Com noite da “camisa 18” iluminada, Tolima e Jorge Wilstermann empatam na Libertadores

Atacantes marcam duas vezes e são responsáveis diretos pelo empate, com destaque para os bolivianos que foram buscar o empate

Na noite da ontem, quarta-feira (3), os colombianos do Tolima receberam os bolivianos do Jorge Wilstermann, no Estádio Manuel Murillo Toro, em Ibagué, na Colômbia, pelo fechamento da 3ª rodada do Grupo G da Copa Libertadores da América 2019. As equipes fizeram um jogo movimentado e com quatro gols, dois para cada lado. Destaque para os “duos” (dois gols) de Marco Pérez Ricardo Pedriel.

1º tempo

Os donos da casa pareciam sabe o caminho da vitória, pois buscaram logo no começo. Marco Pérez arriscou de fora da área logo aos dois minutos, mas mandou por cima do gol. O time seguiu na pressão e, logo aos seis minutos, após cruzamento de Luis González na área, Ronny Montero tentou afastar de cabeça, mas a bola espirrou e sobrou no pé direito de Marco Pérez, que não perdoou, abrindo o placar. Os anfitriões permaneceram na pressão e Pérez teve mais uma chance aos 16’, passando rente à trave. O camisa 18 estava com fome de gol e, aos 18’, recebeu ajeitada de cabeça de Larry Vásquez e mandou meio sem jeito no travessão, levando perigo mais uma vez.

A primeira chance dos visitantes veio aos 33’, com boa tabela de ataque e conclusão de Cristian Chávez, para ótima defesa de Montero. Quatro minutos mais tarde e Lucas Gaúcho arriscou de fora da área, para defesatranquila do camisa 12. Os bolivianos cresceram nos minutos finais da etapa inicial e, em cobrança de falta, Chávez exigiu outra excelente defesa de Alvaro Montero, que se esticou todo para salvar o gol colombiano. Um minuto antes do fim regulamentar, Pérez recebeu bola enfiada e chutou próximo à área, mas sem força e para mais uma defesa sem sustos.

2º tempo

No complemento o jogo voltou a se desenhar como no start da partida: Tolima tomando a iniciativa. Logo no primeiro minuto uma chance perdida com Vásquez chutando de fora da área e o goleiro desviando para a lateral. Aos 53’, Alex Castro driblou pela esquerda e mandou um arremate cruzado, rente à trave de Giménez. Yeison Gordillo tentou aos 55’, mandando de fora da área, e outra defesa colombiana. Aos 59’, em um impedimento não marcado, Chávez lançou Álvarez, que mandou por cima do gol, perdendo a chance do empate. E após seguidas tentativas, enfim, saiu o segundo gol do Tolima. Aos 60’, Danovis Banguero foi a linha de fundo e cruzou para a área, onde estava Marco Pérez, de novo, que se movimentou para trás dos defensores e se posicionou para receber o passe e fazer o segundo gol dele e dos colombianos.

Então apareceu o dedo do técnico espanhol, Miguel Ángel Portugal. O treinador tirou José Ariel Núñez e colocou Ricardo Pedriel, isso aos 66’. A alteração deu resultado aos 75’. Ortiz dividiu com a defesa na linha de fundo e tocou para trás, da entrada da área, e Pedriel diminuiu para o Jorge Wilstermann. Cinco minutos depois, para frustração da torcida local, Pedriel marcou o segundo e deu um heróico empate aos bolivianos. O brasileiro Serginho recebeu bola pela esquerda e cruzou na área para cabeceio do camisa 18 do time da Bolívia, o mesmo número de Marco Pérez, fechar o marcador em 2 x 2.

E agora?

Com o resultado os times ficam estacionados na 3ª e 4ª posição, como iniciado a rodada. O Tolima fica com quatro pontos, igualado ao vice-líder Boca Juniors, enquanto oJorge Wilstermann fica com dois, sendo o lanterna do grupo. Os colombianos não jogam no fim de semana, do qual tiveram seu jogo adiado, devido a viagem ao Brasil, especificamente ao Paraná, para enfrentar o líder do Grupo H, Athletico Paranaense, com seis pontos, na próxima terça-feira (9), às 19h15 (horário de Brasília). Já os bolivianos enfrentam o Aurora no sábado (6) e viajam à Argentina para duelar com o Boca, na La Bambonera, na quarta-feira (10), às 21h30 (horário de Brasília).

Melhores Momentos

Eric Filardi

Sobre Eric Filardi

Eric Filardi já escreveu 1099 posts nesse site..

Quando pequeno quis ser jogador. O sonho de criança passou. Uma vida nova se anseia. Bem-vindo ao melhor site de futebol. Bem-vindo ao Futebol na Veia. Sou Eric Filardi, paulistano de 25 anos, jornalista de formação e apaixonado por futebol.Como todo jornalista amo escrever. Como todo brasileiro amo futebol. Tenho meu clube e minhas preferências, mas viso o profissionalismo e a imparcialidade, sem deixar de lado a criatividade. Sou Tricolor, sou Peixe, sou Palestra e sou Timão. Sou da Colina, Botafogo, sou Flu e sou do Mengão. Sou Brasil, sou Hermano, francês e italiano. Sou Ghiggia, Paolo Rossi, Caniggia e Zidane. Sou Alemanha dos 7 a 1, mas que o povo não se engane. Também sou Ronaldo, Romário, Zico, Garrincha e Pelé. Sou Bundesliga, MLS, Eredivisie e Premier. Sou das várzeas e dos terrões, sou Clássico das Multidões. Sou sul, sou nordeste, Amazônia e Pantanal. Sou Galo, sou Raposa, sou Bavi e sou Grenal. Sou Ásia, sou África, sou Barça e sou Real. Sou as Américas, a Europa, sou o mundo em geral. Sou a festa nas arquibancadas, que o estádio incendeia, sou Futebol na Veia.


Que tal assistir a final da Libertadores no Chile? Cadastre-se e concorra:

Rexona


Forza Football

 

Eric Filardi
Eric Filardi
Quando pequeno quis ser jogador. O sonho de criança passou. Uma vida nova se anseia. Bem-vindo ao melhor site de futebol. Bem-vindo ao Futebol na Veia. Sou Eric Filardi, paulistano de 25 anos, jornalista de formação e apaixonado por futebol.Como todo jornalista amo escrever. Como todo brasileiro amo futebol. Tenho meu clube e minhas preferências, mas viso o profissionalismo e a imparcialidade, sem deixar de lado a criatividade. Sou Tricolor, sou Peixe, sou Palestra e sou Timão. Sou da Colina, Botafogo, sou Flu e sou do Mengão. Sou Brasil, sou Hermano, francês e italiano. Sou Ghiggia, Paolo Rossi, Caniggia e Zidane. Sou Alemanha dos 7 a 1, mas que o povo não se engane. Também sou Ronaldo, Romário, Zico, Garrincha e Pelé. Sou Bundesliga, MLS, Eredivisie e Premier. Sou das várzeas e dos terrões, sou Clássico das Multidões. Sou sul, sou nordeste, Amazônia e Pantanal. Sou Galo, sou Raposa, sou Bavi e sou Grenal. Sou Ásia, sou África, sou Barça e sou Real. Sou as Américas, a Europa, sou o mundo em geral. Sou a festa nas arquibancadas, que o estádio incendeia, sou Futebol na Veia.
http://www.ericfilardi.com.br

Artigos Relacionados

Topo