Zagueiro Ozéia e a adaptação na Ásia: “Já fui barrado em shopping por causa de tatuagem”

Campeão Gaúcho pelo Grêmio em 2010, Ozéia atualmente veste a camisa do Busaiteen Club do Bahrain. Mas a primeira experiência na Ásia foi em 2013 quando defendeu o Al Hilal da Arábia Saudita e desde então, o atleta de 34 anos, coleciona algumas histórias curiosas.

Com experiência em grandes clubes brasileiros e em Portugal, o zagueiro conta que não enfrentou muita dificuldade para se adaptar.

– Apesar de ser um país desconhecido para mim, até que não foi tão difícil, pois o clube me deu toda assistência e suporte na minha chegada. Até compras no supermercado eles me ajudaram a fazer no início.

O atleta ainda lembra que muitos torcedores foram recepcioná-lo no aeroporto.

– Foi uma confusão e eu não consegui entender muita coisa, principalmente por causa do idioma. Depois que cheguei ao hotel fiquei imaginando como iria ser minha vida por lá, pois a cultura, os costumes são completamente diferentes dos nossos.

No clube ele foi bem recebido pelos demais companheiros e comemorou por ter mais um brasileiro na equipe, o que facilitou sua adaptação. E, além de tudo, tinha dois jogadores árabes que falavam português.

– Quando cheguei encontrei o Wesley Lopes, que já conhecia de vista da época que jogava em Portugal e também o colombiano Gustavo Bolivar. Nós sempre ficávamos juntos e com o tradutor, pois nem o inglês é falado por todos lá, mas o que me deixou mais surpreso foram dois jogadores árabes que sabiam falar a nossa língua de tanto que gostavam do Brasil, claro que não era fluente, mas dava para conversar bem. E vale ressaltar que em Árabe a gente só aprende os xingamentos. Você tem que aprender a xingar e saber quando eles estão te xingando para se defender, brinca o jogador.

Mesmo não tendo tantas dificuldades, como normalmente acontece com os brasileiros por lá, Ozéia passou por algumas situações inusitadas, como o dia em que foi barrado em um shopping por causa das tatuagens de um amigo.

– Uma vez fomos a um shopping, eu, o tradutor e o Wesley ele tem muitas tatuagens e estava com uma camiseta regata. Logo que entramos veio um segurança pedir para ele cobrir as tatuagens ou sair do local… Tivemos que ir embora [risos], explica.

São fatos como esse que mostram as diferenças culturais e de comportamentos nos países árabes. Ozéia lembra que o dia a dia na Arábia Saudita é bem complicado, pois eles são bem severos e seguem rigorosamente suas crenças religiosas.

– Nós também precisamos seguir o que é imposto por eles. O que mais me espanta é o poder que eles têm sobre as mulheres, elas são submissas ao extremo e não podem fazer nada, é tipo uma escrava, observa o jogador.

Morando agora no Bahrein, pequeno país da região do Golfo Pérsico, Ozéia conta que por lá as mulheres são mais livres, podem vestir o que quiser, podem dirigir, ir aos Estádios.

– No Bahrein é muito bom de morar, é mais livre, inclusive foi construída uma ponte de 25 km que cruza o Golfo Pérsico e liga a Arábia Saudita com o Reino do Bahrein. Durante os finais da semana e feriados a população do Bahrein quase duplica, pois eles saem da Arábia em busca de mais liberdade, principalmente as mulheres, conta.

Já o futebol não é tão competitivo, mas está em ascensão. Ozéia conta que os treinos acontecem somente no período noturno.

Foto 3

– Normalmente treinamos apenas a noite por causa do calor. No auge do verão, nos meses de junho e julho, as temperaturas ficam em torno de 40ºC, 45ºC e é praticamente impossível treinar durante o dia, mesmo às 22h, no horário do treino, ainda é muito quente, revela.

Agora se o assunto for alimentação, Ozéia lembra de um fato engraçado que aconteceu logo que chegou ao Bahrein.

– Fiquei sabendo que existia uma churrascaria por perto, e como bom gaúcho, louco por uma carne, um bom churrasco, quis conhecer. Fui com o jogador Rodrigo Possebon, também gaúcho. Quando chegamos lá fomos recebidos por dois indianos de bombacha e bota e aí na hora de servir a carne, eles chegaram com camarão no espeto. Foi muito engraçado, lembra aos risos.

Apesar das diferentes culturas, do calor, de ficar longe dos familiares e amigos, Ozéia garante que vale a pena.

– Claro que o lado financeiro pesa muito para um jogador quando decide viver longe do seu país, não é fácil, mas pode garantir um futuro melhor para gente e para a nossa família. Só que além do dinheiro, nós temos a oportunidade de adquirir e conhecer novas culturas, lugares, que se não fosse pelo futebol não teríamos essa oportunidade, finaliza.

 

Avatar

Sobre Simone Malagoli

Simone Malagoli já escreveu 11 posts nesse site..

Simone Malagoli, formada em Jornalismo pela Estácio de Sá de Santa Catarina, tem experiência no meio de comunicação atuando como apresentadora e repórter esportiva em emissoras de Rádio e TV. Em 2016 iniciou uma nova etapa no ramo do jornalismo, atuando como assessora de comunicação.

BetWarrior


Poliesportiva


Avatar
Simone Malagoli
Simone Malagoli, formada em Jornalismo pela Estácio de Sá de Santa Catarina, tem experiência no meio de comunicação atuando como apresentadora e repórter esportiva em emissoras de Rádio e TV. Em 2016 iniciou uma nova etapa no ramo do jornalismo, atuando como assessora de comunicação.

    Artigos Relacionados

    Topo