Guangzhou Evergrande registra perda de 274 milhões de dólares em 2019

- Na moeda brasileira, foi cerca de 1,5 bilhões de reais no ano passado
Guangzhou evergrande

O atual campeão da Superliga da China, Guangzhou Evergrande, reportou uma perda de 1,9 bilhões de yuans, cerca de 274 milhões de dólares (R$ 1,5 bilhões) em 2019. Contudo, o balanço foi disponibilizado no relatório anual da empresa Evergrande Group, listada na bolsa de valores da China (NEEQ) divulgado na última quarta-feira (29).

O clube chinês registrou um custo operacional de 2,41 bilhões de yuans (341 milhões de dólares) e receita operacional de 783 milhões de yuans (111 milhões de dólares) em 2019. Na moeda brasileira, o custo foi de R$ 1,9 bi e a receita de R$ 4,4 bi. De acordo com o regulamento financeira da Associação Chinesa de Futebol (CFA), a despesa total permitida é de cerca de US$ 174 milhões (R$ 1 bi) em 2019.

Desde que o desenvolvedor imobiliário Evergrande Group assumiu o clube em 2010, o Guangzhou Evergrande conquistou oito títulos da superliga chinesa (CSL) e dois troféus da Liga dos Campeões da Ásia. Ainda teve, com um investimento investido na contratação de jogadores de renome e treinadores de renome mundial. Vale ressaltar, que a temporada CSL 2020 foi suspensa devido ao surto de coronavírus.

Valor do Guangzhou Evergrande

Atualmente, o clube chinês, é avaliado em 19 bilhões de yuans (US$ 2,68 bilhões). Contudo, tornou-se um dos clubes de futebol mais valiosos do mundo. Assim, após o término da primeira transação na Bolsa de Valores e Cotações da China (NEEQ) em 2015. O Evergrande Group detém uma participação de 57% no clube. A gigante do comércio eletrônico Alibaba tem 38%. O restante, na mãos de outros investidores após a venda de ações em 2016.

 

Foto destaque: Divulgação / Guangzhou Evergrande.

Kaliel Serafin

Sobre Kaliel Serafin

Kaliel Serafin já escreveu 165 posts nesse site..

Kaliel, 19 anos, estudante de jornalismo na Universidade Anhembi Morumbi.

365 Scores

BetWarrior


Kaliel Serafin
Kaliel Serafin
Kaliel, 19 anos, estudante de jornalismo na Universidade Anhembi Morumbi.

Artigos Relacionados

Topo