Sampaoli diz que não sabia da situação financeira do Santos ao ser contratado

- Em entrevista coletiva concedida na manhã desta sexta-feira, treinador afirmou que espera que diretoria cumpra suas promessas

Na véspera da estreia oficial do Santos na temporada de 2019, o técnico Jorge Sampaoli concedeu entrevista coletiva na manhã desta sexta-feira, no CT Rei Pelé. O argentino falou sobre negociações do clube, sua filosofia de trabalho e disparou contra a situação financeira do Peixe. Ele revelou que não sabia da situação financeira quando foi contratado.

“Não estava sabendo da situação financeira do Santos. Pensava que estava vindo para um clube que me permitisse e me desse condições de trabalhar com uma grande equipe, com potencial. Estamos esperando que as promessas sejam cumpridas”, disse.

“Houve a promessa de contemplar essa realidade (potencializar a equipe com novos jogadores). Se o clube tivesse me dito que não estava bem, impossível. A realidade seria outra. Vim para fazer uma equipe forte. E espero que isso aconteça”, completou o treinador.

As declarações do argentino escancaram uma realidade já conhecida pelo torcedor santista: a má administração do clube. Quando chegou, Sampaoli entregou ao presidente José Carlos Peres e ao executivo de futebol, Renato, ex-volante e ídolo da torcida, uma extensa lista com reforços, para todas as posições. Se houvesse transparência por parte de Peres e seus poucos aliados, o argentino saberia, de antemão, que o buraco, na Vila Belmiro, é mais em baixo. Talvez, nem acertasse sua vinda.

Como já destacado aqui, no duelo contra o Corinthians, no amistoso de pré-temporada realizado na Arena Corinthians, no último domingo, foi possível ver a cara do trabalho de Sampaoli com apenas uma semana de treinamentos. As ideias estão no papel, mas faltam peças, um elenco qualificado.

Até o momento, apenas o zagueiro Aguilar, ex-Atlético Nacional, da Colômbia, e o meia-atacante Soteldo, que jogou pela La U, do Chile, na última temporada, foram contratados. Falta um lateral esquerdo e um centroavante, no mínimo. O argentino pediu Ricardo Oliveira, mas a cúpula santista negocia com Nicolas Blandi, argentino do San Lorenzo.

Na última quarta-feira, o portal Globo Esporte publicou uma matéria sobre a obsessão do treinador em transformar o Santos em uma equipe competitiva, que brigue de igual para igual com times como o Palmeiras, por exemplo, e uma “compreensão mútua” entre técnico e diretoria. No entanto, em suas declarações à imprensa, o argentino parece não estar muito satisfeito. Por isso, diante do cenário que se desenha, uma saída precoce não causaria tanto espanto assim.

Quem chega…

Na coletiva, Sampaoli disse que a vinda de Everson, goleiro que defendeu as cores do Ceará no último Brasileirão, tem relação com a iminente saída de Vladimir, reserva imediato de Vanderlei, e sua intenção de trabalhar com um goleiro que jogue bem com os pés. “Há a possibilidade concreta de Vladimir sair, temos necessidade de outro goleiro. E escolhi esse nome (Everson). Se não fosse o Vladimir sair, não falaríamos de outro goleiro”, disse.

Contratado junto ao Atlético Nacional e anunciado nesta sexta-feira, Felipe Aguilar possibilitará ao Santos jogar com uma linha de três zagueiros, segundo Sampaoli. O zagueiro foi o melhor passador do último campeonato colombiano.

O treinador também comentou a situação de Vanderlei, titular da meta santista. “Vanderlei é titular, tem todas as chances de ser titular porque demonstrou sua capacidade. Temos que somar ao seu jogo, mas hoje não o vejo sem ser titular. Durante o ano, veremos, mas hoje não me imagino em curto prazo dando lugar a outro”, afirmou.

… e quem sai

Além de Vladimir, Bruno Henrique e o paraguaio Derlis González podem estar de saída do Peixe. O treinador do alvinegro da Vila manifestou seu desejo pela permanência do atacante, que interessa ao Cruzeiro, além de ter sido alvo do Flamengo, mas disse que, no futebol, “o dinheiro vem primeiro”. “Bruno Henrique disse para mim que está muito feliz com o estilo de jogo do Santos, com a maneira de jogar. Hoje os interesses econômicos são maiores. Isso pode mudar de um dia para o outro. Para o futebol, o dinheiro vem primeiro, infelizmente”, disse. “Espero que Bruno Henrique fique. Ele está treinando para jogar”, acrescentou.

Sobre o paraguaio, que no início da temporada reclamou do atraso no pagamento dos direitos de imagem, Sampaoli confirmou sua intenção de deixar a Vila. “Derlis González manifestou desejo de seguir sua carreira em outro lugar. Está negociando uma possibilidade importante. Como não temos certeza (de sua permanência), preferimos não inscrevê-lo (no Paulistão) para que não ocupe um lugar”, afirmou. O jogador, que atua pelas beiradas de campo e pertence ao Dínamo de Kiev, da Ucrânia, está emprestado ao Peixe por duas temporadas e, como explicado, foi cortado da primeira lista do Santos para o Paulistão.

O argentino ainda comentou sobre a situação de Eduardo Sasha, que veio para Santos em uma troca envolvendo o lateral Zeca. Segundo Sampaoli, o atacante está liberado para negociar sua saída. “Não tomamos decisão sobre Sasha, não encontramos um lugar. Não podemos mentir ao jogador. Hoja não há uma definição, mas ele tem capacidade, e ele decide se continua lutando no clube ou se busca outro caminho”, esclareceu.

O Santos enfrentará a Ferroviária, neste sábado, às 17h, na Vila Belmiro, pela primeira rodada do campeonato estadual.

André Siqueira Cardoso

Sobre André Siqueira Cardoso

André Siqueira Cardoso já escreveu 313 posts nesse site..

Sou André Siqueira Cardoso, tenho 21 anos. Aluno de jornalismo da Escola de Comunicação e Artes da Universidade de São Paulo (ECA-USP), atualmente trabalho em VEJA, com a cobertura do noticiário político. Apaixonado por esportes, jogador de futebol até hoje, tenho o sonho de cobrir uma Copa do Mundo.

365 Scores

BetWarrior


André Siqueira Cardoso
André Siqueira Cardoso
Sou André Siqueira Cardoso, tenho 21 anos. Aluno de jornalismo da Escola de Comunicação e Artes da Universidade de São Paulo (ECA-USP), atualmente trabalho em VEJA, com a cobertura do noticiário político. Apaixonado por esportes, jogador de futebol até hoje, tenho o sonho de cobrir uma Copa do Mundo.

Artigos Relacionados

Topo