António Oliveira pede demissão

António Oliveira pede demissão e não é mais o técnico do Athletico. Dessa forma, o português colocou o cargo a disposição após a derrota para o FC Cascavel, quando o Furacão perdeu a chance de ganhar o Campeonato Paranaense. Assim, a diretoria do Rubro-Negro aceitou o pedido na manhã desta quinta-feira. Após isso, o elenco esteve no CT do Caju para ser notificado sobre a saída do técnico.

A princípio, a decisão estava sendo conversada desde a derrota por 2 x 1 para o Cascavel. Assim, o presidente Mario Celso Petraglia estava em Curitiba, mas em contato com os dirigentes Márcio Lara e Paulo Autuori junto com o clube. Com isso, António pediu para não dar entrevista após a partida, e também, conversar com o gerente executivo William Thomas.

Em suma, havia uma insatisfação de ambos os lados. Dessa forma, o Athletico já conversava sobre uma troca de técnico pelo desempenho nos últimos jogos do Furacão. Com isso, o técnico em 40 jogos teve 21 vitórias, sete empates e 12 derrotas, chegando a 58% de aproveitamento. A dúvida que surgiu no clube foi em relação ao Campeonato Brasileiro, visto que o clube nos últimos seis jogos, perdeu cinco e empatou. Ao contrário time está vivo na Copa Sul-Americana e na Copa do Brasil.

Por outro lado, Oliveira já havia deixado claro que não estava satisfeito com o elenco atual. Com isso, o técnico fez um planejamento para as quatro competições, mas precisava de reforços para seguir forte em todas elas. O clube trouxe alguns novos jogadores, mas com a saída de Vitinho e a lesão de Matheus Babi, António queria mais jogadores para o elenco. Mesmo tendo um desempenho abaixo no Brasileirão, o português tinha o apoio de Autuori e mais alguns dirigentes do clube.

António Oliveira fala após o pedido de demissão

Após anunciar o desligamento do time, o técnico apresentou uma nota em sua rede social: “Faço questão de dar os parabéns a esta equipa pelo enorme esforço e dedicação. Mas como sempre disse, jogadores não são máquinas e tudo tem limites. Saio de consciência tranquila e agradeço o apoio de todos que, junto comigo, saímos de uma zona de queda no ano passado para a fase final de duas das copas, simultaneamente, fato inédito na história do CAP.” disse António.

Por outro lado, Toni, pai de António, criticou o clube pela situação: “Quando venderam o Vitinho, era nesse dia que o treinador devia ter saído, porque tiraram quem marcava gols e dava profundidade ao jogo do Atlético. Foi uma grande experiência em um clube com grande história, mas com um cancro dentro do elenco que destrói o trabalho de um leader”, disse o ex-jogador.

Quem assume o time agora?

Com a saída de Oliveira, ainda não se tem ao certo o futuro do time paranaense. Assim, existe a possibilidade de Paulo Autuori de assumir o comando técnico e também continuar como diretor e contar com a ajuda de Bruno Lazaroni para cumprir o trabalho. Por outro lado, existe a possibilidade do clube buscar um nome no mercado.

Assim, existe a possibilidade de conversa com Roger Machado, mas o técnico geralmente não assume mais de um time por temporada. Outro nome ventilado é o de Rogério Ceni, que tem boa relação com Autuori. A princípio, o nome de Fernando Diniz também começou a ser especulado mas este já foi anunciado pelo Vasco.

Por outro lado, o Furacão pode buscar opções no mercado Sul-Americano.

Foto destaque: Divulgação/José Tramontin/Athletico

Vitor Marques
Escolhi o jornalismo por querer trabalhar com esportes, especificamente com futebol e por gostar muito de televisão e formato de programas esportivos. Fiz uma websérie como produto do meu TCC, juntamente com meu grupo, contando a história da temporada de 2014 do Maringá Futebol Clube, neste ano o clube que disputava pela primeira vez a série A do campeonato estadual chegou ao vice-campeonato. Tenho um canal do YouTube com alguns amigos da faculdade para falar sobre futebol e já participei de alguns programas esportivos de rádios e é o que desejo fazer profissionalmente, trabalhar com esportes.