desempenhou bem no último trimestre. Assim, destacou o superávit geral no 1° semestre de R$ 4,6 milhões. No entanto, se deve ao fato de que os direitos de transmissão de 2020 que foram pagos em 2021, por causa do fim do Brasileirão. Dessa forma, o Tricolor recebeu R$ 50,8 milhões em fevereiro de 2021.

Além disso, o exame das contas observou um resultado muito positivo na venda de atletas. A saber, o clube havia orçado ganhar R$ 11 milhões nesta modalidade, mas conseguiu R$ 30 milhões. Assim sendo, uma diferença de R$ 19 milhões. Vale lembrar que Grégore, Thiago e Juninho foram vendidos para o exterior durante o período.

Ademais, o clube havia feito um orçamento de acabar o semestre em um déficit de R$ 8,8 milhões. Por isso, o conselho fiscal vê como muito positivo o resultado, já que a diretoria executiva conseguiu uma diferença de R$ 13,4 milhões. Além disso, a diretoria executiva ainda realizou um empréstimo de R$ 4,9 milhões, junto ao banco Daycoval.

Principais despesas do clube

Por outro lado, o conselho também destaca alguns aspectos negativos nas finanças do clube. Primeiramente, quanto ao patrimônio líquido, que é de -188 milhões. Bem como, os principais responsáveis por este resultado são os passivos judiciais. A saber, os compromissos com parcelamentos, acordos trabalhistas e contingências.

Além disso, a diretoria executiva também foi aconselhada a pagar rapidamente os salários e direitos de imagem atrasados. Aliás, a despesa com pessoal excedeu o orçamento de R$ 39,7 milhões, chegando ao gasto de R$ 43,2 milhões. Ademais, o conselho fiscal destacou com com preocupação os altos gastos com serviços de terceiros. A saber, nesta modalidade, a maior parte do montante de R$ 13,1 milhões foram direcionados a empresários de jogadores.

Outros setores do clube também apresentaram desempenho fraco no período, mas compensados pela venda de atletas. A saber, a Loja Esquadrão conseguiu apenas R$ 2 milhões, se comparado ao esperado de R$ 4,9 milhões. No entanto, o conselho reconheceu as dificuldades impostas pela pandemia da covid-19. Além disso, o Programa de Sócios e o Patrocínio também não atingiram o orçado, mas com uma diferença muito menor.

Foto destaque: Divulgação/EC Bahia

Caian Oliveira
Siga-me no Twitter: @caiansoliveira