Pelo fechamento da 2ª rodada do Apertura Uruguaio 2019, o Montevideo visitou o Nacional, no Gran Parque Central, em Montevidéu, na noite de ontem (26). O duelo foi atrasado devido ao fato de os Tricolores terem viajado para os Estados Unidos para amistosos de pré-temporada. Durante o jogo, passeio dos visitantes que de vagabundos não mostraram nada, foram é “trabalhadores” demais e venceram a primeira no Campeonato Uruguaio, uma verdadeira “vagabundagem” em campo. Porém, fora dele também, mas não por parte bohemia.

1º tempo

Nacional teve um início cheio de otimismo, indo para cima e dominando o jogo. Tanto que a primeira chance foi dos Tricolores, na tentativa de Octavio Rivero, mas a bola passou por cima do goleiro bohemio. Mas não demorou muito para os mandantes abrirem o placar. Aos 10′, após cobrança de escanteio, Sebastián Fernéndez chutou da pequena área, à queima roupa, em cima do goleiro Ignacio De Arruabarrena que defendeu. A bola sobrou para o camisa 18 que rolou para Rivero, ainda dentro da área, mas vindo de trás, chutar em meio à multidão para abrir o placar.

Mas o jogo estava apenas no início e o Wanderers não foi ao Gran Parque Central de brincadeira. Porém, isso foi um golpe para os visitantes que não tinham um centroavante fixo na área e se diluíam nos toques de lado na intermediária e em menos de cinco minutos sofreram ainda mais pressão, mas salvaram duas chances do Decano ampliar. Primeiro depois de uma finalização de Rivero após passe de Zunino. Depois com um tiro de média distância de Chory Castro. Mas os Vagabundos reagiram e com um monte de deficiências na defesa tricolor, conseguiram virar a peleja em cinco minutos.

O primeiro depois de um cruzamento rasteiro do chileno Christian Bravo, que fez excelente jogada pela direita. A bola pegou no zagueiro Guillermo Cotugno, que tentou afastar o perigo, mas sobreu no miolo da área para Ignacio González empatar aos 29′. Quatro minutos depois, em um lançamento preciso de Barrandeguy, Rodrigo Pastorini correu em direção a bola e tocou por cobertura na saída do goleiro Esteban Conde para virar o jogo. Antes do intervalo, aos 43′, em confusão na entrada da área, Matías Viña tentou tirar a bola de sua defesa, mas ela bateu em González e sobrou na grande área para Pastorini, que dominou no peito e fez 3 x 1.

2º tempo

No complemento os primeiros minutos foram o controle dos liderados por Roman Cuello, que tentaram jogar fora de sua área procurando um mais um gol para liquidar a fatura. Mas com as entradas de Cardacio e Santiago Rodriguez nos Tricolores os lançou com tudo ao ataque e, apesar de terem pouca clareza, tiveram suas chances de diminuir a diferença que não se materializou. O Bolso tentou, mas colidiu com um De Arruabarrena inspirado e que mostrou o melhor de seu potencial. Primeiro pegando um chute à meia distância que bateu na trave e foi para o escanteio, depois numa cabeçada de Rivero.

Mas Cuello, inteligente, colocou Javier Cabrera para segurar o jogo e reforçar seu sistema defensivo. Eduardo Domínguez então promoveu a entrada do artilheiro do último Campeonato Uruguaio, Gonzalo Bergessio, mas nada de resultados. O que aconteceu foi que os Bohemios terminaram de liquidar a fatura aos 81′. Santiago Martinez roubou a bola na intermediária direita, conduziu até a área, tabelou com Albarracín, recebeu de volta e chutou par a defesa de Conde. A bola sobrou com Albarracín que tentou driblar Angeleri, mas foi cortado pelo zagueiro, a pelota sobrou com Javier Cabrera, que entrara na etapa final, e tocou colocado fechando a goleada. O desconforto de muitos torcedores tricolores pela linha de três zagueiro de Domínguez e também com a preocupação de deixar cinco dos seis pontos possíveis nas duas primeiras rodadas do Apertura.

E agora?

Com o resultado o Montevideo Wanderers chega a 5ª colocação do Apertura Uruguaio com quatro pontos nas duas partidas, sendo este humilhante resultado sobre o rival sua primeira vitória, visto que empataram na estreia. Já o Nacional segue sem vencer e perdeu a primeira, em casa, de forma vexatória, pontos que podem ser cruciais para a disputa equilibrada ano após ano com o Peñarol. O próximo compromisso dos Bohemios será no domingo (3), frente ao Fénix, em casa, às 20h30 (horário de Brasília). Os Tricolores jogam um dia antes contra o Racing, às 16h30 (horário de Brasília), fora de seus domínios. Ambos os duelos válidos pela 3ª rodada do Apertura.

Incidente pós-jogo

Os torcedores e os líderes do Wanderers não deixaram o estádio totalmente felizes, apesar da notável vitória. Acontece que os fãs foram assaltados a mão armada na saída do Tribune Héctor Scarone, no lado de fora do Parque Central, felizmente só lhes roubaram um bombo (tambor): “Obedecendo o protocolo de segurança, os torcedores abaixaram as bandeiras antes de terminar a partida e saíram. Mas onde deveria haver uma área mista que tinha que ser vigiado pela polícia, não eram guardas e sim torcedores identificados com as cores do Nacional armados”, afirmou María González, dirigente do clube.

“Nosso público é composto de jovens casais que têm filhos e adultos. Foi estranho o que aconteceu. Os fãs tiveram que despistar para chegar à sede em San Fructuoso, felizmente sem ferimentos. Os torcedores não fizeram a queixa porque eles decidiram voltar rapidamente para a sede. O oficial de segurança nos disse que alguns vieram de microônibus da torcida do Nacional. Crianças e jovens de 15 e 16 anos ficaram muito assustados”, acrescentou González.

Melhores Momentos

Eric Filardi
Quando pequeno quis ser jogador. O sonho de criança passou. Uma vida nova se anseia. Bem-vindo ao melhor site de futebol. Bem-vindo ao Futebol na Veia. Sou Eric Filardi, paulistano de 27 anos, criado em Taboão da Serra, jornalista pós-graduado em Jornalismo Esportivo e apaixonado por futebol. Como todo jornalista amo escrever. Como todo brasileiro amo futebol. Tenho meu clube e minhas preferências, mas viso o profissionalismo e a imparcialidade, sem deixar de lado a criatividade. Sou Tricolor, Peixe, Palestra e Timão. Sou da Colina, Glorioso, Flu e Mengão. Sou brasileiro, hermano, francês e italiano. Sou Ghiggia, Paolo Rossi, Caniggia e Zidane. Sou Alemanha dos 7 x 1, mas que o povo não se engane. Também sou Ronaldo, Romário, Zico, Garrincha e Pelé. Sou Bundesliga, MLS, Eredivisie e Premier. Sou das várzeas e dos terrões. Sou Clássico das Multidões. Sou Sul, Nordeste, Amazônia e Pantanal. Sou Galo, Raposa, Bavi e Grenal. Sou Ásia e África. Sou Barça e Real. Sou as Américas, a Europa, sou o mundo em geral. Sou a festa nas arquibancadas que o estádio incendeia: sou Futebol na Veia.
https://bit.ly/EricFilardi

Artigos Relacionados