107 anos de Corinthians: Comemoração dentro de campo e situação bem diferente fora

O Corinthians faz 107 anos de vida nesta sexta-feira, mas, em meio a uma boa campanha no Campeonato Brasileiro e à ausência de jogos até o dia 10 deste mês, o clube espera tentar comemorar de verdade em dezembro. Com dez pontos de vantagem sobre o Grêmio, o Timão já vive um ano muito diferente do que era pensado antes da temporada do futebol começar.

Os prognósticos em janeiro não eram nada animadores. Já que o contava com um elenco que ainda estava se recuperando da saída dos campeões de 2015 e também de Tite que havia aceitado o convite para comandar a Seleção Brasileira, a diretoria viu no então auxiliar Fábio Carille a saída para montar um time que não fizesse feio em 2017 e até o momento, o treinador vem cumprindo a missão com sobras, já com um título para a galeria e com chance de título em duas outras competições.

Mas nem tudo são motivos para comemorar, já que o clube vive um contraste inusitado, sucesso em campo e caos financeiro fora dele. Campeão paulista, líder isolado no Brasileirão e com chance de um título sul-americano inédito, o Time faz uma temporada acima das expectativas da imprensa e do próprio torcedor.

Já em relação à parte financeira, a expectativa era completamente diferente da atual situação. Depois de se desfazer da equipe campeã brasileira, obter a maior arrecadação de sua história no ano passado aproximadamente 458 milhões de reais e de também após reduzir drasticamente a folha salarial do elenco, era de se imaginar que o clube teria condições de honrar todos seus compromissos.

Porém, o que se vê neste momento são tentativas de acordo com empresários para quitação de dívidas, além da falta de recursos para trazer reforços, e um balanço divulgado recentemente comprovou que o cenário financeiro do primeiro semestre deste ano é ruim.

O clube registrou déficit superior a 35 milhões. Sem patrocinador máster e, principalmente, sem as luvas da TV Globo, o Corinthians viu a dívida crescer desde o último ano contábil, passou de 425 milhões para 472 milhões de reais e nessa conta não entra a dívida feita para construir o estádio

Esses números ruins são resultados de diversos fatores, mas principalmente a ausência do patrocinador máster, do frequente prejuízo do clube social e também da permanência do elenco. Já que a venda de alguns jogadores daria fôlego à diretoria que, por sua vez, preferiu apertar os cintos na busca pelo hepta brasileiro e não vendeu nenhum titular.

E um orçamento aprovado pelo Conselho Deliberativo, ainda em 2016, o Timão previa arrecada 52 milhões com venda de jogadores na atual temporada, no entanto, mas faturou apenas 8 milhões, com a negociação de Uendel, para o Internacional, e Léo Jabá, para o Akhmat Grozny, da Rússia.

Agora resta saber como será o restante da temporada para o time do povo, sendo que fora de campo é mal administrado, mas tem dado um retorno além do esperado dentro das quatro linhas.

 

Andreas Borges

Sobre Andreas Borges

Andreas Borges já escreveu 35 posts nesse site..

Andreas Borges, 24 anos, estudante do último semestre de Jornalismo na Universidade de Ribeirão Preto e estagiário na rádio CBN. Louco por esportes principalmente futebol e desde pequeno acompanha os mais variados campeonatos ao redor do mundo.Procura entender como os fatores extra campo influenciam no rendimento de um time dentro de um jogo ou campeonato, também é apaixonado por analise tática e gestão esportiva.Fã do futebol de Cristiano Ronaldo, defende que Messi e CR7 não tem comparação por terem estilos diferentes e tem uma opção clara pela formação 4-4-2 diamante.


 

365 Scores

 

Andreas Borges
Andreas Borges
Andreas Borges, 24 anos, estudante do último semestre de Jornalismo na Universidade de Ribeirão Preto e estagiário na rádio CBN. Louco por esportes principalmente futebol e desde pequeno acompanha os mais variados campeonatos ao redor do mundo.Procura entender como os fatores extra campo influenciam no rendimento de um time dentro de um jogo ou campeonato, também é apaixonado por analise tática e gestão esportiva.Fã do futebol de Cristiano Ronaldo, defende que Messi e CR7 não tem comparação por terem estilos diferentes e tem uma opção clara pela formação 4-4-2 diamante.

Artigos Relacionados

Topo