¡Feliz cumple! AUF comemora 120 anos

- A Associação Uruguaia de Futebol é uma das mais antigas do mundo
120 anos da AUF

Desclausurando o Uruguaio é uma coluna semanal com o intuito de explorar histórias, curiosidades e tudo o que envolve o futebol bicampeão mundial. Por certo, o tema dessa semana será os 120 anos da Associação Uruguaia de Futebol (AUF). Fundada em 30 de março de 1900, por imigrantes ingleses, a federação charrua é uma das mais bem sucedidas na história do futebol. Além de ser criada antes mesmo das tradicionais FFF (França), RFEF (Espanha), FIGC (Itália) e CBF (Brasil). Assim, aproveitando esse cumple tão especial, nós do Futebol na Veia iremos contar um pouco mais sobre a associação.

OS PRIMÓRDIOS

Enrique Lichtenberger encabeçou o projeto de criar uma instituição responsável pelo futebol no Uruguai. A saber, Lichtenberger, presidente do Albion FC, clube decano, as outras três equipes existentes para concretizar essa ideia. Ou seja: Central Uruguay Railway Cricket Club (CURCC), Deutscher Fussball Klub e Uruguay Athletic. Com todo esse apoio, no dia 30 de março de 1900 surgiu a The Uruguay Association Football League (TUAFL).

Jogadores dos quatro primeiros clubes uruguaios

Jogadores dos quatro primeiros clubes uruguaios – Reprodução

Nesse mesmo ano, só que meses depois, foi disputado o primeiro campeonato de futebol no país, possuindo apenas quatro clubes em sua fórmula. O caneco do certame terminou nas mãos do CURCC, atual Peñarol. Após 15 anos de fundação, a TUAFL alterou o seu nome para Asociación Uruguaya de Football. Todavia, a herança inglesa saiu de cena apenas 1970, quando o termo Football foi trocado por Fútbol.

FUNDAÇÃO DA CONMEBOL

Posteriormente, em 1916, as federações brasileira, uruguaia e chilena foram rumo a Argentina para a disputa de um torneio. O intuito era comemorar o aniversário da independência dos hermanos. Em virtude do sucesso da competição, ganha pelo paisito, Héctor Rivadavia, dirigente do Montevideo Wanderers, teve uma grande ideia. O cartola uruguaio queria fundar a confederação sul-americana de futebol. Rivadavia e representantes de outros países viajaram novamente até Buenos Aires e bateram o martelo, a CONMEBOL estava criada.

Sendo assim, o Uruguai possui uma grande parcela na fundação do orgão máximo do futebol na América do Sul. A importância da AUF se dá não apenas pela ideia de Rivadavia, como também pela qualidade do futebol apresentado. Afinal, o Uruguai triunfou em cinco das oito primeiras Copas América disputadas na história.

DONOS DO MUNDO

Provada a sua força em âmbito continental, a seleção uruguaia mostrou ao mundo o seu poderio. Classificada para a 7ª edição Jogos Olímpicos da era moderna, realizada no ano de 1924 em Paris, o Uruguai despontou na modalidade futebol. As cinco vitórias em cinco, contando a final contra a Suíça, deram a medalha de ouro a celeste. Mais tarde, nas Olimpíadas de Amsterdã, 1928, o paisito surpreendeu novamente e ganhou outro ouro no futebol, esse sobre a Argentina. Naquela época a Copa do Mundo sequer existia, desse modo essas medalhas valeram como título mundiais. Os triunfos ainda renderam a alcunha de “celeste olímpica” ao Uruguai.

Seleção Uruguaia durante os Jogos Olímpicos de 1928

Seleção Uruguaia durante os Jogos Olímpicos de 1928 – Reprodução

AS QUATRO ESTRELAS

Sem dúvida, entre anos 20 e 30 a seleção uruguaia era a sensação do futebol. Com as duas medalhas de ouro no peito, o Uruguai recebeu o convite para sediar a primeira Copa do Mundo da história. Àquela altura a FIFA percebeu as grandes proporções financeiras do esporte bretão. A instituição decidiu em criar o seu próprio torneio mundial e desconsiderar os Jogos Olímpicos. Desse maneira, em 1930 foi disputada a Copa no Uruguai, onde anfitriã garantiu mais um caneco em sua galeria. Mesmo sem a presenças de Itália, Alemanha, Espanha e Inglaterra, que se recusaram atravessar o Atlântico, o título não pode ser desmerecido.

Escudo do Uruguai na tradicional camisa celeste

Escudo do Uruguai na tradicional camisa celeste – Divulgação/Puma

Contudo, a hegemonia charrua foi perdendo força na década de 1940. O orgulho uruguaio teve sua renovação em 1950, quando Alcides Ghiggia, Alberto Schiaffino e companhia bateram o Brasil no famigerado Maracanazzo. Faturando a segunda Jules Rimet de sua história, e o quarto título à nível global. Sabendo disso, os uruguaios reinvindicaram as quatro estrelas em sua tradicional camisa celeste. O pedido foi acatado pela FIFA, mas a entidade não os considera tetracampeões em Copas do Mundo.

CORRUPÇÃO E INTERVENÇÃO DA FIFA

Mas nem tudo são flores na gloriosa história da AUF. Em 2018 foram divulgadas gravações telefônicas apresentando fraudes na escolha da empresa escolhida para instalar câmeras de reconhecimento facial nos estádios. Nas ligações, Wilmar Valdez, então presidente da federação, afirmou a Walter Alcantara, empresário ligado ao futebol, que a sua organização seria selecionada antes mesmo da licitação.

Essas e outras acusações vieram à tona, Valdez renunciou ao cargo e nenhum outro candidato obteve a porcentagem para ser eleito. A FIFA tomou conhecimento da situação e interviu na Associação Uruguaia de Futebol. O intuito da entidade máxima era recolocar a AUF nos trilhos. Assim, foi criado um comitê para gerir a federação, modificar estatutos e organizar eleições.

Wilmar Valdez após a renuncia - El Universo

Wilmar Valdez após a renuncia – El Universo

 

Foto destaque: Reprodução/AUF
Luciano Massi

Sobre Luciano Massi

Luciano Massi já escreveu 276 posts nesse site..

Me chamo Luciano Massi, tenho 20 anos, sou paulistano. Estou no 6º semestre do curso de Jornalismo na Universidade Anhembi Morumbi. Desde criança fanático pelo futebol dentro e fora das quatro linhas, histórias que vão além do esporte. Produzo o Derbicast, podcast voltado ao futebol alternativo, dando enfâse aos esquecidos. Entretanto, nunca me dei bem com a bola...

365 Scores

BetWarrior


Luciano Massi
Luciano Massi
Me chamo Luciano Massi, tenho 20 anos, sou paulistano. Estou no 6º semestre do curso de Jornalismo na Universidade Anhembi Morumbi. Desde criança fanático pelo futebol dentro e fora das quatro linhas, histórias que vão além do esporte. Produzo o Derbicast, podcast voltado ao futebol alternativo, dando enfâse aos esquecidos. Entretanto, nunca me dei bem com a bola...

Artigos Relacionados

Topo