Libertadores: o sonho pelo tetra e a história Tricolor na competição

Tricolor começa essa semana a luta pelo tetra Continental

 Nesta quarta feira, o São Paulo estreia na  Copa Libertadores diante do Talleres da Argentina. Dois anos se passaram após a última participação do tricolor na competição, o principal e mais raiz campeonato de futebol da América do Sul. Mesmo com as incerteza e dúvidas, a equipe brasileira sempre entra como forte candidata ao título e certamente tira o sono de seus adversários na competição.  Com um time com a faixa de idade de 30 anos, experiência não faltara para que o clube possa sonhar e ir mais longe na competição. Confira aqui um pouco do retrospecto do Tricolor Paulista na Libertadores

PARTICIPAÇÕES

Ao lado do Palmeiras, a equipe do Morumbi é recordista de participações na Copa Libertadores, são 19 (contando com 2019); 972, 1974, 1978, 1982, 1987, 1992, 1993, 1994, 2004, 2005, 2006, 2007, 2008, 2009, 2010, 2013, 2015 e 2016

Em 2005, o São Paulo venceu pela primeira vez na Argentina. 3 x 2 sobre o River Plate (Reprodução/ internet)

TÍTULOS

Ao Lado  de Santos e Grêmio, o São Paulo é Tri Campeão da Competição, vencendo elas em 1992, 1993 e em 2005, esse último foi o primeiro a ser conquistado por um clube brasileiro pela terceira vez.

1992 –  8 vitórias / 3 empates / 3 derrotas / 20 gols marcados / 9 sofridos

1993 –  4 vitórias / 2 empates / 2 derrotas / 13 gols marcados / 6 sofridos

2005 – 9 vitórias / 4 empates / 1 derrota / 34 gols marcados / 12 sofridos

Rogério Ceni foi o artilheiro do São Paulo no tri campeonato com 5 gols (Reprodução / internet)

MAIORES GOLEADAS

O São Paulo aparece com três goleadas entre as maiores da história da Competição;

08/05/1974 – São Paulo 5 x 0 J. Wilstermann (BOL)

23/03/2013 – São Paulo 6 x 0 Bolivar (BOL)

05/04/2016 – São Paulo 6 x 0 Trujillanos (VEN)

Calleri balançou as redes 4 vezes na goleada em 2016 (Reprodução/ Globo esporte)

CURIOSIDADES

O São Paulo lidera o ranking de artilharias da Copa Libertadores. O Tricolor já fez o artilheiro da competição em 7 edições – o mesmo número do Peñarol, O último foi justamente o Argentino Jonathan Calleri, que foi o artilheiro na edição de 2016, com 9 gols.

Além dos três títulos, o Tricolor Paulista é o brasileiro recordista em mais vezes que chegou entre os quatro primeiros (10), e também o que mais vezes foi até uma final da competição (6), ganhando metade.

Divulgação / Arquivo SPFC

NÚMEROS

Em termos de números, o São Paulo é o brasileiro que apresenta os melhores em toda a história da competição, sendo o 7º colocado geral, os números do tricolor são;

Jogos: 181
Vitórias: 30
Empates: 42
Derrotas: 49
Gols Marcados: 279
Gols sofridos: 171

ÚLTIMA PARTICIPAÇÃO

Em 2016, a equipe são-paulina chegou até a semi-final, surpreendendo a todos que colocavam a equipe como eliminada na primeira fase da competição. Em um grupo com The Strongest, River Plate e Trujillanos, o tricolor conseguiu terminar a competição na segunda posição, atrás justamente dos argentinos (que haviam levantado a taça um ano antes).

Nas oitavas de final, goleou o Toluca do México no Morumbi pelo placar de 4 x 0, já encaminhando a classificação para as quartas. No jogo de volta, nem a derrota por 3 x 1 tirava a classificação brasileira. Este jogo marcou também o encontro entre São Paulo e o peruano Cueva, que posteriormente vestiria a camisa da equipe brasileira.

Nas quartas de finais, o adversário era o poderoso Atlético-MG, dono de uma das melhores campanhas da competição e ampla favorita ao título, no primeiro jogo em São Paulo, vitória suada com gol de Michel Bastos. No segundo jogo, no Horto, o Galo começou avassalador e abriu 2 x 0 em menos de 15 minutos, porém ainda na primeira etapa, Maicon descontaria e devolvia a vaga aos paulistas, em um jogo que foi de ataque contra defesa, o time da Fé segurou a pressão e garantiu a vaga entre os quatro melhores da competição;

Paulo – Jogadores do Sãoo Paulo comemoram apos partida no Independência. Foto: Thomas Santos/AGIF

Nas semi-finais, o adversário era o Atlético Nacional da Colômbia, como foi feito nas duas primeiras fases, a equipe brasileiro jogou o primeiro jogo em sua casa. Sentindo a ausência de peças importantes, como Kelvin e Ganso por lesão, além da precoce expulsão de Maicon, a equipe colombiana não teve trabalho e venceu por 2 x 0.

No jogo de volta, Calleri até que retornou com as esperanças para o São Paulo, mas a boa atuação de Borja além da polêmica atuação do arbitro da partida, culminaram com a eliminação nas semi-finais.

Reprodução /UOL esportes

Raphael Almeida

Sobre Raphael Almeida

Raphael Almeida já escreveu 368 posts nesse site..

Raphael Almeida, jornalista 30 anos, apaixonado por futebol, tenho como sonho ser repórter de campo, desde pequeno frequento a várzea de futebol, vendo meu pai jogar. Ali vi que minha vontade era de falar sobre esse esporte, frequentador das arquibancadas do maior palco de futebol paulista. Sou torcedor, mas acima de tudo sou esportista!


Que tal assistir a final da Libertadores no Chile? Cadastre-se e concorra:

Rexona


Forza Football

 

Raphael Almeida
Raphael Almeida
Raphael Almeida, jornalista 30 anos, apaixonado por futebol, tenho como sonho ser repórter de campo, desde pequeno frequento a várzea de futebol, vendo meu pai jogar. Ali vi que minha vontade era de falar sobre esse esporte, frequentador das arquibancadas do maior palco de futebol paulista. Sou torcedor, mas acima de tudo sou esportista!

Artigos Relacionados

Topo