Peru derrota Bolívia e Guerrero se transforma em artilheiro histórico da Copa América

- Centroavante chega a 12 gols na competição e deixa os Rojiblancos próximos da próxima fase
Paolo Guerrero

Peru, Bolívia e Venezuela compuseram ao longo do tempo o trio de “saco de pancadas” do continente. Assim, pressupõe-se que uma partida envolvendo dois desses selecionados seja infinitamente menos atrativa em comparação com outra, onde esteja de um lado do campo a Pentacampeã Mundial, Seleção Brasileira. Contudo, os selecionados peruano e boliviano protagonizaram o confronto mais satisfatório de se acompanhar desta terça-feira (18), visto a manutenção do marasmo futebolístico da equipe de Tite, a qual já havia exibido um futebol pífio em sua estreia, na Copa América.

O embate realizado no Maracanã realçou a ascensão dos conjunto liderado por Paolo Guerrero. Porém, os Incas, que apostam na manutenção do grupo que disputou a Copa do Mundo na Rússia, dispõe de outros futebolistas capazes de contracenar com o centroavante, protagonista da equipe. Dessa maneira, jogadores como Jefferson Farfán, responsável por oito finalizações em apenas dois jogos, número que o credencia como maior chutador do torneio, e Christian Cueva, atleta que mais atuou, somando 52 partidas de 57 possíveis, desde que o argentino Ricardo Gareca assumiu o comando técnico da seleção, ganham notoriedade. Graças ao excelente entendimento entre os três, ao final da partida, os Rojiblancos derrotaram, de virada, a Verde pelo placar de 3 x 1.

“Começamos perdendo, mas fiquei satisfeito. No primeiro tempo nos faltou profundidade. O Cueva mantém as linhas separadas e tivemos que adiantar as linhas da defesa. Também tivemos que melhorar a criação. No primeiro tempo estávamos ansiosos nos toques. Com mais controle da bola, conseguimos melhorar no segundo tempo. São jogadores muito bons, mas a precisão é algo difícil. É melhor jogar com mais toques de bola. É importante controlar a ansiedade. Perdemos algumas chances, mas tentar é importante. Temos ótimos finalizadores”, disse Gareca, que aprovou o modo como o Peru construiu a vitória de virada.

1º TEMPO

Tentando tomar as rédeas da partida logo nos primeiros minutos, o Peru teve a primeira chance do jogo. Desse modo, o ponta-direita Polo Andrade recebeu lançamento longo do zagueiro Carlos Zambrano e mesmo partindo atrás, conseguiu chegar até a bola antes que o lateral-esquerdo Marvin Bejarano. Então, o destro fintou o capitão boliviano e, com a esquerda finalizou, porém o arremate saiu sem força, não exigindo trabalhos mais bruscos do goleiro Carlos Lampe. Aos oito minutos, novamente pela direita, Polo se associou com Luis Adivíncula. O lateral-direito recebeu dentro da área e após contanto com Marvin caiu, mas o árbitro equatoriano Roddy Zambrano mandou seguir. Dez minutos depois, Farfán teve a oportunidade de abrir o marcador em uma cobrança de falta, todavia a bola não tomou o rumo do gol.

Logo em seguida, em sua primeira trama ofensiva, a Bolívia teve uma pênalti assinalado. O lateral-direito Diego Bejarano encontrou Edwin Saavedra entre as linhas de marcação, então o camisa 6 realizou um passe alto para Saucedo, que dominou e chutou. Porém, a finalização foi abafada pelo braço direito de Carlos Zambrano, logo seu xará dono apito, chegou a anular o lance por um possível impedimento, mas o VAR corrigiu a lambança. Então, com a bola na marca da cal, Marcelo Moreno, que completou 32 anos nesta terça-feira, chamou a responsabilidade para si, pegou a bola, tomou distância e fez, 1 x 0. Porém, no apagar da luzes, Cueva recuperou a posse após bobeada de Saavedra e lançou Guerrero, que aplicou uma meia-lua em Lampe e igualou o marcador, 1 x 1.

2º TEMPO

Não demorou muito para o centroavante aparecer de novo, mas dessa vez o matador estava trajado de garçom. Aberto pelo lado esquerdo do campo, o camisa 9 levantou a cabeça e serviu seu amigo Farfán. O camisa 10 subiu no terceiro andar e cabeceou conforme o manual, de testa com os olhos abertos. Virada no Maraca, 2 x 1. O Peru queria matar o jogo. Mas, aos 19′, após tabela rápida com o autor do segundo tento, Cueva apareceu dentro da área e disparou, obrigando o arqueiro rival a sujar o calção. Do mesmo, o volante Tapia e Advíncula pararam no arqueiro ex-Boca Juniors. Contudo, quando o cronômetro já passava dos minutos acrescidos, Edinson Flores, que entrou na vaga do meio-campista santista, recebeu em profundidade e puxou o contra-ataque. Então, avançou até a entrada da grande área e cortou Jusino. Desse modo, levou também Lampe, que despencou, assim o meia o encobriu, decretando números finais a partida, 3 x 1.

RECORDES

O jogo registrou dois recorde na competição até aqui: o de público não-pagante. De um público total de 26.346 torcedores, nada menos do que 8.796 – um terço – não pagaram ingresso. Outros 17.550 pagaram, o que gerou uma renda bruta de R$ 4,9 milhões. Dentro de campo, Paolo Guerrero, após fazer o primeiro gol do Peru se igualou a Eduardo Vargas, do Chile, na artilharia histórica da Copa América: agora ambos têm 12.

E AGORA?

As duas seleções voltam a campo pela Copa América no próximo sábado. A Bolívia encara a Venezuela no Mineirão, às 16h (horário de Brasília). Já o Peru pega o Brasil na Arena Corinthians, no mesmo horário. Durante a coletiva de imprensa pós-jogo, Ricardo Gareca foi questionado a cerca do confronto contra a Seleção Brasileira, bem como a ausência de Neymar:

“Agora vamos planejar para a partida contra o Brasil. Temos mais um dia de recuperação. Teremos que ver o jogo deles contra a Venezuela. É difícil dizer agora como vamos programar a equipe. O Brasil com o Tite tem grande volume de jogo, conhecemos bem os brasileiros. O Neymar é um dos melhores do mundo, faz a diferença, mas acho que o Brasil tem como superar essa ausência. Não substituir, pois ele é um dos melhores do mundo , afirmou Gareca.

MELHORES MOMENTOS

 

 

Pedro Ferri

Sobre Pedro Ferri

Pedro Rodrigues Nigro Ferri já escreveu 354 posts nesse site..

Pedro Rodrigues Nigro Ferri, 19, nascido em Assis-SP. Jornalista em formação pela Faculdade da Cásper Líbero e um fiel devoto. Católico? Protestante? Não, corinthiano. Sou mais um integrante do bando de loucos e nunca me conheci sem essa doença. Frequentador de arquibancada, sou apaixonado por torcidas. Sabe aquela música do seu time? É, eu canto ela no chuveiro. Supersticioso ao extremo e disseminador da política "NÃO GRITA GOL ANTES DA BOLA ENTRAR!".

365 Scores

BetWarrior


Pedro Ferri
Pedro Ferri
Pedro Rodrigues Nigro Ferri, 19, nascido em Assis-SP. Jornalista em formação pela Faculdade da Cásper Líbero e um fiel devoto. Católico? Protestante? Não, corinthiano. Sou mais um integrante do bando de loucos e nunca me conheci sem essa doença. Frequentador de arquibancada, sou apaixonado por torcidas. Sabe aquela música do seu time? É, eu canto ela no chuveiro. Supersticioso ao extremo e disseminador da política "NÃO GRITA GOL ANTES DA BOLA ENTRAR!".

Artigos Relacionados

Topo