Domingo azul em Manchester pela Premier League

Manchester United se complica ao empatar com o Chelsea e ainda vê o rival da cidade cada vez mais perto do título
Domingo azul em Manchester pela Premier League

Neste domingo, 28, foram disputadas as três partidas que fecharam a 36ª rodada da Premier League. Quatro dos seis primeiros times envolvidos e muita emoção em campo. O Leicester massacrou o Arsenal, que permaneceu no quinto lugar graças ao empate do Manchester United com o Chelsea. Do outro lado de Manchester, a disputa continua intensa pelo título, já que, mesmo com dificuldades, o City venceu o Burnley jogando fora de casa e reassumiu a liderança.

PREMIER LEAGUE  – 36ª RODADA

Leicester 3 x 0 Arsenal

Os donos da casa foram para o jogo no 4-1-4-1, com Vardy mais isolado na frente. Já os visitantes começaram em um 4-4-2, formação essa que não duraria por muito tempo.

O time de Unay Emery resistiu a pressão do Leicester enquanto tinha 11 em campo, mas foi um massacre dos donos da casa. Aos 36′, Maitland-Niles dificultou a vida de seus companheiros quando recebeu seu segundo amarelo e foi expulso. O time seguiu sem alterações até o segundo tempo, quando Iwobi foi sacado para a entrada do zagueiro Koscielny.

Não demorou muito para que a vantagem numérica fizesse a diferença no placar. Após belo cruzamento de Maddison, o meia Tielemans abriu o placar de cabeça. Em contra-ataque, Vardy ampliou. No último minuto, o inglês fechou o placar com passe de Ricardo Pereira.

Foi o 8º gol de Vardy desde que Brendan Rogers assumiu o Leicester. Nesse período, ninguém fez mais gols no campeonato do que ele e apenas City e Liverpool pontuaram mais do que sua equipe.

O Leicester permanece na oitava posição com 51 pontos, enquanto o Arsenal permanece em 5º lugar, com 66 pontos, de quebra acumulou a três derrotas consecutivas, e quatro nos últimos cinco encontros no nacional.

Burnley 0 x 1 Manchester City

O jogo mostrava realidades e estilos diferentes. O Burnley é o time com mais bolas longas no campeonato, enquanto o City é o segundo que menos utiliza esse artifício. Sem Fernandinho, Guardiola colocou Gündogan cumprindo a função de primeiro volante e Bernado Silva como meia, aproveitando o alemão Sané no ataque.

O jogo começou sem muitas chances. O Burnley fazia sua marcação em bloco médio, ou seja, colocando seus últimos jogadores um pouco a frente da linha de meio-campo em um tradicional 4-4-2. Na saída de bola, o City utilizava a formação no 3-1-4-2, com Walker recuando na linha dos zagueiros e Zinchenko dando amplitude pelo lado esquerdo e Sterling na direita. Em certos momentos, o lateral ucraniano se posicionava ao lado de Gündogan, deixando Sané pela ponta.

O Burnley fazia seu jogo, marcando com duas linhas bem próximas e explorando as bolas longas e os contra-ataques. O Manchester City não conseguia ser o time de outras rodadas. Pressionado pela vitória do Liverpool, a equipe de Guardiola não exercia a pressão habitual e não criou nenhuma chance de perigo nos primeiros 25 minutos. A partir daí, os visitantes começaram a  explorar mais as laterais e chegavam em cruzamentos perigosos de ambos os lados.

O segundo tempo já começou com pressão dos Citizens, que finalizaram oito vezes em menos de 10 minutos. Pep Guardiola não fez substituições, mas alterou o posicionamento da equipe colocando os pontas, Sané e Sterling mais próximos da área e atuando por dentro.

Não demorou muito para que o City abrisse o placar. Em bola cruzada pelo português Bernardo Silva, a bola sobrou para Agüero, que fez seu 20° gol na competição, se juntando a Henry como os únicos jogadores a atingirem essa marca em cinco temporadas seguidas na Premier League.

Logo após, Pep colocou Jesus no lugar de Sané, que  completou 100 jogos como titular pelo Citizens. O brasileiro entrou bem e ainda teve uma chance de marcar, mas, após driblar o goleiro, o zagueiro do Burnley tirou em cima da linha.

Atrás no placar, Sean Dyche tirou Wood e Hendrick para a entrada de Vydra e Gudmundsson. A resposta veio com as substituições de Agüero e Sterling nos minutos finais, quando Guardiola colocou os zagueiros Stones e Otamendi. Apesar da pressão, os mandantes não conseguiram tirar a vitória do City.

O time de Manchester voltou a liderança com 92 pontos, um a mais do que o Liverpool. Enquanto o Burnley fica na 15ª posição com 40 pontos.

Manchester United 1 x 1 Chelsea

Ao contrário da partida de seu rival de Manchester, este jogo começou a todo vapor! O United avançava sua linha de marcação e não deixava o Chelsea sair para o jogo como gosta. Ambas equipes utilizavam o 4-3-3, porém em contextos diferentes, já que os jogadores dos Reds tinham mais liberdade para se movimentarem, enquanto os dos Blues respeitavam mais as posições fixas.

E a movimentação dos donos da casa fez efeito logo aos 11′, quando Lukaku recebeu na entrada da área, levantou para Shaw, que rolou para Mata abrir o placar. Os dois times diminuíram um pouco a intensidade após o gol, mas o United ainda controlava mais o jogo.

Mesmo assim, foi o Chelsea que mexeu no placar. Após um chute de fora da área do zagueiro Rüdiguer, De Gea deu rebote e facilitou a vida do espanhol Marcos Alonso, que empatou o jogo para os visitantes.

No segunda etapa, as coisas se equilibraram e nenhuma das duas equipes tinham grandes chances de marcar. Sem muitas opções pelo meio (com a má atuação de Híguain), o que restava ao Chelsea eram as jogadas pelas pontas com Hazard e William.

Os donos da casa não faziam um grande segundo tempo. Com isso, a solução de Solskjaer foi sacar Rashford para a entrada do chileno Sanchez. A alteração não surtiu muito efeito e seu time continuou sem criar grandes jogadas.

Nos últimos minutos, os Blues estavam satisfeitos com o empate, isso porque dependeriam só de si nas duas próximas rodadas na briga por vaga na Champions. O United não conseguiu pressionar e assim terminou o jogo.

Com o resultado, o Manchester United fica em situação complicada para se classificar a próxima Champions, estando em sexto lugar com 65 pontos, dois atrás do seu rival Chelsea, que ocupa a quarta colocação.

Avatar

Sobre Samuel Resende

Samuel Resende já escreveu 60 posts nesse site..

Tenho 19 anos, natural de Belo Horizonte e sou estudante de jornalismo pela UFMG. A paixão pelo futebol me fez querer seguir nessa área, desde pequeno é meu assunto favorito e sempre tentei observar o aspecto tático e ir além do que o torcedor comum enxerga. Seja nacional ou internacional, tudo o que envolve esse esporte me interessa, não está só na minha veia, mas também na alma.

BetWarrior

Avatar
Samuel Resende
Tenho 19 anos, natural de Belo Horizonte e sou estudante de jornalismo pela UFMG. A paixão pelo futebol me fez querer seguir nessa área, desde pequeno é meu assunto favorito e sempre tentei observar o aspecto tático e ir além do que o torcedor comum enxerga. Seja nacional ou internacional, tudo o que envolve esse esporte me interessa, não está só na minha veia, mas também na alma.

Artigos Relacionados

Topo