Em jogo digno de final, Flamengo se sagra campeão da Taça Guanabara

Pela segunda vez no ano, o Rubro-negro conquistou mais um título, agora a vítima foi o Boavista
Taça Guanabara

A final da Taça Guanabara foi disputada neste sábado (22) no Maracanã. O espetáculo, que foi promovido por Flamengo e Boavista, que terminou em 2 x 1 para o Mengão. O jogo foi extremamente intenso e viu uma virada heroica vir a partir do gol de Gabigol. O vice-campeão quase conseguiu um empate, jogando bem e, assim, sabendo explorar as falhas do vencedor, deixou a partida bem equilibrada.

1º TEMPO

A primeira etapa começou em ritmo de carnaval. Logo nos primeiros minutos, o Boavista conseguiu uma falta perigosa pelo lado direito, bem próxima da área. Jean se aproximou da bola e preparou o chute com a perna esquerda. Enquanto todos esperavam um cruzamento, o jogador surpreendeu e arriscou um belo chute, que atingiu a meta defendida por César com uma força surpreendente e abriu o placar. Já por volta dos 11′, em mais uma cobrança de falta, quase exatamente igual à do gol. Jean efetuou a cobrança, desta vez por debaixo da barreira. César conseguiu fazer uma defesa espetacular, enquanto a defesa isolou a bola dos pés do atacante.

Foi a partir dos 20′ que o Flamengo conseguiu o controle da situação. Com Michael, o campeão da Supercopa do Brasil conseguiu uma linda finalização, bem defendida por Klever. Logo em seguida Diego tentou uma jogada que terminou com um chute mal colocado. Após algum tempo de pressão, o Mengão finalmente conseguiu o gol de empate. Diego recebeu a bola de um escanteio, dominou e finalizou forte: após desvio no zagueiro do Boavista, encobriu o goleiro, que participava bem do jogo até ali e talvez não merecesse sofrer o gol.

2º TEMPO

Na segunda metade, o jogo honrou a grandeza de uma final. O Rubro-negro criou muitas chances, deixando o jogo alucinante para os 58 mil espectadores presentes no Maracanã. O Flamengo, que dominou assim esta etapa, foi o primeiro a subir ao ataque. A bola chegou nos pés de Michael, que recebeu a bola de um cruzamento e jogou ela na cabeça de Vitinho, que quase marcou o gol.  Aos 15′ da última parte, o Boavista chegou ao ataque, mas perdeu a bola com uma rapidez impressionante. A defesa do Flamengo conseguiu se organizar e deixou o jogo mais fácil para Gerson, que tinha agora o domínio do meio campo.

Com tanta pressão, era certo que o campeão da Libertadores iria conseguir fazer o gol da virada. A jogada foi iniciada por Gerson, que jogou para Gabigol. O atacante encontrou Everton Ribeiro na entrada da área. De calcanhar, ele jogou para Pedro, que rolou novamente para Gabriel, que levou o público ao êxtase aos 35′ da etapa final.

Enquanto parecia que a partida já havia terminado, Willian Arão roubou a bola e encontrou Gabigol na direita. Ele cortou para dentro e jogou ela da mesma forma pelo meio da defesa do Boavista. A bola chegou nos pés de Pedro, que recebeu ela meio mascada e não conseguiu dominar. Everton Ribeiro, que vinha de trás, conseguiu tirar do goleiro e chutar no peito do centroavante, que do mesmo modo não teve tempo para controlar a redonda e quase acertou o gol. Assim, a partida terminou em 2 x 1 para o Flamengo, agora também campeão da Taça Guanabara.

E AGORA?

Agora, o Flamengo tem um compromisso já nesta quarta-feira (26), contra o Independente del Valle. O campeão da Libertadores (e agora também da Taça Guanabara) enfrentará o campeão da Sul-Americana pela segunda partida da Recopa. A partida acontecerá no Maracanã, que provavelmente contará com o público máximo (exceto as cadeiras que separam a torcida mandante da visitante. Do outro lado, o Boavista volta à luta no domingo (1) contra o Botafogo, fora de casa.

MELHORES MOMENTOS

Foto em destaque: Alexandre Vidal/Flamengo

Carlos Eduardo Maciel

Sobre Carlos Eduardo Maciel

Carlos Eduardo Maciel já escreveu 2 posts nesse site..

Cadu Maciel, 16 anos. Cursando o 3º ano do Ensino Médio, fez o Curso de Jornalismo Esportivo com Alexandre Praetzel. Aos 15 anos, se apaixonou pela mobilização social que os esportes têm, e decidiu que o esporte seria a sua carreira. Viu no Jornalismo Esportivo um caminho para viver no meio em que mais se encaixa: o esporte. Apaixonado pelos cantos das torcidas, pretende ser repórter e estar bem perto da massa.

BetWarrior


Carlos Eduardo Maciel
Carlos Eduardo Maciel
Cadu Maciel, 16 anos. Cursando o 3º ano do Ensino Médio, fez o Curso de Jornalismo Esportivo com Alexandre Praetzel. Aos 15 anos, se apaixonou pela mobilização social que os esportes têm, e decidiu que o esporte seria a sua carreira. Viu no Jornalismo Esportivo um caminho para viver no meio em que mais se encaixa: o esporte. Apaixonado pelos cantos das torcidas, pretende ser repórter e estar bem perto da massa.

Artigos Relacionados

Topo