O que está acontecendo com o Bahia?

Equipe tricolor sofre e faz seu torcedor sofrer em 2019, o ano que devia ser de mudança
O que está acontecendo com o Bahia?

O ano novo é um verdadeiro divisor de águas: passamos a festividade prometendo agir diferente, evoluir e manter um crescimento gradativo. Uma mágica que também achamos que vai acontecer com os clubes de futebol. A torcida acredita que vai ficar tudo bem, irão chegar novos atletas e tudo que deu errado será consertado e as esperanças renovadas.

O que esperar, então, quando o seu clube que passa por uma sublime reconstrução, te promete um grande ano? Essa foi à expectativa do Bahia para 2019 quando, ainda no fim de dezembro, o presidente do clube Guilherme Bellintani, anunciou que o ano seguinte seria o de maior orçamento da história do clube. Argumento este que se concretizou e o orçamento fechou em R$ 143 milhões, além de jogador sendo contratado por quase cinco e a torcida fazendo a festa no aeroporto. O verdadeiro roteiro de sucesso.

Contudo, a prática passa longe da teoria. O inicio de ano tricolor é tenebroso. A estreia da equipe na temporada no dia 16 de janeiro frente ao CRB na Arena Fonte Nova com um resultado final de 1 x 1. Claro, completamente compreensível, mas foi só uma pequena amostra do que estava por vir. Até o presente momento, o Bahia entrou em campo 18 vezes, tendo apenas seis triunfos, quatro derrotas e oito empates. Curioso é que das quatro derrotas, três foram na Fonte Nova, local onde a equipe sempre se fez forte.

Os problemas apontados são muitos como dificuldades na criação, falta de ideias e variações, de efetividade e o que mais importa, de vontade. Esse é o elenco mais apático desde a democratização do clube e digo mais: já vi jogadores que passaram na época trevosa, sem receber salário, se doando mais.

Seguindo o rumo desse péssimo começo de ano, o Bahia de Enderson Moreira já coleciona uma eliminação na primeira fase da Copa Sul-Americana frente ao Liverpool-URU, está na quinta colocação do fraquíssimo Campeonato Baiano (se classificam quatro) a uma rodada do fim, e muito possivelmente estará fora da zona de classificação do Nordestão a duas rodadas do término da fase. Isso sem entrar no mérito das duas classificações vergonhosas contra equipes quase amadoras pela Copa do Brasil.

A partida desta quarta-feira (13) foi uma síntese em 90 minutos de tudo que vem dando errado no Bahia. Com todo respeito, é simplesmente inadmissível perder para o Sergipe em qualquer circunstância, principalmente na atual. O adversário de hoje, além de estar mal no Campeonato Sergipano, chegou a Fonte Nova com o incrível retrospecto de cinco derrotas em cinco jogos disputados. E o Bahia conseguiu perder!

Muita coisa precisa ser revista e mudar treinador pode ser um delas, mas não é o que vai salvar a temporada. Até gosto das ideias e da maneira de trabalhar do Enderson Moreira: ano passado levou à equipe a sua melhor campanha na era dos pontos corridos e da Sul-Americana, mas ele parece ter chegado ao seu limite. A impressão que fica é que o treinador não conseguirá extrair mais nada. Outro ponto, depois de Enderson quem vem? O mercado não oferece muitas opções. Larghi e Dorival parecem ser os preferidos da torcida, mas não sei se dariam certo. Talvez.

A postura dos atletas parece ser o grande problema. Falta respeito, vontade, vibração e há quem diga que o elenco não conversa (não posso afirmar). Quem chegou não corresponde, quem estava bem em 2018 “desaprendeu”, a equipe virou uma grande bagunça e a torcida perdeu a paciência. Este é o momento, chegou a hora de reorganizar tudo, se fazendo necessário virar a chave e isso vai muito além da troca de treinador.

TEM QUE MUDAR MUITA COISA NESSE EC BAHIA DE 2019!

Sobre Daniel Genonadio

Daniel Genonadio já escreveu 17 posts nesse site..

Daniel Genonadio, 19 anos, soteropolitano e meio jornalista (4/8 período de jornalismo)Acompanho futebol desde que me entendo como gente e como não tive talento pra ser jogador, fiz o meu sonho ser um jornalista e estar nas grandes empresas falando de futebol.

Daniel Genonadio
Daniel Genonadio, 19 anos, soteropolitano e meio jornalista (4/8 período de jornalismo)Acompanho futebol desde que me entendo como gente e como não tive talento pra ser jogador, fiz o meu sonho ser um jornalista e estar nas grandes empresas falando de futebol.

Artigos Relacionados

Topo