La Campionissima Juventus dos anos 2010: glórias e hegemonia

A década de conquistas e volta por cima da maior campeã do território italiano

Após o escândalo que resultou no rebaixamento da Juventus para a Serie B da temporada 2006/07, a equipe viveu alguns anos de reestruturação e voltou aos seus tempos áureos.  Não foi a primeira vez que time com mais títulos na Itália passou por um período complicado, mas o último ocorrido serviu como força para a consolidação de um dos clubes mais vitoriosos da Europa. Na Calciostoria desta semana vamos relembrar a recente hegemonia e as conquistas da Velha Senhora nos anos 2010.

Antonio Conte e o caminhos das taças

2011/2012

Após resultados insatisfatórios e um momento sem conquistas, a diretoria bianconera resolveu partir para uma reformulação em 2011. A ação começou pelo treinador. Após passagem de Claudio Ranieri e outros nomes experientes, a bola da vez era o jovem Antonio Conte. Com passagem pela Juventus enquanto jogador, o técnico chamou a atenção após bom trabalho no Siena. Posteriormente, a montagem do novo elenco começou.

Alguns atletas experientes foram os primeiros a serem negociados, entre eles os brasileiros Felipe Melo e Diego. Um pacote com nomes de um futuro de sucesso começou a chegar a Turim. Arturo Vidal,  Stephan Lichtsteiner, Estigarribia, Andrea Pirlo, Martín Cáceres, Simone Pepe, Kwadwo Asamoah e Fabio Quagliarella foram os contratados. Além disso, os direitos de Sebastian Giovinco e Mirko Vučinić foram adquiridos em definitivo.

Os jornais e a mídia italiana apontava o novo elenco da Juventus como postulante a vaga na Liga dos Campeões, porém, a nova era comandada por Conte conseguiu muito mais. Empurrado pela torcida no novíssimo Allianz Stadium, o time fez uma campanha invejável: 23 triunfos e 15 empates. Ou seja, além de vaga na Champions, a equipe se sagrou campeã italiana de forma invicta da temporada 2011/12.

2012/2013

Agora com vaga na Liga dos Campeões, o objetivo de Conte era contratar em peso. Isso porque o time ainda pecava no ataque, o que fez a conquista da Coppa Itália da temporada anterior escapar na final e ficar com o Napoli. Mais uma estrela, ainda jovem, chegou ao clube. O francês Paul Pogba foi trazido de graça após não renovar com o Manchester United e ali se lançaria para o futebol mundial.

Na Serie A, um recorde de dois títulos invictos quase foi igualado ao do Milan dos anos 80 e 90, dos holandeses Rijkaard, van Basten e Gullit, mas acabou ficando apenas no quase. Todavia, o troféu foi mais uma vez para a galeria preta e branca, após 27 vitórias, 6 empates e 5 reveses. Na Champions uma campanha convincente, mas que acabou nas quartas de final, diante do Bayern de Munique. Já na Coppa Itália, eliminação das semi para a Lazio.

2013/2014

Uma época com muita expectativa se iniciara. Os fanáticos da Juve estavam mais ansiosos do que nunca para a busca do tricampeonato nacional. O motivo? Colocar a terceira estrela dourada no peito, em alusão aos 30 títulos do Calcio, marca longe de ser alcançada por qualquer outro. Enfático na busca de atacantes, Conte teve duas gratas surpresas: o argentino Carlitos Tevez e o espanhol Fernando Llorente.

Sem surpresa e garantindo o favoritismo, o time conquistou o 30º Campeonato Italiano com uma belíssima campanha. Em 38 jogos, 33 vitórias, 3 empates e duas derrotas, atingindo mais de 100 pontos na tabela. Contudo, assim como na temporada anterior, nada de sucesso na Champions, caindo na fase de grupos, e nem na Coppa, deixando a competição nas quartas de final.

O treinador Antonio Conte se manifestou publicamente pedindo mais nomes de peso a diretoria. Caso não fosse atendido, o comandante mudaria seu rumo, e foi exatamente o que aconteceu. Sem movimentação na janela de transferências por parte da Juventus, uma oportunidade para treinar a Seleção Italiana seduziu Conte, que deixou a Velha Senhora após ter reerguido o clube.

Massimiliano Allegri e um patamar a cima

2014/2015

Após a saída de Conte, a ideia era trazer um substituto com a linha de raciocínio parecida. Então, o ex-rossonero, Massimiliano Allegri foi a escolha da Juve. Mesmo sem contratar jogadores de renome, alguns reforços foram trazidos para encorpar o elenco tricampeão italiano. Entre eles, Patrice Evra, Kingsley Coman, Roberto Pereyra, Rômulo e Álvaro Morata. Com o fortalecimento do plantel, a equipe se distanciava como a melhor da Itália.

A euforia animava os torcedores, que tinham certeza do tetra. Sem surpresas, com Pogba e Tevez liderando tecnicamente o restantes dos jogadores, o título italiano foi conquistado, sendo o quarto seguido dos bianconeros e de número 31 ao todo. Não só isso, Allegri conseguiu levantar mais um caneco: da Coppa Itália. Dessa forma, o novo técnico conseguia o doblete nacional, superando seu antecessor.

Com isso, o tão sonhado triplete teve uma enorme chance de ser conquistado. Isso se deve pelo fato da grande campanha na Champions, eliminando o atual campeão Real Madrid e chegando na finalíssima contra o Barcelona do trio MSN. Mesmo com todas suas estrelas em campo, a Juventus não foi párea para Messi e cia, que venceram por 3 x 1 a impediram a tríplice coroa dos italianos.

2015/2016

Pós derrota na final da Champions, a nova temporada veio com baixas importantes. Pirlo, Vidal e Tevez deixaram a Juve e traçaram novos rumos. Contudo, mais um pacote para fortalecer o elenco foi montado. Entre os novos nomes estava o do argentino Paulo Dybala, novo expoente ofensivo do time. Ainda mais, Khedira, Hernanes, Zaza, Mandžukić e Cuadrado chegaram como reforços.

Ainda muito forte, o time do capitão Buffon não cansava de conquistar taças domésticas. A primeira da época foi a Supercopa da Itália, contra a Lazio, onde Dybala e Mandžukić decidiram e mostraram como poderiam ser muito úteis a Allegri. Partindo para o Calcio, a busca pelo título foi diferente do outros anos, carregando mais desafios e emoções contra o Napoli de Higuaín.

Após um início ruim de Serie A, o pior desde 1962, o objetivo do penta estava ameaçado. Mas o jogo virou na metade do campeonato. Depois de uma grande sequência de triunfos, recorde de Buffon de 974 minutos sem levar gols, e um poder de reação do ataque, faltava apenas ultrapassar o Napoli. Sendo assim, em jogo decisivo e separados por apenas dois pontos, a Juventus contou com gol de Zaza para vencer, tomar a ponta e não largar até o final.

Com mais uma conquista do Italiano, além do bi da Coppa Itália, a obsessão era mais uma vez a Champions. Porém, o sonho acabou mais uma vez com eliminação para o Bayern de Munique após dois empates por 2 x 2 e uma derrota por 4 x 2 na prorrogação da volta na Alemanha. A hegemonia nacional foi se concretizando, deixando ainda um pouco a desejar em relação a torneios internacionais.

2016/2017

Dando continuidade ao trabalho que quase resultou na conquista do triplete, o clube de Turim resolveu contratar o artilheiro da edição anterior do Calcio. Assim, Gonzalo Higuaín deixou o Napoli e foi em busca de conquistar a Serie A pela Juve. O multicampeão Daniel Alves também foi um dos reforços. Caso mais um título se concretizasse, seria a primeira vez que uma equipe atingiria a façanha de enfileirar seis troféus seguidos do nacional.

Com uma campanha irrefutável, tomando a liderança na 5ª rodada, a Velha Senhora não deixou a ponta uma vez sequer. Foram 91 pontos conquistados, com 29 vitórias, 4 empates e 5 derrotas em 38 partidas. Sendo assim, pela sexta vez seguida, totalizando 33 conquistas, os bianconeros levaram a taça e atingiram uma marcar nunca antes atingida de hexacampeã italiana.

Pouco antes de levantar o caneco da liga, o time ainda bateu a Lazio em mais uma final de Coppa Itália e levou o tricampeonato, também batendo a marca de primeira equipe a alcançar tal feito. Era a temporada dos sonhos, com mais uma oportunidade de triplete batendo na porta, já que mais uma vez Allegri e seus comandados chegaram na final da Liga dos Campeões.

No confronto valendo a taça, nada mais que o Real Madrid, em busca do tri da Europa. Mesmo com Mandžukić marcando um golaço, Cristiano Ronaldo acabou com o jogo e ajudou os madrilenos a conquistar mais uma Champions. Adiando, portanto, pela segunda vez em três anos, a vontade e meta da Juventus voltar a levantar a Orelhuda, troféu mais importante do continente.

2017/2018

Querendo esquecer a derrota em mais uma final de Champions, a Juventus entrou mirando aumentar seus recordes em solo nacional. Isso porque, em caso de conquista do Calcio e da Coppa, seria maior a sequência de um único vencedor, para sete vezes e quatro vezes, respectivamente. O astro Paul Pogba regressou ao Manchester United, e nenhum outro grande craque chegou ao elenco, que seguia forte para o padrão italiano.

A campanha na Serie A não foi avassaladora, pelo menos não em sentido a diferença para os rivais. Após 22 rodadas sem saber o que era dormir na ponta da tabela, o jogo virou e a Juve tomou a liderança do Napoli, mesmo concorrente direto do ano anterior. Dessa forma, com Dybala e Higuaín fazendo gols, a primeira colocação foi mantida da rodada 27 até a 38. Quatro pontos de vantagem, sete títulos seguidos e marca absoluta.

Na Coppa Itália nada na novo. A não ser o novo recorde. Após bater o Milan na grande final, a Juventus de Allegri chegou ao quarto troféu consecutivo da segunda maior competição nacional da Terra da Bota, demonstrando, assim, que era total dominante e destruidora de marcas das temporadas recentes no país. Tudo isso chamou a atenção de um dos maiores jogadores da história, que logo mais faria parte do plantel heptacampeão.

Chegada de CR7 e fim da Era Allegri na Juventus

2018/2019

Para o começo desse período, vamos relembrar a eliminação da Juventus na Champions 17/18. Nas quartas de final, a Velha Senhora reencontrou o Real Madrid de Cristiano Ronaldo. No jogo de ida, o gajo fez dois gols, inclusive um de bicicleta, e foi aplaudido pela torcida rival. Na volta, o português marcou o gol que colocou o Madrid na final e tirou a Juve da competição.

Depois da Copa do Mundo de 2018, após muita expectativa sobre o futuro de CR7, o mesmo entrou em um acordo com o time de Turim para atuar na Itália. Assim, o clube pagou 112 milhões de euros e trouxe Ronaldo para o já forte elenco bianconero. Trazendo o cinco vezes melhor do mundo, o objetivo era ganhar tudo, inclusive a Champions, a gora com um especialista no quesito.

Primeiramente, no meio da temporada, veio a conquista da Supercopa da Itália. Com gol do português, sua equipe bateu o Milan por 1 x 0 e levou a taça. Já na Coppa Itália, eliminação precoce para a Atalanta e sonho do penta adiado. Já na Liga dos Campeões, nas oitavas de final, CR7 ajudou na classificação às quartas após hat-trick contra o Atlético de Madrid, mas o Ajax foi a pedra no sapato italiano e eliminou a Juve da competição.

Apesar de tudo, a conquista do Scudetto já estava encaminhada. Dessa forma, ao final da temporada, a Juventus chegou ao oitavo título seguido da Serie A, recorde máximo da competição. Mesmo com mais um troféu, Allegri já não caia nas graças da diretoria e parte da torcida, que agora queriam um outro estilo de jogo, já que contavam com um dos melhores finalizadores do mundo.

Supremacia

A última temporada encerrada na Itália contou, portanto, com a chegada de CR7, aumento no número de conquistas seguidas do Calcio e o fim da Era Allegri. A Juventus dos anos 2010 teve diversos craques, dois técnicos vitoriosos, oito títulos do Campeonato Italiano, quatro da Coppa Itália e duas finais de Champions League. De fato uma época repleta de glórias para um dos maiores clubes da Europa e do Mundo.

Foto destaque: Reprodução/sportskeeda

Avatar

Sobre Leonardo Abrahão

Leonardo Abrahão já escreveu 376 posts nesse site..

Meu nome é Leonardo, tenho 19 anos, paulista e estudante de jornalismo. Futebol no sangue desde pequeno e para sempre. Sonho em trabalhar com esse esporte por toda a vida e acompanhar de perto as grandes competições.

BetWarrior


Avatar
Leonardo Abrahão
Meu nome é Leonardo, tenho 19 anos, paulista e estudante de jornalismo. Futebol no sangue desde pequeno e para sempre. Sonho em trabalhar com esse esporte por toda a vida e acompanhar de perto as grandes competições.

Artigos Relacionados

Topo