Xhaka deve deixar o Arsenal e jogar na Itália

O suíço Granit Xhaka está próximo de deixar o Arsenal rumo a Roma, da Itália, segundo o site Football.London. A informação, publicada pelo jornalista inglês Chris Wheatley, afirmou que o acordo gira em torno de 20 milhões de euros. Assim, o contrato firmado será de cinco anos e toda a negociação contou com a contribuição de José Mourinho, atual técnico da equipe romana.

Mourinho, admirador confesso de Xhaka, finalmente poderá contar com o jogador. O técnico já havia elogiado o meio-campo publicamente dois anos atrás. Por outras equipes, o treinador português havia tentado a contratação do suíço, mas sem êxito.

Em janeiro de 2020, por pouco o jogador da seleção suíça não deixou o Arsenal rumo ao Hertha Berlin, da Alemanha. Mas mesmo com um acordo firmado, o técnico espanhol Mikel Arteta conseguiu convencer Xhaka a permanecer. Entretanto, agora em 2021, o comandante não deve evitar a saída do atleta.

A longa passagem de Xhaka pelo Arsenal

No total, o jogador dedicou cinco anos aos Gunners. Assim, Xhaka deve sair do Arsenal com 220 partidas sob o comando de três técnicos diferentes: Arsenè Wenger, Unai Emery e Mikel Arteta. Durante esse período conquistou duas Copas da Liga e duas Supercopas da Inglaterra. Por ser mais volante, o suíço marcou apenas 13 gols e distribuiu 20 assistências.

Antes de jogar na Inglaterra, Xhaka atuou nas categorias de base do Basel, da Suíça, até alcançar o profissional. Em sua terra natal, venceu duas vezes o Campeonato Suíço e uma Taça nacional. Posteriormente, se transferiu para o Borussia Monchengladbach. Na Alemanha não conquistou títulos, mas atuou em alto nível. Por isso, foi vendido ao Arsenal por 45 milhões de euros em 2016.

Foto Destaque: Reprodução/90min

Avatar
Carlos Vinícius Amorim
Carlos Vinícius Amorim, 21 anos, atualmente cursando jornalismo pelo amor ao futebol, que se iniciou lá em 2005, com apenas seis anos de idade, já imaginam qual o clube né. Sempre se informando e informando aos outros, buscando referências e fontes. Como o jornalismo manda.

Deixe uma resposta