Alex, craque com personalidade fora de campo

O curitibano Alexsandro de Souza, ex-meia Alex, 40 anos de idade, foi singular no anúncio para pendurar as chuteiras: usou o twitter no dia 1º de dezembro de 2014, data que antecedia ao jogo do Coritiba contra o Bahia pela última rodada do Campeonato Brasileiro.

No comunicado, fez montagem vestindo camisas de Coritiba, Palmeiras, Cruzeiro, Flamengo e Fenerbahçe da Turquia. Pela deferência ao Palmeiras, em março de 2015 realizou jogo de despedida entre amigos no Allianz Parque.

A singularidade de Alex transcendia aos gramados e persiste como comentarista da ESPN. Líder do Bom Senso F.C. – grupo de atletas que reivindicava direitos e melhoria no futebol brasileiro – ousou criticar desmandos da CBF e de se submeter à TV Globo.

Sem papas na língua, deixou claro que jamais jogaria no Atlético Paranaense, rival do Coritiba. E sobraram críticas a dois treinadores: “Marco Aurélio Moreira foi o pior com quem trabalhei”, comentou, sem esconder a mágoa por ter sido dispensado do Cruzeiro por telefone.

Outro visado foi o treinador Aykut Kocaman, do Fenerbahce de 2012, que, quando atleta do clube, atingiu 140 gols. Como Alex era substituído seguidamente no segundo tempo, o acusou de receio que o ultrapassasse na artilharia no clube, pois já havia atingido 136 gols. Por fim, após totalizar 185 gols em 378 jogos nos oito anos de Turquia, foi dispensado.

Alex marcou 422 gols em 1.034 partidas nos 17 anos de carreira, iniciada no Coritiba em 1995. Ele foi exímio cobrador de faltas, tinha precisão nos passes, dribles desconcertantes e chutes calibrados. O palmeirense começou a desfrutar dessas virtudes na goleada contra o Fluminense por 4 a 1, em julho de 1997, e o aplaudiu nas conquistas das copas do Brasil e Mercosul em 1998, e campanhas na Libertadores de 1999 e 2000.

Em 2000 Alex conquistou o Torneio Rio-São Paulo antes de sair por empréstimo ao Flamengo. No retorno, ficou até 2002, em tempo de marcar gol antológico contra o São Paulo, pelo Rio-São Paulo, Estádio do Morumbi, após ‘chapelar’ Emerson e Rogério Ceni.

No Parma da Itália não repetiu o desempenho e o Cruzeiro o acolheu em contrato de dois anos, período com títulos mineiro, Copa do Brasil e Campeonato Brasileiro. Foram 121 partidas e 64 gols. A frustração foi não ter participado da Seleção Brasileira na Copa do Mundo de 2002.

Ariovaldo Izac

Sobre Ariovaldo Izac

Ariovaldo Izac já escreveu 52 posts nesse site..

O portal Futebol na Veia passa a inserir em sua grade de conteúdos a coluna de futebol Reminiscências assinada pelo jornalista Ariovaldo Izac, com 38 anos de militância no jornalismo. O foco é abordagem sobre jogadores do passado, principalmente aqueles que mais se destacaram.

BetWarrior


Ariovaldo Izac
Ariovaldo Izac
O portal Futebol na Veia passa a inserir em sua grade de conteúdos a coluna de futebol Reminiscências assinada pelo jornalista Ariovaldo Izac, com 38 anos de militância no jornalismo. O foco é abordagem sobre jogadores do passado, principalmente aqueles que mais se destacaram.

Artigos Relacionados

Topo