Santos segura empate na Argentina, e decide no Pacaembu

- Independiente tem maior volume de jogo, mas para em Vanderlei; Peixe não finalizou nenhuma vez

Na noite desta terça-feira, Independiente e Santos se enfrentaram, no estádio Libertadores de América, em Avellaneda, pela primeira partida das oitavas de final da Libertadores. O empate sem gols deixa o time brasileiro em situação confortável para o jogo da próxima semana, no Pacaembu, onde precisará de uma vitória simples para avançar às quartas de final.

O jogo terminou com uma estatística inusitada: o Peixe não finalizou uma vez sequer contra o gol de Campaña. Embora não tenha corrido muitos riscos sem a bola, os comandados de Cuca viram o goleiro Vanderlei salvar sua equipe em pelo menos duas oportunidades. Espera-se que, diante de seu torcedor, o alvinegro da Vila dite o ritmo do jogo.

Primeiro tempo

Jogando em casa, o Independiente partiu para o ataque, mas não ameaçou de forma contundente o gol santista. Isto se deveu à ótima atuação do sistema defensivo santista. Com Cuca, o Peixe mostra evolução neste aspecto. O time de Jair Ventura, seu antecessor, sofria, e muito, em quase todas as vezes em que seus adversários aceleravam o jogo. Em contrapartida, o esquema do novo treinador deixa nítida a compactação entre zaga e meio-campo. Nesta terça-feira, era possível ver duas linhas de quatro jogadores defendendo em bloco, para anular as articulações de Meza e as jogadas buscando o centroavante Gigliotti. 

Ofensivamente, contudo, o desempenho foi abaixo da crítica. Rodrygo parece ter sentido o clima da partida e Bruno Henrique, em mais uma atuação medíocre, errou tudo o que tentou – o paraguaio Derlis González pede passagem. Menção honrosa para Gabriel, que movimentou-se bastante, mas foi presa fácil para os zagueiros do time argentino, que não permitiram uma finalização sequer do camisa 10.

Segundo tempo

Precisando do resultado, o Rey de Copas foi para o tudo ou nada, mas o time paulista não arrefeceu. Com isso, o Santos pôde explorar os contra-ataques, mas a dupla Rodrygo e Bruno Henrique não estavam, de fato, em uma noite inspirada. A transição ofensiva da equipe de Cuca foi muito ruim, e o chamado último passe não se concretizou.

Cuca, então, colocou González e Sasha em campo – saíram Rodrygo e Bruno Henrique. Mesmo assim, o Santos não foi efetivo, o que trouxe os argentinos para seu campo de defesa. Aos 24, Gigliotti perdeu a melhor chance de jogo – Cerutti ganhou de Victor Ferraz no jogo aéreo e escorou para o meio da área. O centroavante, na pequena área, chutou por cima do gol de Vanderlei. Aos 31, o goleiro santista defendeu boa cabeçada de Burdisso. Cinco minutos depois, Dodô foi expulso em um lance infantil – já amarelado por uma falta cometida desnecessariamente, o camisa 16 deu um carrinho por trás e foi para o chuveiro.

Nem mesmo a inferioridade numérica afetou a compactação defensiva do Peixe. Pituca, gigante em campo, ocupou a lateral esquerda, e o time paulista aguentou a pressão até os 51 minutos.

O que vem por aí

Neste sábado, o Santos recebe o Bahia, na Vila Belmiro, pela 21ª rodada do Brasileirão. Cuca pode poupar alguns titulares, como fez contra o Sport, na última rodada. Na terça-feira, no Pacaembu, o Peixe decidirá sua vaga nas quartas de final do torneio continental contra o Rey de Copas. O time argentino, por sua vez, jogará, em casa, na sexta-feira, 24, contra o Defensa y Justicia, pela terceira rodada do campeonato argentino. Pela Libertadores, um empate com gols ou uma vitória fora de casa classifica o time de Avellaneda.

Melhores momentos

André Siqueira Cardoso

Sobre André Siqueira Cardoso

André Siqueira Cardoso já escreveu 313 posts nesse site..

Sou André Siqueira Cardoso, tenho 21 anos. Aluno de jornalismo da Escola de Comunicação e Artes da Universidade de São Paulo (ECA-USP), atualmente trabalho em VEJA, com a cobertura do noticiário político. Apaixonado por esportes, jogador de futebol até hoje, tenho o sonho de cobrir uma Copa do Mundo.

365 Scores

BetWarrior


André Siqueira Cardoso
André Siqueira Cardoso
Sou André Siqueira Cardoso, tenho 21 anos. Aluno de jornalismo da Escola de Comunicação e Artes da Universidade de São Paulo (ECA-USP), atualmente trabalho em VEJA, com a cobertura do noticiário político. Apaixonado por esportes, jogador de futebol até hoje, tenho o sonho de cobrir uma Copa do Mundo.

Artigos Relacionados

Topo