A farra de vagas na Libertadores

- Corinthians, Inter e São Paulo provam que há vagas demais para o torneio sul-americano
jogos-da-libertadores-1920x960

O Campeonato Brasileiro está perto do seu fim. Quando escrevo este texto, estamos há duas rodadas de término do principal campeonato do país. Porém, independentemente do que ocorra no certame até o final do torneio, é possível afirmar que nem São Paulo, nem Internacional, tampouco o Corinthians merecem vaga para a Libertadores de 2020.

Devagar, quase parando

Vamos aos fatos. É costumeiro dizer que o “sprint” final nas últimas rodadas é fundamental para que uma equipe alcance sucesso, e que este último esforço “decide campeonato”. Pois bem, ao invés de uma arrancada, as três equipes mais parecem que têm seus carros empurrados por falta de bateria. Afinal de contas, se juntarmos as cinco últimas rodadas desses times, em um total de 15 jogos, temos a constrangedora estatística de quatro vitórias, seis empates e cinco derrotas, com um aproveitamento conjunto de 40%, desempenho que daria, caso fosse mantido durante toda a competição, o décimo quarto lugar.

Internacional

Além da flagrante falta de competência no período decisivo do torneio, há o fato de que as três agremiações passaram por trocas de comando. E aí também temos peculiaridades  indignas para classificados ao maior torneio do continente. A começar pelo time do Sul do país.

Apesar de Odair Hellmann ter demonstrado, nas partidas decisivas da Copa do Brasil e Libertadores, uma limitação de repertório para a condução do Colorado por mais uma temporada, demiti-lo não parecia ser a melhor das decisões, ainda mais, como ficou claro nos dias que se sucederam após a sua queda, sem ter um planejamento mínimo sobre o caminho a tomar após a decisão. Após 10 dias andando em círculos, os dirigentes da equipe gaúcha chegaram à complexa conclusão de que Zé Ricardo seria o nome mais indicado para conduzir o time até o final de 2019.

A demissão do Botafogo, após eliminação para o Juventude, pela Copa do Brasil, além de um aproveitamento de 23% enquanto comandou o Fortaleza devem ter, de fato, gabaritado o treinador a ser o escolhido. Parece nítido que, se fosse para fazer esta escolhe, seria melhor manter o técnico anterior, conhecedor do projeto e do elenco, até o final do torneio.

https://twitter.com/SCInternacional/status/1201882504053035008?s=20

Corinthians

Saindo Porto Alegre e desembarcando em São Paulo, não encontramos situação muito melhor. Corinthians e São Paulo proporcionaram diversas frustrações aos seus torcedores. O Alvinegro, apesar de ter conquistado o título Paulista, jamais conseguiu praticar um bom futebol em 2019. Carille, enquanto esteve à frente do time, colecionou desculpas em sua defesa. No início do ano, o motivo era que jogadores haviam chegado após a pré-temporada. Na metade do ano, seria a parada para a Copa América a salvadora, pois permitiria implementar treinamentos cruciais para o desenvolvimento da equipe.

Após péssimo resultado pela Copa Sulamericana, a culpa era dos garotos, pois era preciso um time mais cascudo. Algumas partidas depois, o problema foi a falta de elenco como um todo. E, de desculpa em desculpa, o futebol foi diminuindo na mesma proporção que a insatisfação crescia. A demissão inevitável veio e Tiago Nunes foi contratado, porém, só para 2020. Ou seja, mesmo praticamente tendo aberto mão do restante da temporada, a equipe corintiana deve estar presente na Libertadores 2020.

https://twitter.com/Corinthians/status/1202060203023310848?s=20

São Paulo

Já no São Paulo, as lambanças começaram antes mesmo do Brasileirão iniciar, após a eliminação na pré-Libertadores, e com uma sequência caprichada. Demissão de Jardine, com Mancine, aquele que chegara prometendo não ser técnico, assumindo a equipe enquanto Cuca, aquele que prometera dar um tempo na carreira para cuidar da saúde, aceitava antecipar seu retorno à beira do campo, com a condição de que o São Paulo, é claro, aguardasse por dois meses pela sua volta.

Mesmo vendo que a equipe não evoluía e que o time parecia um bando em campo, a diretoria era conivente com Cuca, até chegar ao ponto do próprio treinador pedir o boné e entregar o cargo. Achando que trocar de estilo de jogo é tão simples quanto trocar de uniforme no vestiário, os cartolas tricolores contataram Fernando Diniz, que não apenas havia sido demitido do Fluminense pouco tempo antes, como também deixado o tricolor carioca na zona de rebaixamento do Brasileirão. Apesar das boas ideias do jovem treinador, sua contratação no meio da temporada (sendo que sua filosofia exige tempo de treinamento), feita por um clube na fila de títulos, parece ser uma equação que desafia a lógica do bom planejamento.

https://twitter.com/SaoPauloFC/status/1201977348716929032?s=20

Demérito premiado

Para se ter uma ideia da tamanha incompetência do trio, bastou o Grêmio. que apesar de ter mandado às favas o Brasileirão durante boa parte do ano, voltar a jogar à vera, para ultrapassa-los sem a menor dificuldade, adentrando o G4 como se não houvesse adversário à altura. Mesmo com este conjunto de deméritos, Internacional, São Paulo e Corinthians provavelmente serão premiados com vagas na maior competição da América do Sul. Definitivamente, a farra de vagas da Libertadores premia a incompetência.

Foto destaque: Divulgação/TuristaFC

Thiago Petrin

Sobre Thiago Petrin

Thiago Petrin já escreveu 3 posts nesse site..

Thiago Petrin, pai do Rafael, articulista esportivo, redator publicitário e comentarista no canal Smells Like Futebol. Apaixonado pelo esporte bretão, fez cursos de especialização, tática e modelo de jogo no The360 e Universidade do Futebol.

365 Scores

BetWarrior


Thiago Petrin
Thiago Petrin
Thiago Petrin, pai do Rafael, articulista esportivo, redator publicitário e comentarista no canal Smells Like Futebol. Apaixonado pelo esporte bretão, fez cursos de especialização, tática e modelo de jogo no The360 e Universidade do Futebol.

Artigos Relacionados

Topo