Catedral de Notre-Dame terá ajuda do PSG na reconstrução pós-incêndio

Clube se compadeceu com a situação e soltou a nota: "O Paris Saint-Germain e a grande família do clube apoiarão a reconstrução de Notre-Dame de Paris a longo prazo"

Foto: Geoffroy VAN DER HASSELT/AFP

Um dos maiores desastres culturais da França foi o incêndio na Catedral de Notre-Dame, em Paris. Aconteceu na última segunda-feira, 15 de abril de 2019. Começou no teclado do edifício e causou danos consideráveis. A agulha da catedral e o telhado colapsaram, e o interior e os artefatos que albergava foram gravemente danificados. Assim como todo o mundo, o clube da capital francesa, Paris Saint-Germain, se compadeceu com a situação. Em uma nota oficial, nesta terça-feira (16), divulgou que ajudaria na reconstrução de um dos maiores símbolos da cidade.

A ideia é promover ações junto aos torcedores e parceiros e tentar arrecadar fundos“O Paris Saint-Germain e a grande família do clube apoiarão a reconstrução de Notre-Dame de Paris a longo prazo”, informou o clube. Para se ter uma ideia da importância do monumento, a catedral recebe mais visitas em um ano do que o Brasil inteiro. Quase todo o interior do santuário fora devastado, juntamente com telhado, parte da abóboda e a flecha da torre mais alta.

https://twitter.com/EsmyPacheco/status/1118008121413308416

De acordo com veículos franceses, a catedral estava em condições críticas internamente e começando a desmoronar. Vale ressaltar que a construção tinha 850 anos e, por conta de ventos, chuvas e poluição, a estrutura, feita de pedra de calcário, foi se danificando. Além disso, as famosas gárgulas (estátuas monstruosas que serviam de calhas), estavam se desintegrando. Porém, antes mesmo do incêndio, o custo da reforma era de US$ 170 milhões (aproximadamente R$ 664 milhões). Obviamente as despesas da reparação subirão consideravelmente e o apoio do PSG será fundamental. Entretanto, também contarão com a ajuda de bilionários e doadores privados. Ocultos ou não, muito se mobilizaram para financiar a reconstrução da famosa catedral. Juntos, eles prometeram doar 600 milhões de euros (ou quase R$ 3 bilhões).

Comunicado oficial

“O Paris Saint-Germain e a família do clube apoiarão a reconstrução da Notre-Dame de Paris a longo prazo. Na sequência do incêndio que devastou parte da Catedral de Notre-Dame em Paris, o Paris Saint-Germain compartilha a imensa emoção de todos os parisienses, franceses e de todo o mundo que estão agora chocados e tristes com esta catástrofe. Já o Paris Saint-Germain pretende coordenar uma mobilização que envolva todas as forças do clube, seus principais parceiros, bem como a grande comunidade de seus torcedores, em Paris e internacionalmente.

O objetivo será estimular ou participar de uma série de iniciativas, incluindo captação de recursos que farão parte do tremendo esforço para coletar doações para reconstruir o prédio por muitos anos. Ao mesmo tempo, o Paris Saint-Germain deseja expressar sua admiração e solidariedade aos bombeiros de Paris, cujo empenho e bravura ajudaram a superar as chamas e limitar a extensão dos danos. O clube também dará apoio aos bombeiros em Paris”.

História

Com gigantesco peso religioso, o local já carregava um sólido historial. Segundo os dados históricos, os celtas teriam celebrado cerimônias góticas. Mais tarde, os romanos erigiriam um templo de devoção ao deus Júpiter. Também neste local existiria uma das primeiras igrejas do cristianismo de Paris, a Basílica de Saint-Etienne, projetada por Quildeberto I, por volta de 528 d.C.. Em substituição desta obra surgiu uma igreja românica que permanecerá até 1163, quando se dá o impulso na construção da catedral. Iniciado na data falada há pouco, a obra só foi concluída em 1345, ou seja, 182 anos.

A literatura e a fama

Durante o espírito do romantismo, o ícone da literatura francesa, Victor Hugo, escreveu, em 1831, o romance “Notre-Dame de Paris”, que tornou-se “O Corcunda de Notre-Dame”, no Brasil. A obra situava os acontecimentos na catedral durante a Idade Média. A história trata de Quasimodo, que se apaixona por uma cigana de nome Esmeralda. A ilustração poética do monumento abre portas a uma nova vontade de conhecimento da arquitetura do passado. Principalmente da Catedral de Notre-Dame de Paris. O sucesso da obra, posteriormente, foi adaptado para a ópera, cinema e até desenho animado da Disney.

Eric Filardi

Sobre Eric Filardi

Eric Filardi já escreveu 988 posts nesse site..

Quando pequeno quis ser jogador. O sonho de criança passou. Uma vida nova se anseia. Bem-vindo ao melhor site de futebol. Bem-vindo ao Futebol na Veia. Sou Eric Filardi, paulistano de 25 anos, jornalista de formação e apaixonado por futebol.Como todo jornalista amo escrever. Como todo brasileiro amo futebol. Tenho meu clube e minhas preferências, mas viso o profissionalismo e a imparcialidade, sem deixar de lado a criatividade. Sou Tricolor, sou Peixe, sou Palestra e sou Timão. Sou da Colina, Botafogo, sou Flu e sou do Mengão. Sou Brasil, sou Hermano, francês e italiano. Sou Ghiggia, Paolo Rossi, Caniggia e Zidane. Sou Alemanha dos 7 a 1, mas que o povo não se engane. Também sou Ronaldo, Romário, Zico, Garrincha e Pelé. Sou Bundesliga, MLS, Eredivisie e Premier. Sou das várzeas e dos terrões, sou Clássico das Multidões. Sou sul, sou nordeste, Amazônia e Pantanal. Sou Galo, sou Raposa, sou Bavi e sou Grenal. Sou Ásia, sou África, sou Barça e sou Real. Sou as Américas, a Europa, sou o mundo em geral. Sou a festa nas arquibancadas, que o estádio incendeia, sou Futebol na Veia.

Eric Filardi
Eric Filardi
Quando pequeno quis ser jogador. O sonho de criança passou. Uma vida nova se anseia. Bem-vindo ao melhor site de futebol. Bem-vindo ao Futebol na Veia. Sou Eric Filardi, paulistano de 25 anos, jornalista de formação e apaixonado por futebol.Como todo jornalista amo escrever. Como todo brasileiro amo futebol. Tenho meu clube e minhas preferências, mas viso o profissionalismo e a imparcialidade, sem deixar de lado a criatividade. Sou Tricolor, sou Peixe, sou Palestra e sou Timão. Sou da Colina, Botafogo, sou Flu e sou do Mengão. Sou Brasil, sou Hermano, francês e italiano. Sou Ghiggia, Paolo Rossi, Caniggia e Zidane. Sou Alemanha dos 7 a 1, mas que o povo não se engane. Também sou Ronaldo, Romário, Zico, Garrincha e Pelé. Sou Bundesliga, MLS, Eredivisie e Premier. Sou das várzeas e dos terrões, sou Clássico das Multidões. Sou sul, sou nordeste, Amazônia e Pantanal. Sou Galo, sou Raposa, sou Bavi e sou Grenal. Sou Ásia, sou África, sou Barça e sou Real. Sou as Américas, a Europa, sou o mundo em geral. Sou a festa nas arquibancadas, que o estádio incendeia, sou Futebol na Veia.
http://www.ericfilardi.com.br

Artigos Relacionados

Topo