Passaporte Rússia – Análise dos convocados: Uruguai

Conheça detalhes técnicos de cada jogador da equipe Celeste no mundial da Rússia

Passaporte Rússia é mais uma coluna do Futebol na Veia que apresenta curiosidades de todas as seleções participantes da Copa do Mundo deste ano. Este é o sexto de sete textos sobre a Seleção Uruguaia. Neste capítulo sobre a Celeste você vai conhecer mais detalhes sobre cada jogador convocado pelo técnico Óscar Tabárez.

Goleiros

Fernando Muslera (Galatasaray-TUR): Na Seleção Uruguaia desde o sub-17 (2003), Muslera é um dos homens de confiança do treinador. Recebeu sua primeira convocação em 2009, estreando em 10 de outubro do mesmo ano numa partida das eliminatórias sul-americanas contra o Equador e tornando-se titular do time desde então, tendo disputado a Copa do Mundo de 2010, 2014 e caminhando para a terceira consecutiva. Na disputa de pênaltis contra Gana nas quartas de final da Copa da África do Sul (2010), pegou as cobranças de John Mensah e Dominic Adiyiah classificando a equipe para as semifinais. Em 2011, fez excelente partida contra a forte Argentina pela Copa América, demonstrando grande habilidade técnica e reflexos, sendo peça-chave daquela seleção ao defender o pênalti de Tévez, vencendo por 5 x 4 os anfitriões do torneio do qual seriam campeões dois jogos depois.

Martin Silva (Vasco-BRA): Ídolo por onde passou, o goleiro hoje no Vasco da Gama é figura constante na lista do comandante Celeste. Dono de uma qualidade técnica impecável, foi eleito, em 2013, segundo melhor goleiro da Libertadores da América, pelo Olímpia-PAR, atrás apenas de Victor, campeão pelo Atlético-MG. É um exímio pegador de pênaltis, Lisandro López (Racing) que o diga, pegou dois no mesmo jogo, este ano, pela Libertadores.

Martín Campaña (Independiente-ARG): O mais novo entre os goleiros fez parte da pífia campanha uruguaia nos Jogos Olímpicos de Londres, em 2012. Sempre visto como promessa, atua na seleção desde 2009, com apenas 16 anos, quando fez parte do elenco do mundial sub-20 daquele ano. No time principal atuou apenas uma vez, num amistoso contra Trinidad e Tobago, vindo do banco faltando nove minutos para o fim do jogo. Mas o torcedor do Flamengo deve se lembrar do arqueiro, pois foi o responsável por parar o ataque flamenguista na final da Copa Sul-Americana de 2017, da qual seu time foi campeão. O uruguaio foi um símbolo da campanha do título do time, correspondendo nos momentos difíceis. Tal segurança defensiva garantiu a ele um lugar na lista de Tabárez.

Fernando Muselera (Reprodução/Mudar Diário MX)

Zagueiros

Diego Godín (Atlético de Madrid-ESP): Sem dúvida alguma é um dos melhores zagueiros da atualidade e capitão da Celeste. A mescla de dedicação, raça, técnica e liderança é traduzida no zagueiro que é um dos pilares do time. Está na equipe desde 2005. Disputou as Copas de 2010 e 2014. Ganhou a Copa América de 2011. Já marcou em oito oportunidades pela seleção. É um dos jogadores mais experientes do time, tendo disputado mais de 100 partidas. Em 2014 esteve no time do ano da UEFA e já foi vice-campeão da UEFA Champions League em duas oportunidades, ambas pelo clube atual, onde conquistou um campeonato espanhol. Exímio cabeceador, tanto em bolas defensivas, quanto ofensivas, marcou três gols nas Eliminatórias da Rússia.

Sebastián Coates (Sporting-POR): Sempre foi tratado como promessa no Uruguai e hoje é uma realidade. Conquistou um bicampeonato uruguaio pelo Nacional, despertando interesse de São Paulo, Botafogo, Benfica e Manchester City, mas acabou acertando com o Liverpool-ING, onde atuou pouco, foi emprestado para outros clubes até se firmar no Sporting-POR onde está até hoje. Pela seleção estreou no sul-americano 2009. Na seleção principal, disputou a Copa América de 2011, onde foi campeão e eleito melhor jogador jovem do torneio. Defensor de boa técnica e segurança, é o substituto natural de Godín na defesa.

José Maria Giménez (Atlético de Madrid-ESP): Um zagueiro jovem, apenas 23 anos, mas sua qualidade técnica é impressionante. Já tem assumido papel fundamental no time sendo um dos pilares da defesa ao lado de Muslera e Godin. É intocável na zaga, muito também devido ao ótimo entrosamento que tem com o companheiro do qual também atua no Atlético de Madrid, onde formam, há alguns anos, uma das melhores defesas da Europa. Seu time tem a melhor defesa do campeonato espanhol há três anos. Recentemente surgiram rumores de que o Real Madrid tem interesse em contar com o zagueiro uruguaio e o considera um jovem de personalidade, valentia e velocidade.

Godin e Giménez (Reprodução/As)

Laterais

Maxi Pereira (Porto-POR): No alto de seus 33 anos, é o jogador com maior número de jogos na história da seleção. O lateral direito é a experiência aliada a eficiência, tanto na consistência defensiva quanto no apoio ao ataque. Não à toa, disputou as copas de 2010 e 2014, sendo titular em ambas. Jogador de bastante raça, às vezes exagera na força, já tendo rendido cartão vermelho inclusive em Copa do Mundo, onde também já deixou seu golzinho. É titular absoluto do time.

Gastón Silva (Independiente-ARG): Com apenas 24 anos, é um jogador da “nova safra” uruguaia. Com apenas 16 jogos no time principal, é figura carimbada desde o sub-15 Celeste. Naturalmente lateral esquerdo, também sabe atuar pela zaga. É bom no apoio e na defesa é sólido. Também fez parte do time titular campeão da Sul-Americana 2017.

Martín Cáceres (Lazio-ITA): Jogador experiente, é outro intocável da sólida e forte zaga Charrua. Polivalente, pode atuar pelas duas laterais, fazendo principalmente a esquerda, mesmo sendo destro. Também atua como zagueiro, uma das peças da qual sempre é chamado, além da qualidade técnica impecável. Teve passagem por Barcelona onde atuou pouco, mas teve a experiência de ser treinado por Pep Guardiola, num time campeão espanhol, da Copa do Rei e da Champions League. Fez parte da consolidada defesa da Juventus pentacampeã italiana e hoje atua na Lazio. Está na seleção nacional desde 2007. Está indo para sua terceira Copa como titular e marcou três vezes nestas Eliminatórias.

Guillermo Varela (Peñarol-URU): Lateral direito de bom apoio, ganhou oportunidade recentemente, atuando em apenas três ocasiões. Após três boas temporadas no Peñarol, foi convocado para a seleção sub-20, onde foi um dos destaques do time no vice-campeonato do mundial de 2013, perdido para a França, de Pogba. Mesmo não sendo campeão, foi contratado pelo Manchester United, mas não foi aproveitado. Ainda teve passagem por Real Madrid Castilla e Eintracht Frankfurt, antes de regressar ao time carbonero onde é o atual campeão uruguaio.

Martín Cáceres (Reprodução/SB Nation)

Meio-campistas

Nahitan Nández (Boca Juniors-ARG): Mais um atleta “novato” na Celeste, Nández já vem galgando espaço no time titular, tendo atuado dez vezes pela seleção. Nos treinamentos fez parte da equipe principal em testes feitos por Tabárez. Após um título do campeonato uruguaio pelo Peñarol em 2015-16, foi para o Boca Juniors tentar ganhar uma Libertadores, já tendo dado um importante passo ao conquistar o campeonato argentino, mesmo sendo reserva do experiente Fernando Gago. Atua como primeiro, segundo e até terceiro homem no meio-campo. É marcador e tem boa chegada a frente como elemento surpresa. Pela seleção de base atuou e foi capitão no Sul-Americano Sub-20 de 2015, onde o time terminou em terceiro e se classificou para a Copa do Mundo da categoria, na qual também foi dono da braçadeira.

Lucas Torreira (Sampdoria-ITA): Lucas Torreira foi uma novidade trazida pelo treinador para estas Eliminatórias. É um jovem da “nova safra” também, tendo apenas 22 anos. Profissionalizou-se pelo Pescara, da Itália. No Uruguai foi da base do Montevideo Wanderers. Surgiu como atleta polivalente, com bom drible e velocidade, hoje joga no meio-campo, atuando de primeiro, segundo e até terceiro homem. No campeonato italiano fez quatro gols e deu uma assistência, jogando 36 das 38 partidas da Sampdoria. Durante os treinos da seleção, chegou a figurar entre os titulares, sendo uma grata surpresa. Atuou apenas duas vezes pela seleção principal.

Matías Vecino (Inter de Milão-ITA): Aos 26 anos Vecino é tido como “comandante” da trinca de jogadores que atuam na frente da zaga. Assim como os demais, joga em mais de uma função no meio-campo. Com três gols e quatro assistências em 2016-17, foi um dos pilares da Fiorentina, sendo contratado posteriormente para a Internazionale de Milão, onde está atualmente. Nesta temporada pela Inter, foram mais três gols e duas assistências, conseguindo vaga na Liga dos Campeões da próxima temporada. Com bons passes, dribles e infiltrações, vai ganhando espaço no time Celeste.

Rodrigo Bentancur (Juventus-ITA): Apenas 20 anos e uma grande responsabilidade ao estar na Seleção Uruguaia e na Juventus, de Turim. Formado nas categorias de base do Boca Juniors, jogou duas temporadas, sendo destaque pela habilidade, versatilidade, velocidade e ambidestria, virtudes que o levaram a Vecchia Signora, após um bicampeonato argentino. Em 2016, foi eleito uma das 50 jovens promessas do futebol mundial. Fez parte do time campeão sul-americano sub-20, em 2017. Nesta temporada participou de 27 jogos pela Juve, sendo titular em seis oportunidades, atuando quatro vezes na Champions League, em uma delas contra o Real Madrid, em Turim, do qual perderam por 0 x 3, onde o jovem saiu amarelado. Joga na função de segundo volante.

Carlos Sánchez (Monterrey-MEX): Um dos principais nomes das Eliminatórias da Rússia. Diretamente saíram oito gols dos pés dele, sendo sete assistências e um gol. Com longa passagem por Liverpool-URU e River Plate-ARG, é a experiência aliada a qualidade técnica. Com passes precisos e milimétricos, se destacou principalmente na conquista da Libertadores da América de 2015, pelo River Plate, quando sagraram-se campeões e Sánchez foi eleito o melhor jogador do torneio, marcando também quatro gols. Era nome certo dentre os titulares nas Eliminatórias, mas viu a concorrência com Arrascaeta crescer após ótimo início de ano do meia do Cruzeiro.

Giorgian De Arrascaeta (Cruzeiro-BRA): Momento totalmente propício para o meia cruzeirense. Com apenas 23 anos, já é uma das principais peças do time brasileiro há, pelo menos, duas temporadas. Foi o camisa 10 da seleção vice-campeã da Copa do Mundo Sub-20, em 2013. Nas Eliminatórias da Rússia deu apenas uma assistência atuando em três jogos. Mas a temporada pelo Cruzeiro ajuda e muito o meia a ter sido convocado e estar brigando pela titularidade. Foram quatro gols no estadual, um gol e duas assistências no Brasileirão. Dono de uma ótima visão de jogo, tem um bom chute de curta-média distância, cobra falta, pênalti e tem nos passes um diferencial, além de ser rápido e ter o recurso do drible.

Diego Laxalt (Genoa-ITA): Outro jogador a fazer parte da ótima campanha uruguaia na Copa do Mundo Sub-20 em 2013. O meia de 25 anos tem passagem por Defensor Sporting, Empoli, Internazionale, Bologna e atualmente está no Genoa, onde fez boa temporada marcando três gols e dando mais três assistências. Ambidestro, prefere atuar pelos lados do campo. Canhoto, é fisicamente forte e muito versátil. Seus principais atributos são a velocidade e a resistência.

Cristian Rodríguez (Peñarol-URU): Jogador polivalente, podendo atuar em várias posições, é mais ofensivo do que defensivo, mas já jogou recuado em algumas situações. Com 17 títulos conquistados no Uruguai, é o futebolista mais vitorioso do futebol nacional. Jogador muito raçudo, voluntarioso e veloz, é uma válvula de escape do time pelos lados do campo. É apelidado de “Cebolla” pelos uruguaios, por fazer os adversários chorarem de raiva, segundo eles. É o atual melhor jogador do campeonato uruguaio. Tem passagem extremamente vitoriosa pelo Porto e Atlético de Madrid. Debutou na Seleção em 2003, mas só participou de uma Copa em 2014. Marcou dois gols e deu uma assistência nas Eliminatórias para a Rússia.

Nicolás Lodeiro (Seattle Sounders-EUA): Jogador conhecido no Brasil por ter jogado muito bem pelo Botafogo, sendo um pensador, construtor de jogadas e cérebro do time. Com passes precisos e ótima visão de jogo, sempre foi tratado como joia. Tem alguma velocidade e habilidade também, por mais que não sejam suas principais armas. No início de carreira foi comparado a Lionel Messi, devido a baixa estatura, dribles curtos e perna esquerda, mas ao longo da carreira foi mostrando que não era para tanto. Mas teve sim motivos para comparações, quando em 2009, foi eleito o melhor jogador do Sul-Americano Sub-20 e do Copa do Mundo Sub-20 pela Celeste Olímpica. Teve passagem apagada pelo Ajax, foi no Brasil onde viveu sua melhor fase. Ainda em 2009, pelo Nacional, foi eleito melhor jogador da Libertadores. Esteve na Copa de 2010 e 2014, além do título da Copa América em 2011. Nas Eliminatórias da Rússia foram duas assistências e um gol.

Gastón Ramírez (Sampdoria-ITA): Cotado para ser um dos primeiros cortados pelo treinador, começou os treinos pré-Copa como titular no meio-campo armando as jogadas por trás de Cavani e Suárez. No time desde 2010, disputou a Copa de 2014 e esteve no mundial sub-20 em 2009 e nas Olimpíadas 2012. No campeonato italiano atuou em 37 das 38 partidas de seu time e marcou três vezes, dando 8 assistências. Nas Eliminatórias da Rússia, atou em quatro jogos e deu uma assistência.

Matías Vecino (Reprodução/Fox Sports)

Atacantes

Jonathan Urretaviscaya (Monterrey-MEX): Ponta extremo ou atacante de lado de campo, Urreta, como também é conhecido, surgiu no River Plate-URU em 2007, com apenas 16 anos, mesma idade da qual estreou pelo no Sul-Americano sub-17, marcando dois gols. Em apenas duas temporadas no Uruguai foi para o Benfica. Não se firmando, rodou por diversos clubes até chegar no Pachuca, onde ficou até 2017. Ganhou espaço no time principal do Uruguai quando venceu a Liga dos Campeões da CONCACAF, em 2016-17, e o campeonato mexicano de 2016. Com 28 anos e com apenas quatro jogos pela Celeste, é cotado dentre os possíveis cortados por Tabárez.

Cristhian Stuani (Girona-ESP): Oriundo da base do Danubio, este atacante faz muitos gols por onde passa. Foi assim por todos os clubes onde passou e em especial agora, no Girona. Na temporada que se finalizou há pouco, Stuani foi o segundo uruguaio com mais gols no torneio, tendo guardado 21 vezes, atrás apenas de Suárez com 25. Fez parte do elenco que foi a Copa em 2014. Nas Eliminatórias da Rússia deu duas assistências. Com faro de gol, o centroavante tem números excelentes em todos os clubes por onde passou.

Maximiliano Gómez (Celta de Vigo-ESP): Com pior média dentre os goleadores do Uruguai, Maxi Gómez tem “só” 18 gols na La Liga 2017-18, além de mais quatro assistências. Com apenas 21 anos, é o futuro do ataque Charrua e já mostra bastante personalidade e faro de gol, tendo como referência o camisa 9 celeste, Luis Suárez. Na base do Defensor Sporting, marcou 29 gols e deu 12 assistências em 59 partidas disputadas pelo time uruguaio.

Edinson Cavani (Paris Saint-Germain-FRA): Cavani é o segundo maior artilheiro da seleção nacional, com 42 gols em 100 jogos. Pelas seleções de base do Uruguai o camisa 21 marcou duas vezes na vitória por 6 x 4 contra o Chile, em amistoso preparatório para as Olimpíadas de Londres-2012 e um na vitória por 2 x 0 sobre o Panamá, também em amistoso pela Seleção Sub-23. Ainda em categorias de base, pela seleção sub-20, Cavani tem 7 gols no Sul-Americano Sub-20 de 2007, do qual foi artilheiro, inclusive. No mundial deste mesmo ano e categoria, marcou duas vezes.

Diferente de Luis Suárez que, desde que despontou no Ajax e foi levado para o Liverpool sempre atuou em alto nível, Edinson Cavani foi crescendo de produção conforme os anos passavam. Pelas Eliminatórias 2010, Cavani passou em branco, mas na Copa do Mundo da África do Sul, conseguiu marcar um golzinho, na derrota para a Alemanha por 3 x 2. Conquistou a Copa América de 2011, passando em branco novamente, atuando em poucas partidas como titular. Nas Eliminatórias de 2014, o Matador marcou 6 gols, ajudando o Uruguai a ir para a Copa do Mundo do Brasil. Na Copa das Confederações 2013marcou três vezes. Na Copa de 2014, marcou apenas uma vez, contra a Costa Rica, na derrota por 3 x 1. Nas Eliminatórias de 2018 tudo mudou. Cavani não tinha mais a sobra de Ibrahimovic no Paris Saint-Germain e vinha fazendo excelentes temporadas com a saída do sueco, o que lhe rendeu seu melhor momento na Seleção Uruguaia, marcando 10 gols e sendo responsável direto pela vice-liderança dos uruguaios nas eliminatórias, além de ser o artilheiro do torneio.

Cavani é rápido, forte, oportunista e, goleador que é, tem boa técnica frente ao gol. É descrito como um “atacante moderno”. É capaz de marcar gols impressionantes, tanto de cabeça quanto com os pés. É um jogador que já se mostrou inúmeras vezes raçudo, incansável e bom cobrador de faltas. Embora ele jogue principalmente como centroavante, é capaz de jogar em várias posições ofensivas, já tendo atuado de segundo atacante e de ponta, marcando lateral até a zaga.

Luis Suárez (Barcelona-ESP): Luisito é o maior artilheiro da história dos Charrúas com 50 gols marcados em 97 jogos. Pelas seleções de base do Uruguai, o camisa 9 tem três gols pela seleção olímpica, todos na vitória por 6 x 4 contra o Chile, em amistoso preparatório para as Olimpíadas de Londres-2012. No mundial sub-20 de 2007, marcou duas vezes. Pelas Eliminatórias 2010, Suárez marcou cinco vezes e ajudou a equipe a se classificar para Copa do Mundo da África do Sul, sendo coadjuvante de Diego Forlán, craque daquele time. Na Copa, Luisito marcou mais três vezes, novamente com Forlán como “o cara” daquele time, inclusive eleito o melhor jogador da Copa. Conquistou a Copa América de 2011, aí sim criando papel de destaque, com quatro gols e sendo eleito o melhor jogador. Nas Eliminatórias de 2014, o Pistolero marcou 11 gols, levando o Uruguai para a Copa do Mundo do Brasil, sendo o artilheiro da competição. Na Copa das Confederações 2013marcou três vezes. Na Copa de 2014, marcou apenas duas vezes, contra a Inglaterra, na vitória por 2 x 1. Nas Eliminatórias de 2018, marcou apenas quatro vezes, sendo, desta vez, coadjuvante de Cavani.

Suárez cria chances de marcar toda vez que toca na bola. É criativo, cava faltas, pênaltis, é o típico jogador sul-americano chato. Goleador também, tem uma habilidade técnica notável. Veloz, começou a carreira atuando pelos lados, foi fazer a função de segundo atacante e hoje joga mais centralizado no Barcelona, por mais que seja mais o segundo homem do ataque uruguaio. É bastante guerreiro, não desiste nunca e se entrega em todas as bolas. É um jogador que pode ganhar uma partida em minutos ou entregar ela, pois, na vontade excessiva de querer vencer, pode morder, colocar a mão na bola e ser expulso.

Passaporte Rússia - Arma Celeste tem calibre duplo
Suárez (esq.) e Cavani (dir.) (Reprodução/Internet)
Eric Filardi

Sobre Eric Filardi

Eric Filardi já escreveu 1099 posts nesse site..

Quando pequeno quis ser jogador. O sonho de criança passou. Uma vida nova se anseia. Bem-vindo ao melhor site de futebol. Bem-vindo ao Futebol na Veia. Sou Eric Filardi, paulistano de 25 anos, jornalista de formação e apaixonado por futebol.Como todo jornalista amo escrever. Como todo brasileiro amo futebol. Tenho meu clube e minhas preferências, mas viso o profissionalismo e a imparcialidade, sem deixar de lado a criatividade. Sou Tricolor, sou Peixe, sou Palestra e sou Timão. Sou da Colina, Botafogo, sou Flu e sou do Mengão. Sou Brasil, sou Hermano, francês e italiano. Sou Ghiggia, Paolo Rossi, Caniggia e Zidane. Sou Alemanha dos 7 a 1, mas que o povo não se engane. Também sou Ronaldo, Romário, Zico, Garrincha e Pelé. Sou Bundesliga, MLS, Eredivisie e Premier. Sou das várzeas e dos terrões, sou Clássico das Multidões. Sou sul, sou nordeste, Amazônia e Pantanal. Sou Galo, sou Raposa, sou Bavi e sou Grenal. Sou Ásia, sou África, sou Barça e sou Real. Sou as Américas, a Europa, sou o mundo em geral. Sou a festa nas arquibancadas, que o estádio incendeia, sou Futebol na Veia.


Que tal assistir a final da Libertadores no Chile? Cadastre-se e concorra:

Rexona


Forza Football

 

Eric Filardi
Eric Filardi
Quando pequeno quis ser jogador. O sonho de criança passou. Uma vida nova se anseia. Bem-vindo ao melhor site de futebol. Bem-vindo ao Futebol na Veia. Sou Eric Filardi, paulistano de 25 anos, jornalista de formação e apaixonado por futebol.Como todo jornalista amo escrever. Como todo brasileiro amo futebol. Tenho meu clube e minhas preferências, mas viso o profissionalismo e a imparcialidade, sem deixar de lado a criatividade. Sou Tricolor, sou Peixe, sou Palestra e sou Timão. Sou da Colina, Botafogo, sou Flu e sou do Mengão. Sou Brasil, sou Hermano, francês e italiano. Sou Ghiggia, Paolo Rossi, Caniggia e Zidane. Sou Alemanha dos 7 a 1, mas que o povo não se engane. Também sou Ronaldo, Romário, Zico, Garrincha e Pelé. Sou Bundesliga, MLS, Eredivisie e Premier. Sou das várzeas e dos terrões, sou Clássico das Multidões. Sou sul, sou nordeste, Amazônia e Pantanal. Sou Galo, sou Raposa, sou Bavi e sou Grenal. Sou Ásia, sou África, sou Barça e sou Real. Sou as Américas, a Europa, sou o mundo em geral. Sou a festa nas arquibancadas, que o estádio incendeia, sou Futebol na Veia.
http://www.ericfilardi.com.br

Artigos Relacionados

Topo