O futsal de Altamira, cidade situada no Sudoeste do estado do Pará nesta quarta-feira, 27, viveu momentos eufóricos como na década de 1990. Naquele período, o município tinha um campeonato de futsal que fazia inveja há muitos campeonatos pelo país. Mas não foi um time altamirense que fez os munícipes entrarem nessa nostalgia, e sim, o Tubarão CFZ de Vitória do Xingu, cidade vizinha a Altamira que levou a lotar mais uma vez o Ginásio Nicias Ribeiro para mais um momento histórico da região.

Antes do jogo

A partida era válida pela decisão do Campeonato Paraense de futsal, o time vitoriense já é um velho conhecido da região Norte e até mesmo do Brasil, tendo disputado a Copa Norte e vice-campeão da Copa do Brasil de futsal em 2017 e que veio com moral ao atropelar o Paysandu por 8 a 1 no segundo jogo da semifinal. No primeiro jogo a equipe de Breves venceu por 3 a 2, no ginásio Ferdinando Costa e Silva e assim colocando o Tubarão na condição da necessidade de uma vitória no jogo de volta.

Aos poucos as torcidas foram chegando, a animada torcida do Tubarão, claro em ampla maioria, mas quem disse que Breves não tinha alguém para apoiar? Aos poucos eles foram chegando e também contribuindo para o belo espetáculo de quase cinco mil pessoas. Festa das torcidas a parte, quando a bola rolou, o jogo se mostrou digno de uma final.

Timida na quantidade, mas a torcida de Breves fez parte da festa
A do Tubarão comandava o barulho com bandinha e tudo nas arquibancadas
Aos poucos o ginásio foi lotando, quase que em sua totalidade, os cinco mil lugares do ginásio.

Com a bola rolando

O primeiro tempo foi de muita intensidade na marcação de lado a lado, mas com o time da casa tendo as melhores oportunidades, com dois minutos de jogo o Tubarão já havia acertado o travessão, mostrando ao adversário que iria buscar até o fim a vitória. Entretanto foi Breves quem abriu o placar no minuto seguinte com Jusa, aproveitando boa trama arma por seus companheiros. O Tubarão não se intimidou e foi para cima e aos dez minutos, Diego Belém empatou o jogo para a festa do torcedor na arquibancada. Após o gol de empate, o jogo diminuiu um pouco o ritmo, mas com boas chances do time da casa, porém o primeiro tempo ficou mesmo no 1 a 1.

As chances apareceram de lado a lado

Segunda etapa de muita emoção

Para o segundo tempo as duas equipes voltaram com estratégias bem definidas: o Tubarão buscar a vitória a todo custo e Breves segurar a partida e consequentemente a vantagem conquistado no jogo anterior. Aos 13 minutos, veio a virada dos mandantes com Juninho fazendo a torcida explodir de vez. Próximo do fim da partida, e já com muitas chances perdidas pelo time da casa, o gol que colocava o time da casa em vantagem no confronto saiu dos pés de Éder, e a torcida, claro, comemorou como nunca.

A torcida sacudiu as arquibancadas com o terceiro gol do Tubarão

Para o fim do jogo apenas festa

A partir daí precisando de um gol Breves foi para cima e colocou goleiro linha para tentar a salvação, porém sem sucesso, e pior, o problema ficou ainda maior, quando Diego Belém, com o gol vazio, jogou a bola para o fundo do gol fazendo 4 a 1. Do mesmo jeito, Kabinho nos segundos finais, só empurrou para as redes e liquidou a fatura, com muita festa dentro e fora da quadra.

Ao final do jogo a festa foi geral

A palavra de um dos herois do Tubarão

Ao último trilar dos apitos dos árbitros a torcida e os jogadores puderam tirar o famoso grito da garganta: É campeão! O Tuba, como é carinhosamente chamado o time é o campeão paraense de 2017. Ao final de muita festa o pivô Éder, um dos heróis do título do Tubarão, falou com o Futebol na Veia e mencionou a força da torcida e a importância do título para a cidade de Vitória do Xingu:

“A conquista representa muitas coisas para a cidade de Vitória do Xingu que é uma população muito apaixonada pelo futsal, e que vem sempre em nossos jogos lotando o ginásio e que faz a gente jogar com amor, raça e muita determinação em todos os jogos do Tubarão”(…) A torcida ajudou muito a nossa equipe sendo que pegamos o gol e nunca nos deixaram na mão, sempre vibrando e torcendo pela gente até que viramos o jogo e deu tudo certo para esse título.”

Éder foi um dos heróis da conquista do Tubarão

Para o futuro, a única certeza é a de que o Tubarão terá uma temporada intensa em 2018, com as disputas novamente da Copa Norte, Copa do Brasil e ainda mais um Parazão. Para Éder a ideia agora é descansar, mas quando voltar aos trabalhos, o foco será ainda maior em busca de novas glórias:

“Agora vamos descansar para começar um ano aí bem focado, e treinar mais ainda que o Tubarão tem muitos jogos pela frente, e muitas competições para disputar agora e o Tubarão tem só a crescer mais ainda.”

Ruan Silva
Meu nome é Ruan Silva da Silva e sou de Altamira no Pará. Tenho pós-graduação na área de Letras, mas a paixão mesmo é o futebol e o jornalismo, tenho como ídolos ídolos, ícones como Galvão Bueno, Luciano do Valle, André Henning e Vitor Sérgio Rodrigues. Sou deficiente físico, mas nada que impeça de exercer diversas atividades. Sou apaixonado por todos os esportes, Enfim! Sonho em fazer um passo a cada dia, um melhor do que o outro.

Artigos Relacionados