Clubes brasileiros e a “perseguição” ao futebol do Brasil

Por que os times brasileiros são mais prejudicados pela Conmebol dentro da Copa Libertadores?

No último dia 19 de Setembro, o futebol brasileiro, sul-americano e mundial ficaram surpresos com a equivoca expulsão do zagueiro Dedé, atleta do Cruzeiro. O jogador foi expulso após choque normal entre ele e o goleiro Andrada, do Boca Juniors pelo jogo de ida das quartas de finais da Copa Libertadores da América. Os jogadores de ambas equipes ficaram surpresos com a decisão do árbitro Eber Aquino do Paraguai, que de imediato, aplicou o cartão vermelho para o brasileiro. A imprensa de ambos países ficaram também sem entender o que de fato levou o juiz a toma a decisão.

O caso do jogo de ontem, levantou novamente um debate a modo a entender porque os clubes do Brasil são os mais prejudicados, não só dentro da Libertadores. Algo que precisa ser levantado em questão, é o fato do que aconteceu nas votações para decidir qual continente irá sediar a Copa do Mundo de 2026.

Entenda o caso

Os membros da Conmebol, combinaram de votar todos nos EUA, México e Canadá, para que esses três países pudessem receber a Copa de 2026, em troca, a instituição sul-americana receberia o apoio para a candidatura de Argentina, Uruguai e Paraguai, para que juntos, esses três países pudessem sediar a Copa do Mundo de 2030. Quando foi revelado que os países da América do Norte venceram a disputa, foi descoberto que de todos os votos, apenas um não foi de acordo com o combinado, mas sim no Marrocos, descobriu-se então que o membro que votou errado foi o brasileiro o presidente da CBF, Antonio Carlos Nunes.

Através disso, criou-se uma certa desconfiança do presidente da Conmebol, Alejandro Domínguez, que em entrevista ao site brasileiro Globo Esporte.com, disse abertamente que sentiram-se traídos pelo presidente brasileiro.

Alejandro Dominguez, em entrevista ao site brasileiro (Reprodução/Globo esporte)

“Quando saiu o resultado, vi que o Brasil havia votado em Marrocos, perguntei ao Fernando Sarney (vice da CBF) o que havia acontecido. E ele estava completamente surpreso com o que havia acontecido”

Com esse caso, criou-se também a sensação de que uma crise diplomática na Conmebol, o voto do presidente da confederação brasileira, descumpriu um acordo que o próprio brasileiro estava presente. Antes das eleições, os membros dos 10 países da América do Sul, reuniram-se três vezes para firmar o acordo entre eles. Mesmo assim, o brasileiro votou contra. Ninguém de fato soube explicar o que de fato levou o Coronel Carlos Nunes a votar contra o acordo. Especula-se que teria sido o fato dos EUA não aceitar participar da próxima Copa América, que será realizada no Brasil, em 2019.

Libertadores 2018

O fato repassado anteriormente, de uma forma ou outra é repassado com outros olhos pelos cartolas brasileiros. Só neste ano, além do Cruzeiro, o Santos também foi duramente prejudicado pela confederação, com o erro na inscrição e falta de informação entre Conmebol e clube brasileiro.

O jogador uruguaio Sanchez, disputou uma partida pelas oitavas de final da competição contra o Independiente da Argentina, após isso, foi descoberto que o jogador teria que cumprir um jogo de suspensão, por ter sido expulso em 2015, quando ainda atuava pelo River Plate da Argentina.

Mesmo reconhecendo que errou, a confederação manteve a punição ao clube brasileiro, que mesmo após empatar em 0 x 0 na Argentina, viu através do tribunal o clube sair com três gols negativos, não conseguindo reverter a situação no jogo de volta e sendo eliminado da competição.

Porém, não é de hoje que clubes brasileiros são prejudicados pela instituição, Palmeiras, Corinthians, São Paulo e Chapecoense também já foram duramente prejudicados, ou por má interpretação de juízes, ou por erros da Conmebol.

Outros casos

Palmeiras 0 x 0 Boca Juniors – Libertadores 2000

O Palmeiras havia chegado a final da competição pela segunda vez consecutiva, e o adversário era o poderoso Boca Juniors, naquela ocasião o clube argentino levantou pela terceira vez a taça. Os paulistas perderam nos pênaltis, mas a história seria outra se o juiz não tivesse prejudicado o Verdão, em duas ocasiões. Dois pênaltis claros não foram marcados.

Antes do jogo, ouviu se também que a Conmebol não queria de forma alguma que o título ficasse com os palmeirenses. Nesse jogo o arbitro não deu um pênalti claro em cima de Asprilla, além de não marcar também outro em que o goleiro Córdoba agrediu um jogador do Palmeiras.

(Reprodução/Internet)

Palmeiras 2 x 2 Boca Juniors – Libertadores 2001

No ano seguinte, as duas equipes voltaram a se enfrentar, dessa vez nas semi-finais, e outra vez o time brasileiro foi prejudicado pela arbitragem, mas no jogo de ida, na La bombonera. No caso, o jogo terminou em 2 x 2, resultado que era bom para os brasileiros, porém poderia ser maior, já que o juiz assinalou um pênalti inexistente para os argentinos na primeira etapa e não marcou um claro aos brasileiros na etapa complementar.

(Reprodução/Internet)

Corinthians 1 x 1 Boca Juniors – Libertadores 2013

Esse é claramente o episódio mais vergonhoso envolvendo brasileiros na Libertadores, o clube paulista que defendia o título da competição, enfrentou os argentinos novamente, justamente o mesmo adversário da final do ano anterior.

Diferente de 2012, o jogo entre as duas equipes no Pacaembu foi recheado de lances polêmicos, o arbitro Carlos Amarilla anulou dois legítimos gols da equipe brasileira, além de não marcar uma penalidade claríssima onde o jogador tira a bola com a mão e Emerson Sheik sairia livre para marcar o gol.

No ano de 2015, um suposto áudio vazado do ex presidente da Associação Argentina de futebol, Julio Grondona, deu por entender que o arbitro do jogo foi escolhido pela instituição.

(Reprodução/ESPN)

Atlético Nacional 2 x 1 São Paulo – Libertadores 2016

Após anos sem chegar a uma semi-final da competição o São Paulo voltou a disputar, e o adversário era os colombianos. No jogo de ida, os brasileiros perderam por 2 x 0, já nesse jogo o zagueiro Maicon foi expulso, acontecimento que já gerou muita dúvida entres os brasileiros.

Na segunda partida, novamente derrota, mas a história do jogo poderia ter sido outra, já que no final da primeira etapa, o árbitro chileno Patrício Polic, não assinalou pênalti claro, após o volante Hudson ter sido derrubado dentro da área. Na segunda etapa o árbitro expulsou Wesley e Diego Lugano de forma duvidosa, aumentando cada vez mais a ira dos clubes brasileiros.

(Reprodução/Globo Esporte)

Opinião

Tendo como base os acontecimentos passados, pode-se entender que os clubes brasileiros são muito prejudicados pela Conmebol, com a escalação de árbitros duvidosos, ou decisões politicamente tomadas. Na maioria das vezes que houve esse tipo de prejudicamento, sempre tem um clube argentino envolvido, talvez pela forte ligação entre dirigentes dos times e membros da confederação.

Os erros políticos causados por membros da CBF, não podem ser o motivo para que se possam sempre que possível prejudicar os brasileiros. Muitos clubes preparam-se muito para disputar a competição, para chegar e ver o trabalho de meses ser prejudicado por confusões politicas.

Atualmente, os clubes brasileiros pensam mais em ofender e zombar de rivais, do que propriamente se unirem para que de alguma forma possam tomar uma atitude legal. Fala-se muito em rompimento dos brasileiros da confederação, ou até de boicote sobre a competição. Se os times brasileiros não se unirem para tentar combater isso, dificilmente mudará essa triste situação que passa o futebol brasileiro.

De acordo com o site ApostasOnline, o Boca Juniors e o Palmeiras são os favoritos para vencer a Copa Libertadores de 2018. Em 3º vem o Grêmio, como melhor aposta na Libertadores . Confira as melhores odds no site de palpites.

Raphael Almeida

Sobre Raphael Almeida

Raphael Almeida já escreveu 368 posts nesse site..

Raphael Almeida, jornalista 30 anos, apaixonado por futebol, tenho como sonho ser repórter de campo, desde pequeno frequento a várzea de futebol, vendo meu pai jogar. Ali vi que minha vontade era de falar sobre esse esporte, frequentador das arquibancadas do maior palco de futebol paulista. Sou torcedor, mas acima de tudo sou esportista!

Forza Football

 

Rivalo Apostas Esportivas
Raphael Almeida
Raphael Almeida
Raphael Almeida, jornalista 30 anos, apaixonado por futebol, tenho como sonho ser repórter de campo, desde pequeno frequento a várzea de futebol, vendo meu pai jogar. Ali vi que minha vontade era de falar sobre esse esporte, frequentador das arquibancadas do maior palco de futebol paulista. Sou torcedor, mas acima de tudo sou esportista!

Artigos Relacionados

Topo