México, uma seleção que pulsa no ritmo de seu professor | Futebol na Veia

México, uma seleção que pulsa no ritmo de seu professor

Com duas boas atuações, México de Osorio convence até aqui na Copa

Com duas vitórias em dois jogos nesta Copa do Mundo, a seleção mexicana está muito perto da classificação para as oitavas de final do Mundial. Os placares podem não dar a dimensão do futebol jogado até aqui, mas este não é o mais relevante dos fatores, afinal, um dos triunfos ocorreu em cima da atual campeã Alemanha. Além disso, o que importa, de fato, é a postura dentro de campo e, até o momento, El Tri – apelido da seleção – tem convencido e cumprido um bom papel.

Dentro de campo, o México pulsa no ritmo de seu professor, Juan Carlos Osorio. Enérgico, o treinador vibra o tempo todo. Orienta incessantemente seus comandados e, de forma bastante peculiar, tem em seus bloquinhos de anotações um universo paralelo com imensa riqueza de ideias. Taticamente, inclusive, o selecionado mexicano é muito interessante: no meio-campo, não há um jogador que limite-se apenas a defender. O tridente formado por Herrera, Layún e o capitão Guardado é leve e alimenta com facilidade o melhor setor da equipe, o ataque. Na frente, os velozes Lozano e Vela, ao lado do finalizador Javier Hernández, o Chicharito, dão muito trabalho às zagas adversárias. Um aspecto interessante é que o trio não guarda posição, o que dificulta ainda mais a marcação. É por isso que a velocidade a característica mais explorada pelo esquema de Osorio.

Contra a Alemanha, foram muitas chances criadas no contragolpe. O baixo aproveitamento de Chicharito quase comprometeu o resultado, garantido pela muralha Ochoa, que faz uma excepcional Copa até o momento. Na partida deste sábado, contra os sul-coreanos, a fragilidade do adversário permitiu que o jogo mexicano fluísse sem muitas dificuldades. O segundo gol, marcado por Chicharito, aliás, saiu em um contra-ataque: a sensação do campeonato holandês, Lozano, roubou a bola do capitão Ki, acelerou e passou para o camisa 14, que só teve o trabalho de fintar Jang Hyun-Soo e bater na saída do goleiro Jo.

Lozano e Chicharito comemoram o segundo gol da equipe (Reprodução/Reuters)

A única ressalva a ser feita diz respeito às situações nas quais a zaga fica exposta. Se o contra-ataque é letal, esse tipo de jogada pode ser o calcanhar de aquiles da seleção mexicana. Com a bola nos pés, El Tri ataca em bloco. Por isso, a última linha fica desguarnecida em algumas situações. Não por acaso, os alemães tiveram diversas chances de balançar a rede de Ochoa. Um eventual duelo contra a seleção brasileira nas oitavas de final pode ser um grande teste para o esquema do professor Osorio, uma vez que a seleção de Tite possui jogadores de velocidade, como Neymar.

Na história das Copas, as melhores campanhas do México ocorreram jogando em casa, nas edições de 1970 e 1986, quando chegaram às quartas de final. Nos dois últimos mundiais, caíram nas oitavas de final – em 2010, derrota de 3 a 1 para a Argentina; em 2014, 2 a 1 para os holandeses. Em solo russo, o futebol jogado até aqui permite ao torcedor mexicano sonhar com uma campanha mais longa. Se o México seguir pulsando sob a batuta de Osorio, certamente dificultarão a vida daqueles que ousarem cruzar o caminho da seleção tricolor.

André Siqueira Cardoso

Sobre André Siqueira Cardoso

André Siqueira Cardoso já escreveu 313 posts nesse site..

Sou André Siqueira Cardoso, tenho 21 anos. Aluno de jornalismo da Escola de Comunicação e Artes da Universidade de São Paulo (ECA-USP), atualmente trabalho em VEJA, com a cobertura do noticiário político. Apaixonado por esportes, jogador de futebol até hoje, tenho o sonho de cobrir uma Copa do Mundo.


 

365 Scores

 

André Siqueira Cardoso
André Siqueira Cardoso
Sou André Siqueira Cardoso, tenho 21 anos. Aluno de jornalismo da Escola de Comunicação e Artes da Universidade de São Paulo (ECA-USP), atualmente trabalho em VEJA, com a cobertura do noticiário político. Apaixonado por esportes, jogador de futebol até hoje, tenho o sonho de cobrir uma Copa do Mundo.

Artigos Relacionados

Topo