No sufoco, na raça e nos pênaltis, Furacão leva a Sul-Americana

Após novo empate e com direito a pênalti perdido pelos colombianos na prorrogação, o Athlético Paranaense conquista o título

A noite do dia 12 de dezembro ficará marcada pra sempre na memória do torcedor atleticano, pela primeira vez o furacão sagra-se campeão da Copa Sul-Americana, sendo o primeiro título internacional da equipe e também e também do estado do Paraná. O confronto diante do Junior Barranquila da Colômbia, foi recheado de emoção desde o primeiro tempo, passando pela prorrogação e finalizando com o triunfo brasileiro. Na prorrogação o furacão quase viu o título escapar, em pênalti marcado, mas muito mal batido por Barrera. 

1º TEMPO

A primeira etapa de jogo, começou já com força total, aos quatro minutos, Nikão manda uma bomba de falta de fora da área, a bola desvia na defesa e passa por cima do gol, levando perigo ao gol de Vieira. Novamente em bola parada, mas essa vez Rafael Veiga bate a falta, mas a bola vai sem perigo para defesa do goleiro, aos 18′. Aos 26′, o camisa sete atleticano aproveita bobeira da defesa e encontra Pablo, livre, o atacante recebe e bate no canto direito, a bola desvia no goleiro e morre no fundo do gol. Com esse resultado o título já ficava no Paraná.

2º TEMPO

Na etapa complementar, novamente os brasileiros começaram forte e aos 23 segundos, Pablo recebe novo passe de Veiga, domina invade a área e bate cruzado, a bola passa ao lado direito do gol, Vieira espalma e a bola sai para escanteio. Após isso, iniciou a pressão colombiana, Téo Gutiérrez invade a área pela esquerda, ginga na frente da marcação e chuta firme de perna direita, a bola desvia e Santos espalma p-ara escanteio.  Aos 12′, o Junior Barranquila chega ao gol de empate. Diaz cobra escanteio pela esquerda, Goméz desvia de cabeça, mas Téo na sequência desvia também e a bola morre no fundo das redes.

Aos 14, o camisa  29, encontra Luis Díaz, que bate na saída do goleiro, mas a bola passa rente a trave esquerda e sai, levando perigo ao gol atleticano. Cinco minutos depois, o camisa 23 recebe novamente, invade a área e chuta, Santos realiza a defesa em dois tempos e evita o gol da virada. Aos 21, Gutiérrez novamente chega, o atacante recebe na entrada da área, corta para a direita e bate firme, a bola sai próximo ao pé direito da trave.

No minuto seguinte, Pablo recebe, corta pela esquerda e chuta, a bola desvia na marcação e sai para escanteio. Aos 23, em rápido contra-ataque, Barrera recebe pela esquerda, e de canhota chuta forte, a bola bate na rede pelo lado de fora.  O jogo termina empatado em 1 x 1 e com isso realizou-se a prorrogação.

PRORROGAÇÃO

As duas equipes demonstravam cansaço físico muito forte, então foram poucas as vezes que chegaram aso respectivos gols adversários. Porém, aos três minutos do segundo tempo, em uma chegada mais aguda dos colombianos, Yony González. recebe livre, dribla Santos, mas o goleiro derruba o camisa  18 e o árbitro chileno assinala pênalti. Quem vai para a cobrança é o camisa 10 Barrera, o meia bate de perna direita, mas pega muito em baixo da bola e ela sai por cima do gol, levando mais de 40 mil torcedores a loucura.

Barreira isola a cobrança e perde o pênalti, na prorrogação (Reprodução / GloboEsporte)

PÊNALTIS

Na decisão em penalidades máximas, o Junior Barranquila errou dois pênaltis, e o furacão apenas um, e o Athlético vence por 4 x 3 e sagra-se campeão inédito da Copa Sul-Americana. Com o título, os paranaenses garantem vaga para a fase de grupos da Copa Libertadores 2019, junto com mais sete brasileiros, Palmeiras, Flamengo, Internacional, Grêmio, São Paulo, Cruzeiro e Atlético-MG. Além também de garantir a vaga na Recopa, contra o campeão da Libertadores River Plate e também presença na Copa Suruga, com o campeão da competição da competição e o campeão do Japão.

MELHORES MOMENTOS

Raphael Almeida

Sobre Raphael Almeida

Raphael Almeida já escreveu 368 posts nesse site..

Raphael Almeida, jornalista 30 anos, apaixonado por futebol, tenho como sonho ser repórter de campo, desde pequeno frequento a várzea de futebol, vendo meu pai jogar. Ali vi que minha vontade era de falar sobre esse esporte, frequentador das arquibancadas do maior palco de futebol paulista. Sou torcedor, mas acima de tudo sou esportista!

Forza Football

 

Rivalo Apostas Esportivas
Raphael Almeida
Raphael Almeida
Raphael Almeida, jornalista 30 anos, apaixonado por futebol, tenho como sonho ser repórter de campo, desde pequeno frequento a várzea de futebol, vendo meu pai jogar. Ali vi que minha vontade era de falar sobre esse esporte, frequentador das arquibancadas do maior palco de futebol paulista. Sou torcedor, mas acima de tudo sou esportista!

Artigos Relacionados

Topo