Henry: ao invés da aposentadoria, o desafio

Talentoso e vencedor, o craque francês é um dos maiores ídolos do Arsenal, do Barcelona e da Seleção Francesa
Thierry Henry marcou a história de grandes clubes.

Thierry Daniel Henry, mais conhecido como Henry, atual técnico contratado pelo Montreal Impact, é sem dúvidas um dos maiores jogadores franceses do século XXI. Versátil, inteligente e com um futebol de muita técnica e habilidade, ele conquistou o coração de fãs ao redor do mundo, além de ser até hoje um dos maiores ídolos do Arsenal. Isso sem contar seu currículo invejável e campeão: ao todo são 21 títulos e 441 gols em 919 jogos por sua carreira profissional. E, apesar da carreira recheada de recordes, o ex-atacante só não ganhou um título, o de melhor jogador do mundo (perdeu em 2003 e 2004 para Zinédine Zidane e Ronaldinho Gaúcho, respectivamente). Confira então um especial sobre a trajetória inesquecível do ex-jogador:

Nasce um ídolo

Desde cedo o jovem chamava atenção com sua habilidade futebolística. Por isso, o filho de imigrantes foi chamado para atuar por clubes juvenis da região de Les Ulis, França, onde nasceu. Até que, em 1990, Henry deu o ponta pé inicial em sua carreira: entrou para as categorias de base do Mônaco. E foi no clube do principado aonde o jogador começou a mostrar um talento acima da média e caiu no gosto do técnico da equipe principal, Arsène Wenger.

Por causa disso, em 1995, o francês fez sua estreia profissional com o Mônaco jogando como meia-esquerda.  E ele já começou grande já que em cinco temporadas fez 141 jogos, marcou 28 gols e deu 37 assistências. Além de ter sido campeão da Ligue 1 e da Supercopa da França, ambas em 1997. Obviamente seu excelente desempenho pelo Mônaco levou a uma rápida ascensão na Seleção Francesa. Assim, em junho de 1997 disputou o mundial sub-20 e apenas meses depois, em agosto, estreou pela equipe principal. Menos de um ano depois Henry foi convocado para a Copa do Mundo disputada na França aonde marcou três gols. E mesmo não sendo titular acabou conquistando seu primeiro título mundial.

E todo este sucesso o levou a ser disputado pelos principais clubes europeus. Dessa forma, o atacante acabou desembarcando na Itália para vestir a camisa da Juventus, que o contratou por 10 milhões de euros. Mas Henry contrariou as altas expectativas e não teve sucesso na Velha Bota. Seja pela pouca idade e maturidade, pela ascensão explosiva e midiática ou pela dificuldade de se adaptar ao estilo italiano de jogar, o fato é que ele teve uma temporada apagada pelo clube. Assim, antes mesmo de completar um ano no time de Turin, acabou deixando a equipe.

Henry e Arsenal, uma história de sucesso e glórias

Quem achou que esse seria o fim da carreira da promessa francesa estava redondamente enganado: o atacante foi contratado pelo Arsenal,que pagou 16,1 milhões de euros em uma transação muito criticada. Afinal ele não teve seu melhor momento na Itália. Porém, o jovem calou os críticos, deu a volta por cima e mostrou ao mundo sua melhor fase futebolística. Por isso, a camisa 14 dos Gunners foi sinônimo de qualidade, versatilidade, títulos e marcas históricas. Além dele ter reencontrado seu primeiro técnico Arsène Wenger.

Na Inglaterra, então, Henry foi consagrado ídolo, afinal escreveu seu nome na história do Arsenal como o maior artilheiro vivo do clube e ainda foi um dos responsáveis pela conquista invicta do Campeonato Inglês da temporada 2003/04. Ao todo, entre 1999 e 2007, e depois na temporada 2011/12 foram mais de 337 partidas oficiais pelo time londrino, além de 228 gols marcados. Isso sem contar os sete títulos com o time: três Copas da Inglaterra, duas Copas da Liga Inglesa e duas Supercopas da Inglaterra. No entanto, as marcas do francês não param por aí. Isso porque o jogador também foi Chuteira de Ouro da UEFA, como artilheiro da Europa, em duas temporadas (2003/04, com 39 gols, e 2004/05, com 30 gols). E ele ainda foi eleito Chuteira de Ouro da Premier League em quatro temporadas (2001/02, 2003/04, 2004/05, 2005/06).

A mudança para Barcelona

Depois de fazer história nos Gunners e ter o carinho eterno da torcida, Thierry Henry passou por uma temporada com muitas lesões, em 2007, e futebol abaixo do esperado. Por isso, o atacante acabou comprado pelo Barcelona onde ficou por três temporadas. Assim, o francês fez parte da inesquecível equipe de Pep Guardiola e colecionou ainda mais títulos em sua carreira. O jogador ganhou uma Champions League, uma Supercopa Europeia, dois campeonatos nacionais, uma Copa Del Rey e uma Supercopa da Espanha.

A aposentadoria na terra do Tio Sam

Depois de uma temporada apagada em 2010, o atacante voltou ao Arsenal por uma temporada e se despediu oficialmente do clube que ficou marcado como sua casa. Porém, a idade chega até para os melhores e ele começou a mirar na fase final de sua carreira. Embora isso não significou temporadas ruins, pelo contrário.

Com fama internacional, Thierry Henry despertou o interesse norte-americano e o New York Red Bulls o comprou. Isso porque o clube buscava uma estrela para alavancar sua equipe na MLS, a liga americana. Contratado, o francês manteve sua média de gols excelente marcando 52 gols em 135 jogos (durante três temporadas). Além de protagonizar duelos inesquecíveis com o astro David Beckham, que na época também jogou pela MLS. Até que, ao final da temporada de 2014, Henry encerrou sua carreira como jogador profissional.

Um herói na França

Se a história de Henry dentro dos gramados foi inesquecível, pela Seleção Francesa ele também marcou sua geração para sempre. O jogador venceu a Copa do Mundo de 1998, a Euro 2000 e a Copa das Confederações de 2003. Mas ele também participou dos mundiais de e 2002, 2006 e 2010. Além de ter a carreira marcada pela eliminação da seleção brasileira. Isso porque em 2006, na Alemanha, o francês foi o autor do gol que eliminou o Brasil. Além de ser também o maior artilheiro da história da França, em 124 jogos ele marcou 51 vezes, e ser lembrado como um dos maiores jogadores da história da equipe.

O novo desafio

Após se aposentar Thierry Henry voltou aos gramados, mas agora como treinador. E o francês iniciou sua carreira trabalhando como auxiliar técnico de Roberto Martínez na Seleção da Bélgica, em 2018. Depois disso, o francês assumiu o comando do Mônaco, retornando para o clube que o formou. Porém sua passagem foi apagada e sem sucesso, ele deixou a equipe na zona de rebaixamento, acumulou 11 derrotas e quatro empates em 20 jogos, com apenas cinco vitórias.

Mas agora surge um novo desafio: o comando do Montreal Impact na MLS. A novidade veio em anúncio que foi feito em novembro deste ano. Assim, o francês assinou um contrato de dois anos, com a opção de mais um ano e agora só no resta saber se Henry vai surpreender mais uma vez e se mostrar um técnico tão vitorioso como foi durante sua carreira de jogador.

Foto destaque: Getty Images/Alexander Hassenstein

Carla Taíssa

Sobre Carla Taíssa

Carla Taíssa já escreveu 38 posts nesse site..

Estudante de jornalismo, escritora e fotógrafa freelancer. Futebol, esportes de velocidade, futebol americano e basquete são suas paixões quando não está escrevendo ou viajando. Conheça suas fotos no Instagram @25springs.

BetWarrior


Carla Taíssa
Carla Taíssa
Estudante de jornalismo, escritora e fotógrafa freelancer. Futebol, esportes de velocidade, futebol americano e basquete são suas paixões quando não está escrevendo ou viajando. Conheça suas fotos no Instagram @25springs.

Artigos Relacionados

Topo