Rumo ao Brasil, Abel Ferreira revela contato com técnicos brasileiros

Na noite deste domingo (1), o técnico português Abel Ferreira recém contratado pelo Palmeiras embarcou rumo ao Brasil. Provavelmente, o desembarque do treinador deverá acontecer na manhã desta segunda-feira (2). Antes do embarque, Abel Ferreira, de 41 anos, falou um pouco sobre os motivos que o levaram a deixar o PAOK, da Grécia. E por fim, aceitar a proposta alviverde. O português destacou a grandeza e organização do clube.

 “Não estava fácil me deixarem sair (no PAOK), no final todos chegaram a um entendimento. Acima de tudo voltar a ganhar. Sabemos a grandeza do clube, os objetivos do clube, sabemos dos jogadores que tem na Academia, foi seguramente uma das razões que levou o Palmeiras a me contratar, que é a aposta nos jovens. Portanto, estão reunidas todas as condições para todos juntos termos sucesso”.

Relação com técnicos brasileiros

Por outro lado, Abel também revelou que conversou com técnicos brasileiros sobre seu acerto com o Palmeiras. No entanto, surpreendeu ao citar ter contato com alguns nomes do futebol brasileiro, como Felipão, Paulo Autuori, Guto Ferreira, etc.

 “Por incrível que pareça falei mais com brasileiros do que com portugueses. Vocês sabem, o treinador que me estreou na primeira liga foi o Paulo Autuori,. O treinador que me levou para seleção portuguesa foi o Scolari. No Braga, dois treinadores, o Guto Ferreira e o Thiago Larghi estiveram comigo fazendo um estágio. Tenho ótimo relacionamento com treinadores brasileiros e curiosamente falei mais com brasileiros”.

Primeira missão

Aliás, tem grande possibilidade do técnico acompanhar o jogo do Verdão nesta segunda-feira (2), diante do Atlético-MG, no Allianz Parque. Em partida válida pela 19ª rodada do Campeonato Brasileiro 2020. Ao passo que o português destacou essa intenção.

 “Primeira coisa que vou fazer é ver o jogo, poder estar com nossos jogadores, isso que é o mais importante agora, e começar a trabalhar o mais rápido possível”.

Foto Destaque: Bruno Colaço/Record

 

Tata Marx
Na verdade, não fui eu que escolhi o jornalismo e sim ele que me escolheu. Sem dúvidas, a profissão é como um oceano que precisa ser desvendado na sua profundeza, só assim é possível conhecer e respeitar toda sua beleza.

Artigos Relacionados