Em 10 minutos, Peñarol marca gol contra para o Nacional, que devolve na mesma moeda

Apesar do empate, Peñarol se mantém na liderança do Apertura Uruguaio
Em 10 minutos, Peñarol marca gol contra para o Nacional, que devolve na mesma moeda

Pelo 11ª rodada do Apertura Uruguaio, Peñarol e Nacional protagonizaram o Superclássico na tarde deste domingo (12) no Estádio Campeon del Siglo. O resultado da partida foi definido ao final do primeiro tempo com dois gols contra. O time da casa continua na liderança e mantém sua invencibilidade no campeonato, assim como o próprio adversário. A diferença é que apesar de não serem derrotados, um conquista mais vitórias do que empates nas rodadas. Sendo assim, o Nacional permanece na 7ª posição.

1º TEMPO

Ambas equipes entraram em campo decididos a fazer um ótimo jogo e começaram pressionando. O time que conseguiu levar a bola à defesa adversário foi o Nacional, mas sem susto. A questão da pressão por ser um Superclássico deixou os jogadores claramente mais nervosos, o que ocasionou em faltas, cartões amarelos e substituições. Já no final da primeira etapa, em cobrança de escanteio para o Nacional, a bola foi direto em um dupla adversária que estava à espreita: camisa 9 do Nacional, Gonzalo Bergessio, e o 7 do Peñarol, Cristian Rodriguez. Aos 41′, o primeiro gol é marcado, contra, ao bater no joelho de Cristian. O fato deu início a um evento de discórdia até o último minuto de jogo antes do intervalo.

Peñarol foi buscar resolver a desvantagem causada por ele mesmo e em um dos contra-ataques, o camisa 10 do Nacional, Rodrigo Amaral, foi desarmar Agustin Canobbio com um carrinho, que não aparentou ser proposital, mas ele se levantou, reclamou e a confusão começou: os árbitros chegaram para apartar praticamente os 22 jogadores em campo. Ânimos aparentemente mais calmos e o Peñarol na insistência do empate. Até que Bergessio foi expulso, já tinha um amarelo, aos 48′ após derrubar Walter Gargano, que também não pareceu intencionado. Na cobrança de falta lá do meio de campo, Rodríguez recebeu bem perto do canto direito do gol, cabeceou para o meio onde uma nova dupla estava a espreita depois da bola bater na trave: Gusman Corujo e Gabriel Fernandez. Aos 50′, no útlimo minuto, Corujo paga o gol contra para o Peñarol e deixa tudo igual, empurrando a bola para o fundo da rede “sem querer querendo”. O lance ainda levantou dúvidas já que mostra a “pelota” batendo no braço do jogador do Nacional.

2º TEMPO

Na volta do intervalo as equipes não se mostraram abaladas pelo ocorrido na primeira etapa, seja pela confusão ou os gols contra. Mas voltaram com a mesma garra e pressionaram demais para não deixar a partida terminar empatada. Apesar de um certo equilíbrio entre ataques e contra-ataques, as defesas estavam mais atentas e não deixavam que as chegadas as suas respectivas áreas levassem perigo. O que mostrou mais atenção e um trabalho coletivo, ao contrário do que foi mostrado nos 50 minutos anteriores onde o nervosismo e a ansiedade tomaram conta da partida. Em uma cobrança de falta, já nos minutos finais, Cristian Lema chutou certeiro, mas o goleiro Luis Mejía estava atento e fez excelente defesa, evitando o desempate.

E AGORA?

Na próxima rodada do Apertura Uruguaio, Penãrol visita o Fénix no sábado (18) às 15h30 (horário de Brasília), já o Nacional recebe o Defensor Sporting no dia seguinte, às 18h30.

MELHORES MOMENTOS

Beatriz do Vale

Sobre Beatriz do Vale

Beatriz do Vale já escreveu 290 posts nesse site..

Comunicativa desde pequena, graduada em Rádio e TV e também em Jornalismo pela FIAM, e pós-graduada pela Cásper Líbero.Tudo o que envolva pesquisa, escrita, locução, entrevista e criação, busco me aprimorar e fazer o melhor. Futebol na Veia surgiu sem qualquer pretensão e, hoje, me proporciona uma verdadeira imersão neste mundo esportivo, com ensinamentos pessoais e profissionais a cada dia. Sou paulistana, 30 anos, não sou parente do Luciano, mas vou experimentando...

1X Bet
Beatriz do Vale
Beatriz do Vale
Comunicativa desde pequena, graduada em Rádio e TV e também em Jornalismo pela FIAM, e pós-graduada pela Cásper Líbero.Tudo o que envolva pesquisa, escrita, locução, entrevista e criação, busco me aprimorar e fazer o melhor. Futebol na Veia surgiu sem qualquer pretensão e, hoje, me proporciona uma verdadeira imersão neste mundo esportivo, com ensinamentos pessoais e profissionais a cada dia. Sou paulistana, 30 anos, não sou parente do Luciano, mas vou experimentando...

Artigos Relacionados

Topo