G6 é possível?

O time do São Paulo vem numa crescente no campeonato. Desde a derrota para o Santos, onde jogou melhor que o time da Vila Belmiro o time mostrou uma nova atitude dentro de campo para fugir da possível queda, já que estava a 1 ponto da zona de rebaixamento.

Já no jogo contra o Fluminense o Tricolor jogava melhor até sofrer um contra-ataque fulminante puxado por Wellington, que culminou no pênalti sofrido e convertido pelo mesmo, abrindo o placar ainda no primeiro tempo. O técnico Ricardo Gomes sofria a pressão da especulação de que seria demitido caso sofresse mais uma derrota no comando do time do Morumbi. Então, ao ver seu time perdendo, foi para o tudo ou nada e foi ousado. Sacou o lateral-direito Buffarini, logo no intervalo, e colocou o atacante Kelvin, que se juntou a Robson, Cueva e Chávez no ataque do time e trouxe Wesley do meio para a lateral.

A mudança surtiu efeito e o São Paulo era mais agudo no ataque mas pecava nos erros de passe. Eis que o comandante tricolor fez mais uma substituição: Sai – Robson / Entra – David Neres. Quem? DAVID NERES! Promessa da base tricolor que até então era desconhecido. Bastou 5 minutos em campo para criar a melhor chance do time no jogo, após um drible no lateral-esquerdo carioca Giovanni e cruzamento na área para Thiago Mendes se jogar e acertar a bola de canela e mandar para fora. Porém, o jogador já mostrava qualidade e personalidade.

O São Paulo seguia pressionando, até que em uma trapalhada da zaga carioca, Thiago Mendes acertou um chute da entrada da área, que desviou na zaga e empatou a partida. Como precisava da vitória e seu atacante Andrés Chávez vivia uma seca de gols, o treinador tirou o argentino e promoveu mais um garoto da base, Pedro Bortoluzo. O jovem também entrou bem, mostrou vontade, correu bastante e se dedicou a forçar o erro do adversário ao dar combate nos zagueiros, o que fazia com que a zaga do Fluminense se atrapalhasse ainda mais.

Até que aos 81 minutos de jogo, escanteio para o São Paulo e Kelvin na bola. Cruzou no meio da área e Rodrigo Caio subindo mais alto que a zaga marca de cabeça o gol da virada tricolor para delírio dos jogadores do banco, do técnico Ricardo Gomes e para os apreensivos torcedores são paulinos que assistiam a partida apreensivos.

O São Paulo dava um importante passo para  longe da zona de risco e se encaminhava para o meio da tabela, a três pontos do 11º colocado Chapecoense. Então veio o jogo de sábado à tarde, 22 de outubro, São Paulo x Ponte Preta, no Morumbi, com casa cheia, cerca de 50 mil torcedores e o tricolor não decepcionou a torcida presente. 2 a 0 pro time da casa, gols de Cueva, de pênalti e David Neres.

O que chamou a atenção foi a ousadia de Ricardo Gomes. Geralmente o técnico vão colocando os garotos da base que forem bem nos jogos aos poucos, mas o comandante tricolor colocou Pedro Bortoluzo e David Neres de titulares logo no jogo contra a Ponte, sacando Chávez e Robson do time. Com a entrada dos dois jovens formados na base são paulina, o time tinha metade dos seus jogadores de linha formados na base do elenco, algo pouco comum no times brasileiros atualmente (salvo o Santos que sempre revela bons jogadores). Eram eles Rodrigo Caio e Lyanco, na zaga, João Schmidt e David Neres, no meio e Pedro Bortoluzo no comando do ataque. Durante a partida ainda entraram o atacante Luiz Araújo e o volante Wellington, que voltou ao time que o revelou após empréstimo ao Internacional e um ano parado por lesão. Tendo assim 7 jogadores formados na base durante a partida.

classificacao

Esta segunda vitória seguida fez o time chegar a 11ª posição, ultrapassando a Chapecoense, que perdeu para o Santos por 1 a 0, no número de vitórias, uma a mais que o time catarinense e fez o presidente do time Carlos Augusto de Barros e Silva, o Leco, sonhar com o G6:

“Sim, com certeza. É algo palpável e desejável. Não significa assim grande sacrifício, porque o time mostrou nos últimos dois jogos, contra Fluminense e Ponte Preta, quanto luta e quer. Claro que vamos querer”, afirmou ao ser questionado. – “É possível. Como matematicamente temos condições de chegar, basta que façamos assim a nossa parte, que é vencer, vencer, vencer. O propósito é exatamente esse. Até aqui, importante, muito bom que conseguimos afastar essa coisa de angústia, preocupação de estar na zona debaixo. Agora zona intermediaria. O time ganha confiança, autoestima e a tendência é melhorar”, enfatiza o presidente tricolor.

Já o técnico Ricardo Gomes prefere a cautela: “Meu pensamento é o América-MG. O São Paulo não tem três vitórias consecutivas no ano inteiro. Vamos baixar a bola, porque não tem três vitórias consecutivas. Vamos baixar a bola e pensar só no América-MG”.

O confronto contra o América-MG deveria ser considerado fácil, mas o jogo é fora de casa, contra o penúltimo colocado do campeonato, que briga diretamente para não cair, vindo de vitória suada frente ao Atlético Paranaense e com o apoio da torcida, a missão não é fácil para o Tricolor do Morumbi, que mesmo tendo um time melhor e já tendo vencido adversários teoricamente mais difíceis, vai encarar um time desesperado para não cair.

tabela

Além do duelo contra o América, em Belo Horizonte, na próxima segunda-feira, 31 de outubro, o São Paulo ainda enfrenta o Corinthians, no Morumbi, sendo um clássico sem favoritos, onde no primeiro turno o São Paulo foi melhor jogando em Itaquera, mas ficou apenas no empate por uma infelicidade do goleiro Dênis ao rebater uma bola na cabeça de Bruno Henrique, que marcou no susto e o jogo ficou no empate de 1 a 1. Depois enfrenta o Grêmio também em casa. No primeiro turno perdeu por 1 a 0, em Porto Alegre, em jogo equilibrado, com gol marcado por Douglas. Em seguida pega a Chapeconse, fora de casa, atualmente adversário direto no meio da tabela, que não deve brigar por nada no campeonato. No primeiro turno foi 2 x 2, no Morumbi. Os visitantes fizeram 2 gols em 12 minutos de jogo, em um apagão do tricolor, que empatou na segunda etapa com 2 gols do peruano Cueva. Contra o Atlético Mineiro faça talvez o jogo mais difícil desta reta final. Vai enfrentar o atual terceiro colocado, que briga por título e uma vaga direto na Libertadores de 2017. O primeiro turno foi 2 x 1 para os mineiros em pleno Morumbi. No último jogo enfrenta o Santa Cruz em casa, time do qual venceu fora por 2 x 1 e já deverá estar rebaixado na última rodada.

Eric Filardi

Sobre Eric Filardi

Eric Filardi já escreveu 1049 posts nesse site..

Quando pequeno quis ser jogador. O sonho de criança passou. Uma vida nova se anseia. Bem-vindo ao melhor site de futebol. Bem-vindo ao Futebol na Veia. Sou Eric Filardi, paulistano de 25 anos, jornalista de formação e apaixonado por futebol.Como todo jornalista amo escrever. Como todo brasileiro amo futebol. Tenho meu clube e minhas preferências, mas viso o profissionalismo e a imparcialidade, sem deixar de lado a criatividade. Sou Tricolor, sou Peixe, sou Palestra e sou Timão. Sou da Colina, Botafogo, sou Flu e sou do Mengão. Sou Brasil, sou Hermano, francês e italiano. Sou Ghiggia, Paolo Rossi, Caniggia e Zidane. Sou Alemanha dos 7 a 1, mas que o povo não se engane. Também sou Ronaldo, Romário, Zico, Garrincha e Pelé. Sou Bundesliga, MLS, Eredivisie e Premier. Sou das várzeas e dos terrões, sou Clássico das Multidões. Sou sul, sou nordeste, Amazônia e Pantanal. Sou Galo, sou Raposa, sou Bavi e sou Grenal. Sou Ásia, sou África, sou Barça e sou Real. Sou as Américas, a Europa, sou o mundo em geral. Sou a festa nas arquibancadas, que o estádio incendeia, sou Futebol na Veia.


 

365 Scores

 

Eric Filardi
Eric Filardi
Quando pequeno quis ser jogador. O sonho de criança passou. Uma vida nova se anseia. Bem-vindo ao melhor site de futebol. Bem-vindo ao Futebol na Veia. Sou Eric Filardi, paulistano de 25 anos, jornalista de formação e apaixonado por futebol.Como todo jornalista amo escrever. Como todo brasileiro amo futebol. Tenho meu clube e minhas preferências, mas viso o profissionalismo e a imparcialidade, sem deixar de lado a criatividade. Sou Tricolor, sou Peixe, sou Palestra e sou Timão. Sou da Colina, Botafogo, sou Flu e sou do Mengão. Sou Brasil, sou Hermano, francês e italiano. Sou Ghiggia, Paolo Rossi, Caniggia e Zidane. Sou Alemanha dos 7 a 1, mas que o povo não se engane. Também sou Ronaldo, Romário, Zico, Garrincha e Pelé. Sou Bundesliga, MLS, Eredivisie e Premier. Sou das várzeas e dos terrões, sou Clássico das Multidões. Sou sul, sou nordeste, Amazônia e Pantanal. Sou Galo, sou Raposa, sou Bavi e sou Grenal. Sou Ásia, sou África, sou Barça e sou Real. Sou as Américas, a Europa, sou o mundo em geral. Sou a festa nas arquibancadas, que o estádio incendeia, sou Futebol na Veia.
http://www.ericfilardi.com.br

Artigos Relacionados

Topo