No aniversário de 117 anos do Real Madrid, a pergunta é: “Donde está CR7?”

Torcida do Real Madrid vem cantando isto nos últimos jogos, pois não aguentam mais a falta que Cristiano Ronaldo faz ao clube, principalmente na hora de marcar gols, maior defeito madridista na atualidade

O torcedor do Real Madrid não tem o que comemorar. Não aguenta mais! São mais de seis meses sem Cristiano Ronaldo. Mais de seis meses sem o encanto com os gols. Ilusões aqui e ali, bons resultados lá e cá, mas tudo para mascarar a verdade da falta que o CR7 faz. Os “hinchas” do Madrid já sabiam da falta que o maior artilheiro da sua história faria. Porém, não imaginavam que o time, em geral, sentiria tanta falta do atacante. Cristiano ganhou tudo o que era possível com os Merengues, tudo. Buscando novos desafios, rumou para a Juventus, da Itália. Se querem um presente de aniversário? A volta do “portuga” seria ótimo.

Passado algum tempo, os Galácticos foram sofrendo na La Liga. Assim, entre altos e baixos, o time foi levando. No Espanhol, na Copa do Rei, na Champions League. Mudanças no elenco titular, chegada do belga Courtois e ida do costarriquenho Keylor Navas para o banco de suplentes. Saída de Marcelo do plantel titular para a reserva por queda de rendimento e a entrada do jovem Reguilón em seu lugar. Na frente, na vaga de CR7, um jovem brasileiro começava a puxar o protagonismo: Vinícius Júnior.

“Ya no está CR7!… CR7 ya no está!”

Eis que veio o estopim! Na semifinal da Copa do Rei. No jogo de ida, empate de 1 x 1 com o Barcelona, fora de casa. Em seguida, duas vitórias que mostravam que Ronaldo não fazia falta e era coisa do passado: ilusão! 3 x 1 no Atlético de Madrid, pela La Liga, e 2 x 1 no Ajax, pelo jogo de ida das oitavas de da UEFA Champions League, ambos fora de casa. Na sequência, derrota em casa para o Girona e vitória fora, frente ao Levantede forma polêmica, com dois pênaltis sofridos por brasileiros, Casemiro e Vinícius Júnior, contestados e aprovados pelo VAR.

Até que veio a partida de volta contra o Barça, pela Copa do Rei, em casa. Vinícius Júnior inspirado, bagunçando a defesa catalã, mas pecando na finalização. Isso em pelo menos três oportunidades claras. Mesmo sem brilho de Messi, os visitantes venceram por 3 x 0, eliminaram o maior adversário e avançaram a final. A torcida blaugrana cantava para provocar os torcedores rivais: “Ya no está CR7!… CR7 ya no está!”.

Não o bastante, as equipes se enfrentaria novamente três dias depois, desta vez pelo Espanhol. Pressão total para os Madridistas, que jogavam em casa. Caso vencessem, diminuiriam a diferença para o líder, Barcelona, para seis pontos. Por outro lado, se perdessem, ficariam a 12 de distância e ainda seriam ultrapassados, pela primeira vez na história, no histórico de confrontos. E tudo de ruim aconteceu.

https://twitter.com/euerickferreira/status/1103099285325926401

“Donde está CR7?… CR7 donde está?”

A ausência de “pegada”, ou contundência, como relatou o técnico argentino, Santiago Solari, além da boas finalizações, foi deixando o Real muito perto de “mais um time”, ou um “time comum”. O principal não vinha: GOL! A massa merengue estava p… da vida com os erros do Real e a falta de gols de sua equipe. “Nos falta um Cristiano”, desabafa um torcedor a TV espanhola. Outro ressalta: “Se tivéssemos ao menos Cristiano, tínhamos metido três gols, pelo menos”. E o público amante do Madrid sofria nos jogos, ouvindo os Culés gritarem mais uma vez em provocação: “Donde está CR7?… CR7 donde está?”. E o pior era que esta era a mesma pergunta que os Blancos se faziam: onde está um CR7? Não precisa ser o mesmo, pode ser só um que não perca gols.

Mas os “desastres” não pararam por aí. No jogo de volta das oitavas de final da UEFA Champions League, os espanhóis receberam os holandeses do Ajax, no Santiago Bernabéu. Com o jogo de ida vencido por 2 x 1, se esperava uma tranquilidade em casa, tanto que Sérgio Ramos, supostamente, teria forçado o terceiro amarelo no primeiro confronto para jogar “limpo” às quartas de final, o que não ocorreu. O time não só perdeu, como foi goleado por 4 x 1, além de ser eliminado. Ou seja, o atual tricampeão da maior competição de clubes do mundo deu adeus no primeiro mata-mata e sendo massacrado em casa. “Donde está CR7?… CR7 donde está?”.

A torcida já não sabe mais o que esperar. Uma volta do português é improvável. Uma demissão de Solari a essa altura do campeonato já não faria tanta diferença num Espanhol já vencido pelo Barcelona. Contratar? Gastar milhões? Ou quem sabe bilhões? Novos “super galácticos”? Acredito que “já deu”, Real MadridEstá ótimo! Ganharam tudo o que foi possível com uma geração, entraram para a história, fizeram história, mas ACABOU!

Sérgio Ramos já não é mais o mesmo, está velho, perdendo na corrida para os mais jovens atacantes, além de ter forçado o terceiro amarelo para jogar as quartas de final que nunca veio. Bernd Schuster, ex-técnico alemão da equipe, afirmou que seu compatriota, Toni Kroos, “agora é um trator a diesel, não mais um Audi a diesel”, se referindo a lentidão do meia. Modric vem frequentemente tentando mostrar os motivos de ter sido eleito o melhor jogador do mundo de 2018, mas ninguém tem visto, assim como o brasileiro David Neres nem o viu correr atrás dele no segundo gol do Ajax.

Bale vive da reserva de Lucas Vázquez e ambos não tem feito a diferença. Benzema, que se dizia mais a vontade desde a saída do camisa 7 português, quando necessário não resolveu, tendo 11 gols no Espanhol, do artilheiro Messi, com 25 tentos. Casemiro, vish, foi-se o tempo de sua “onipresença”, forte marcação e excelente cobertura, o 360º de Tadić no segundo gol holandês que o diga, sem contar que ficou para trás na marcação de Ziyech no primeiro gol. Carvajal, mochileiro, vive tomando bola nas costas, pior é o drible da vaca de letra que levou de David Neres. Courtois ganhou a posição para sofrer aquele quarto gol? É HORA DE RECICLAR! Não digo mandar todo mundo embora, mas trazer uma nova safra de Kroos, Modrics, Cristianos, Bales e Benzemas. É difícil, mas tem muita juventude por aí, Ajax é um grande exemplo.

Enquanto isso, Cristiano Ronaldo está em lua de mel com a Juventus e sua torcida, uma vez que lideram o Campeonato Italiano com 72 pontos, 18 de vantagem para o vice-líder Napoli, e o Gajo é o artilheiro da competição com 19 gols, junto a Quagliarella, da Sampdoria. Além disso, é o maior assistente para gols, junto a Suso, do Milan, com oito passes. Ou seja, é o jogador com mais participações em tentos na Série A Tim, com 27 em 26 jogos. Sabe onde está CR7?

https://twitter.com/mafiamerengue/status/1103143016083132417

Eric Filardi

Sobre Eric Filardi

Eric Filardi já escreveu 994 posts nesse site..

Quando pequeno quis ser jogador. O sonho de criança passou. Uma vida nova se anseia. Bem-vindo ao melhor site de futebol. Bem-vindo ao Futebol na Veia. Sou Eric Filardi, paulistano de 25 anos, jornalista de formação e apaixonado por futebol.Como todo jornalista amo escrever. Como todo brasileiro amo futebol. Tenho meu clube e minhas preferências, mas viso o profissionalismo e a imparcialidade, sem deixar de lado a criatividade. Sou Tricolor, sou Peixe, sou Palestra e sou Timão. Sou da Colina, Botafogo, sou Flu e sou do Mengão. Sou Brasil, sou Hermano, francês e italiano. Sou Ghiggia, Paolo Rossi, Caniggia e Zidane. Sou Alemanha dos 7 a 1, mas que o povo não se engane. Também sou Ronaldo, Romário, Zico, Garrincha e Pelé. Sou Bundesliga, MLS, Eredivisie e Premier. Sou das várzeas e dos terrões, sou Clássico das Multidões. Sou sul, sou nordeste, Amazônia e Pantanal. Sou Galo, sou Raposa, sou Bavi e sou Grenal. Sou Ásia, sou África, sou Barça e sou Real. Sou as Américas, a Europa, sou o mundo em geral. Sou a festa nas arquibancadas, que o estádio incendeia, sou Futebol na Veia.

Eric Filardi
Eric Filardi
Quando pequeno quis ser jogador. O sonho de criança passou. Uma vida nova se anseia. Bem-vindo ao melhor site de futebol. Bem-vindo ao Futebol na Veia. Sou Eric Filardi, paulistano de 25 anos, jornalista de formação e apaixonado por futebol.Como todo jornalista amo escrever. Como todo brasileiro amo futebol. Tenho meu clube e minhas preferências, mas viso o profissionalismo e a imparcialidade, sem deixar de lado a criatividade. Sou Tricolor, sou Peixe, sou Palestra e sou Timão. Sou da Colina, Botafogo, sou Flu e sou do Mengão. Sou Brasil, sou Hermano, francês e italiano. Sou Ghiggia, Paolo Rossi, Caniggia e Zidane. Sou Alemanha dos 7 a 1, mas que o povo não se engane. Também sou Ronaldo, Romário, Zico, Garrincha e Pelé. Sou Bundesliga, MLS, Eredivisie e Premier. Sou das várzeas e dos terrões, sou Clássico das Multidões. Sou sul, sou nordeste, Amazônia e Pantanal. Sou Galo, sou Raposa, sou Bavi e sou Grenal. Sou Ásia, sou África, sou Barça e sou Real. Sou as Américas, a Europa, sou o mundo em geral. Sou a festa nas arquibancadas, que o estádio incendeia, sou Futebol na Veia.
http://www.ericfilardi.com.br

Artigos Relacionados

Topo