Antes de mais nada, é um pouco cruel criticar o time que há poucos meses disputou a última final de Libertadores. Aquela derrota para o Palmeiras escancarou que Cuca tirava leite de pedra. O Santos sempre foi longe devido ao seu caráter organizacional. Por outro lado, a diretoria do Peixe não encontrou tranquilidade nas últimas temporadas. A contratação do técnico Fernando Diniz buscava uma renovação profunda. Porém, ele não conseguiu definir um padrão tático e foi demitido após uma sequência negativa no Brasileirão. Em síntese, o que nós podemos esperar do elenco santista após as contratações e a chegada de um novo treinador?

O desmonte da equipe santista em 2021

Comecei este texto relembrando a Libertadores de 2020. É justo pontuar que o Santos sofreu um desmonte em relação ao time vice-campeão da América. Cinco titulares deixaram a equipe. A princípio, a zaga titular virou fumaça. Lucas Veríssimo foi para o Benfica de Jorge Jesus. Já Luan Peres hoje trabalha com Sampaoli no francês Olympique. Todavia, o Peixe sofreu mais três baixas. Pituca foi para o futebol japonês – atualmente o volante defende as cores do Kashima Antlers – e o genial Soteldo passou a jogar na MLS (o campeonato estadunidense de futebol), através do Toronto. Além disso, Kaio Jorge foi para a Juventus. O último a sair apague a luz.

A reformulação do Santos com Mazzuco

Após tantas perdas, era até compreensível que o Santos recorresse ao mercado. O executivo André Mazzuco é o responsável pelas contratações do Peixe. Desse modo, a reposição veio para as posições a seguir: goleiro (Jandrei), zagueiro (Emiliano Velázquez), meio-campo (Augusto Galván) e atacante (Diego Tardelli e Léo Baptistão). Muitas expectativas positivas cercam os reforços santistas. Afinal, o time deu uma encorpada com esses nomes – embora seja necessário mais tempo para avaliar melhor o rendimento dessas peças. Entretanto, talvez a proposta do novo técnico favoreça um rodízio no Santos. Afinal, a tradição do clube preza pelo uso das categorias de base.

A caminhada do Santos até dezembro

Ainda vivo na Copa do Brasil, o Santos sabe da dificuldade e vai ter que se desdobrar para despachar o Athletico Paranaense. No Brasileirão, hoje o Peixe é 13º colocado – com 22 pontos. Dessa forma, a sangria ainda não foi estancada. O time caiu na Libertadores antes do mata-mata e saiu de modo precoce na Sul-Americana. A tarefa do treinador que virá é recuperar o emocional e dar uma cara ao time. Creio que ele tem boas condições de atingir o objetivo. Em suma, acredito que uma boa solução para o Santos é apostar em um perfil que possa ter continuidade para desenvolver a sua filosofia de trabalho dentro do clube. Aí sim o mar estará para Peixe.

Foto destaque: Divulgação / Alexandre Schnaieder

André Filipe
Apaixonado pela dimensão histórica do futebol e pela ciência da bola. Gremista desde a Batalha dos Aflitos para o que der e vier. Sinto na escrita o calor latente das minhas paixões profissionais. Historiador, jornalista esportivo e jogador de pôquer nas horas vagas.