Clint Dempsey: mudando o esteriótipo do americano

Um dos ídolos estadunidenses que tratou muito bem a bola

Clint Dempsey, um dos norte-americanos mais conhecidos no mundo da bola. Não por menos, jogando como centroavante, meia-atacante ou meia-central, o estadunidense jogava muito e marcava muitos gols. Mesmo surgindo na mesma época que Landon Donovan, Dempsey tinha seu próprio holofote para o futebol que apresentava, e não ficou na sombra do outro craque dos Estados Unidos. Muito pelo contrário, os dois eram uma dupla mortal para a Seleção Americana, tendo cada um 57 tentos para cada.

O inicio

A ascensão de Dempsey foi meteórica. Dessa maneira, sendo escolhido no Super Draft de 2004 pelo New England Revolution, o atacante aos poucos foi ganhando seu espaço. Assim, contribuindo nos dois vices da MLS Cup do Revolution e também na conquista da US Open Cup de 2006. Após isso, chamou atenção dos clubes europeus e se transferiu com apenas 24 anos para o Fulham da Inglaterra.

Leia Mais

O amor de Toronto por Giovinco
O primeiro campeão estadunidense da Concacaf
Los Angeles Galaxy 2000 – Um time para a história da MLS

A passagem por Londres

Na Inglaterra, apesar de não ter vencido nenhum título, Dempsey escreveu uma bonita história com a camisa preta. Em cinco anos de clube foram 232 partida ao todo, com 60 gols marcados e 21 assistências. O americano fez parte do talvez melhor Fullham dos últimos tempos. No qual, foi vice-campeão da Liga Europa em 2010, na mesma competição, o time do americano passou também pela Juventus. O time londrino perdeu a decisão por 2 x 1, infelizmente Dempsey não pode ajudar a equipe entrando na segunda etapa. Após a boa passagem pelos Cottagers, apareceu uma ótima proposta do Tottenham.

Acabou não repetindo o sucesso anterior, Clint Dempsey ficou apenas uma temporada nos Spurs, marcando 12 gols em 41 partidas.

Voltando pra casa

Por nove milhões de euros, o Seattle Sounders contratou o americano para mudar os parâmetros. A chegada de Dempsey foi comparada à de David Beckham, por conta de que Clint ainda tinha muita lenha para queimar na Europa. Entretanto, preferiu voltar à sua casa. O comissário da MLS, Don Garber após a aposentadoria de Dempsey, comentou a volta do jogador:

Sua decisão de assinar com o Sounders em 2013 no auge da sua carreira mandou uma mensagem à comunidade global do futebol que a MLS era uma liga em ascensão”.

Assim, logo em seu primeiro ano já veio o título da US Open da temporada 2013. Nas duas temporadas seguintes, infelizmente as conquistas não vieram, mas os gols não pararam de sair. O que resultou na artilharia do ano de 2015, com 17 tentos. Quando a taça veio, o americano não esteve bem de saúde. Com problemas cardíacos constatados no meio da temporada de 2016, o ídolo estadunidense ficou de fora do time dos Sounders da 26ª semana até a final da MLS Cup, mas apesar disso, contribuiu bastante antes do afastamento. No ano seguinte, participando da campanha até a segunda decisão seguida dos Sounders, acabou perdendo na final para o imbatível Toronto de 2017.

Com o passar do tempo, Dempsey começou a atuar menos, tendo mais lesões. Assim, teve sua aposentadoria no final de 2018. Nos Sounders, o craque atuou por 136 partidas e marcou 57 gols. Mesmo número de tentos nos 14 anos em que serviu sua seleção. Clint é o único estadunidense a marcar em três Copas do Mundo diferentes (2006, 2010 e 2014), além de ser tricampeão da Copa Ouro com a camisa do Tio Sam.

Foto Destaque: Reprodução/MLS Soccer

Carlos Vinícius Amorim

Sobre Carlos Vinícius Amorim

Carlos Vinicius Amorim já escreveu 107 posts nesse site..

Carlos Vinícius Amorim, 20 anos, atualmente cursando jornalismo pelo amor ao futebol. Que se iniciou lá em 2005, com apenas seis anos de idade, já imaginam qual o clube, né. Sempre se informando e informando aos outros, buscando referências e fontes. Como o jornalismo manda.

365 Scores

BetWarrior


Carlos Vinícius Amorim
Carlos Vinícius Amorim
Carlos Vinícius Amorim, 20 anos, atualmente cursando jornalismo pelo amor ao futebol. Que se iniciou lá em 2005, com apenas seis anos de idade, já imaginam qual o clube, né. Sempre se informando e informando aos outros, buscando referências e fontes. Como o jornalismo manda.

Artigos Relacionados

Topo