Com portões fechados, Gimnasia e Banfield ficam no zero na estreia da Copa da Superliga

- Com cada clube melhor em um tempo do jogo, equipes iniciam a copa nacional com empate em La Plata
Gimnasia

Nesta sexta-feira (13), Gimnasia y Esgrima e Banfield entraram em campo em jogo válido pela rodada de abertura da Copa da Superliga Argentina, Assim, com portões fechados no Juan Carmelo Zerillo, as equipes fizeram um confronto com boas chances de gol. No entanto, com cada clube melhor em um tempo do duelo, não saíram do 0 x 0 em La Plata. Dessa forma, El Lobo e El Taladro refletiram suas temporadas até este momento.

1º TEMPO

Assim, a etapa inicial foi de pleno domínio do Banfield. Isso porque, com chegadas pelo meio e pelas pontas, a equipes criou as melhores chances da primeira jornada de jogo. Dessa forma, logo de cara, El Taladro reclamou de uma falta, dentro da área, em cima do atacante Reinaldo Lenis. No entanto, o árbitro nada marcou. Em seguida, o mesmo Lenis, pela direita, cruzou para Luciano Gomez, que ajeitou e bateu colocado da entrada da área para defesa de Broun.

Desse modo, a partida seguia com maior volume de jogo por parte do Banfield, que teve sua melhor chance no jogo. Assim, Pablo Velázquez deu passe pelo meio para Agustín Urzi que finalizou quase caindo e a bola passou à esquerda de Broun. Na sequência, em escanteio batido por El Taladro, Reinaldo Lenis arrematou de voleio, mas o goleiro do Gimnasia y Esgrima fez boa defesa. Dessa forma, somente na reta final do primeiro tempo, El Lobo chegou com certa dose de perigo. Em falta cobrado pela esquerda, Harrinson Mancilla cabeceou, mas a redonda foi fraca e ficou fácil para Arboleda.

2º TEMPO

Já na etapa complementar, o panorama mudou e quem teve as melhores investidas e domínio da partida foi o Gimnasia y Esgrima. Assim, a primeira chance veio com Erik Ramirez, que recebeu passe de Matías Pérez García, e mandou uma bomba por cima do gol. Em seguida, após cruzamento pela esquerda, o mesmo Ramirez dividiu com a marcação, mas não conseguiu fazer o arremate com qualidade na pequena área.

Na sequência, em falta cobrada pela esquerda de campo, Horacio Tijanovich cabeceou dentro da área. No entanto, a bola passou rente à baliza, quase marcando o primeiro do Gimnasia y Esgrima. Assim, El Lobo seguiu buscando o gol. Em nova descida, um arremate pela esquerda exigiu boa intervenção do goleiro Arboleda. Em seguida, uma falta cobrada da intermediária levou perigo ao gol visitante que obrigou o arqueiro a espalmar a redonda. No fim, Harrison Mancilla fez falta em Reinaldo Lenis e foi expulso. No entanto, mesmo com a vantagem em campo, Banfield não conseguiu tirar o empate do placar.

E AGORA?

Dessa forma, com o empate, Banfield e Gimnasia y Esgrima iniciam a Copa da Superliga Argentina com um ponto cada. Logo, ocupam a 2ª e 3ª posições, respectivamente. Agora, na próxima rodada da competição, El Lobo visita San Lorenzo, no sábado (21), às 17h45 (horário de Brasília). Enquanto que El Taladro recebe Independiente, neste domingo (15).

MELHORES MOMENTOS

Foto Destaque: Reprodução / Futbol Argentino

Ricardo do Amaral

Sobre Ricardo do Amaral

Ricardo do Amaral já escreveu 338 posts nesse site..

"Alvíssaras! Sou Ricardo Accioly Filho, pernambucano de 27 anos, advogado e estudante de jornalismo pela Uninassau. Tenho como mote que “no futebol, nunca serão apenas 11 contra 11”; é arte, é espetáculo, humanismo, tem poder de mover multidões e permitir ascensões sociais. Como paixão nacional do brasileiro, o futebol me acompanha desde cedo, entretanto como nunca tive habilidade para praticá-lo, busquei associar duas vertentes de minha vida: o prazer pela leitura e o esporte bretão. Foi nesse diapasão que encontrei no jornalismo esportivo o elo de ligação que me leva a difundir e informar o que, nas palavras de Steven Spielberg, é o “mais belo espetáculo de imagens que já vi”."

365 Scores

BetWarrior


Ricardo do Amaral
Ricardo do Amaral
"Alvíssaras! Sou Ricardo Accioly Filho, pernambucano de 27 anos, advogado e estudante de jornalismo pela Uninassau. Tenho como mote que “no futebol, nunca serão apenas 11 contra 11”; é arte, é espetáculo, humanismo, tem poder de mover multidões e permitir ascensões sociais. Como paixão nacional do brasileiro, o futebol me acompanha desde cedo, entretanto como nunca tive habilidade para praticá-lo, busquei associar duas vertentes de minha vida: o prazer pela leitura e o esporte bretão. Foi nesse diapasão que encontrei no jornalismo esportivo o elo de ligação que me leva a difundir e informar o que, nas palavras de Steven Spielberg, é o “mais belo espetáculo de imagens que já vi”."

Artigos Relacionados

Topo