Primeiramente, levar uma goleada em uma Copa do Mundo é algo que ficará marcado para sempre. Isso porque a Copa só acontece de quatro em quatro anos, e durante o intervalo entre um torneio e outro, a goleada sofrida por um país será lembrada até que ocorra um novo vexame histórico. Quem não se lembra do Galvão Bueno e sua famosa frase ”virou passeio” durante o 7 x 1 no Mineirão? Assim, a coluna Marcas da Copa relembra cinco goleadas históricas da Copa do Mundo.

5º – Portugal 7 x 0 Coréia do Norte – Copa do Mundo de 2010

Antes de tudo, a maior goleada da Copa do Mundo de 2010 ficou por conta de Portugal, que fez 7 x 0 na Coréia do Norte no jogo válido pela fase de grupos do torneio. Além disso, o jogo foi marcante para a estrela Cristiano Ronaldo, que acredite se quiser, não marcava um gol oficial por seu país há dois anos. Por sua vez, o último tento marcado pelo camisa 7 foi durante a Eurocopa de 2008, quando Portugal venceu a Tchecoslováquia por 3 x 1 no torneio europeu.

A PARTIDA

Mesmo com a inferioridade técnica e tática visível entre as duas equipes, o primeiro tempo foi bastante movimentado, com grandes chances para os dois lados. Pelo lado de Portugal, o zagueiro Ricardo Carvalho carimbou a trave de Ri Myong-Guk. Já pelo lado coreano, Hyong Yong-Jo e Mun In-Guk levaram perigo para o gol de Eduardo. Contudo, o primeiro gol só saiu aos 29′. Rául Meireles recebeu bom passe de Tiago e tocou na saída do goleiro coreano.

Na volta do intervalo, Portugal sobrou na partida. Logo no início da segunda etapa, Simão recebeu passe de Raúl Meireles e chutou por debaixo das pernas de Ri Myong-Guk. Três minutos depois, Hugo Almeida, sozinho, ampliou o placar de cabeça. Em seguida, após boa jogada pela esquerda de Cristiano Ronaldo, Tiago fez o quarto de Portugal no jogo. Ronaldo, que tentava acabar com seu jejum de gols, acertou o travessão em chute de longa distância. Aos 35′, Liédson, que entrou no lugar de Hugo Almeida, aproveitou a falha do zagueiro coreano para ampliar o placar.

Perto do fim, aos 40′, Cristiano Ronaldo finalmente encerrou seu jejum. Ele disputou a jogada com Ri Myong-Guk e teve a sorte da bola bater em sua cabeça e sobrar livre para tocar para o gol e fazer o sexto da partida. Por fim, aos 43′, Tiago, de cabeça, fechou a maior goleada da Copa do Mundo de 2010, no Green Point Stadium, na África do Sul.

4º – Alemanha 8 x 0 Arábia Saudita – Copa do Mundo de 2002

Em seu primeiro jogo na Copa do Mundo de 2002, a Alemanha mostrou seu cartão de visitas e goleou a Arábia Saudita por 8 x 0, com um show à parte do atacante Miroslav Klose, que marcou três gols. A partida, ocorrida no estádio Sapporo Dome, no Japão, foi palco para que a Alemanha aplicasse a maior goleada em Copa do Mundo de sua história. O duelo também é marcante pela ressureição da Alemanha, que chegou ao torneio mundial muito criticada após a decepcionante participação na Eurocopa de 2000, quando sequer passou da fase de grupos.

A PARTIDA

No jogo, o gol demorou a sair: apenas com 20′, Klose, de cabeça, marcou o primeiro de seus 14 gols em Copas do Mundo. Cinco minutos depois, o camisa 11 da Alemanha marcou novamente, de cabeça. Posteriormente, Michael Ballack, que era dúvida para a partida por conta de uma lesão no pé, marcou o terceiro, também de cabeça. Perto do fim da primeira etapa, o atacante Carsten Jancker marcou o quarto, após cruzamento pela direita.

Na volta do intervalo, a Alemanha não pisou no freio e continuou o massacre. Aos 24′, Klose cabeceou para o chão e fez mais um na partida. Foi seu terceiro gol nesse estilo no jogo e o quarto da Alemanha de cabeça na partida. Posteriormente, após escanteio, o zagueiro Thomas Linke subiu mais que a zaga e marcou seu primeiro e único gol pela seleção alemã. Ao final da partida, mesmo tirando o pé, os alemães ampliaram o placar com Bierhoff, que entrou no lugar de Klose, e com Schneider, após bela cobrança de falta.

3º – Inglaterra 6 x 1 Panamá – Copa do Mundo de 2018

Na segunda rodada da fase de grupos da Copa de 2018, a partida entre Inglaterra e Panamá teve grandes momentos. Harry Kane marcou três gols, classificou seu país e também a Bélgica, que goleou a Tunísia por 5 x 2, e se isolou como artilheiro da Copa, deixando Lukaku e Cristiano Ronaldo para trás. Já pelo lado panamenho, a emoção ficou por conta do gol de Baloy, que marcou o primeiro tento do Panamá em Copas do Mundo.

A PARTIDA

Logo aos 8′, o zagueiro John Stones, de cabeça, abriu o placar no Nizhny Novgorod Stadium. Posteriormente, de pênalti, o artilheiro Harry Kane fez seu primeiro gol no jogo. Aos 36′, após passe de Sterling, Jesse Lingard acertou um belo chute no gol defendido por Penedo e fez 3 x 0 na partida. Aos 40′, após jogada ensaida da Inglaterra, Sterling cabeceou em cima do goleiro panhamenho, que deu rebote para Stones fazer seu segundo gol na partida. Nos acréscimos da primeira etapa, Harry Kane foi puxado dentro da área e o juiz assinalou outro pênalti. O próprio camisa 9 bateu e converteu sua cobrança, levando o 5 x 0 para o intervalo.

Na volta para o segundo tempo, Kane mostrou que até quando não quer fazer gol, o artilheiro marca. Depois de chute de Loftus-Cheek, a bola desviou no pé direito do camisa 9, que passava em frente ao gol, e tirou completamente o goleiro Penedo da jogada. Com o 6 x 0 no placar, a Inglaterra relaxou no jogo e o Panamá conseguiu seu grande feito. Após falta cobrada por Ávila, a zaga inglesa parou na jogada e Felipe Baloy, de carrinho, marcou o gol histórico do Panamá em Copas do Mundo.

2º – Alemanha 7 x 1 Brasil – Copa do Mundo de 2014

Antes de tudo, quando se fala de goleada em Copa do Mundo, sempre iremos lembrar do fatídico 7 x 1. No dia 8 de julho de 2014, no Mineirão, a seleção pentacaempeã mundial passou o maior vexame de sua história. No jogo válido pela semifinal da Copa de 2014, a Alemanha, que eventualmente seria tetracampeã naquele torneio, aplicou uma goleada de 7 x 1 sobre o Brasil e consagrou um dos momentos mais marcantes da história do esporte. A partida é tão marcante,  que até os dias de hoje o termo ”7 x 1” é utilizado para descrever algum momento triste ou de incapacidade.

A PARTIDA

Inicialmente, logo aos 10′, Müller, dentro da área e livre de marcação, começou a goleada. Aos 22′, em boa troca de passes em frente a área brasileira, Klose finalizou e o goleiro Júlio César fez a defesa. No rebote, o próprio Klose marcou para os alemães. Gol esse, que fez o camisa 11 ultrapassar Ronaldo como maior artilheiro da história das Copas. Um minuto depois, Kroos chutou com a perna esquerda de fora da área e fez 3 x 0. Dois minutos passados, Kroos e Khedira tabelaram e o camisa 8 marcou o quarto gol alemão no jogo. É, virou passeio. Aos 28′, após erro de passe dos brasileiros, Kroos tocou para Khedira estufar a rede de Júlio César.

Na volta do intervalo, foi a vez do Brasil atacar. Ramires, Oscar, Paulinho e Fred até tentaram mudar o jogo, mas o goleiro Manuel Neuer impediu todas as ações brasileiras. Contudo, quem não faz, toma e a seleção brasileira provou deste veneno. Phillip Lahm cruzou rasteiro para dentro da área e Schürrle, que entrou no lugar de Klose, chutou forte para fazer o sexto. Aos 33′, Müller chutou alto para dentro da aréa e achou novamente Schürrle, que de perna esquerda fuzilou o ângulo de Júlio César. Já no fim, Oscar driblou Boateng e de perna direita fez o gol de honra brasileiro. Contudo, já era tarde demais. O Brasil sofreu o maior vexame de sua história no futebol.

1º – Hungria 10 x 1 El Salvador – Copa do Mundo de 1982

Em primeiro lugar, o Nuevo Estadio, na Espanha, recebeu o duelo entre Hungria e El Salvador, válido pela abertura do Grupo 3 da Copa do Mundo de 1982. O que ningúem sabia, é que essa partida entraria para a história como a maior goleada da Copa do Mundo. Por mais que a Hungria tenha aplicado essa goleada, a seleção europeia nem se classificou para o mata-mata do mundial, terminando em terceiro lugar de seu grupo.

A PARTIDA

Com a visível diferença entre os elencos, já era de se esperar que a Hungria comandasse as ações do jogo. E foi o que aconteceu. Logo aos 4′, após escanteio de Fazekas, Nyilasi marcou de cabeça para os húngaros. Aos 11′, Pölöskei deixou a marcação salvadorenha para trás e chutou forte para fazer o segundo da partida. Tempo depois, Fazekas, livre de marcação, arrematou de fora de área, sem chances para o goleiro Luis Mora.

Na volta do intervalo, Tóth cruzou para dentro da área salvadorenha. A bola rebateu no zagueiro e voltou no próprio camisa 4, que deu um toque sutil para o gol. Aos 10′, Fazekas costurou a zaga e bateu forte no contrapé de Luis Mora. Dez minutos depois, Rugamas fez ótima jogada, driblando a zaga húngara e tocou para Huezo, que deixou Zapata cara a cara com o goleiro Mészáros para fazer o único gol de El Salvador na história das Copas. Contudo, três minutos depois, László Kiss, que entrou no lugar de Torocsik, recebeu a bola do escanteio, girou e fuzilou o gol de Luis Mora.

Em seguida, Szentes recebeu cruzamento rasteiro de Pölöskei e só teve o trabalho de empurrar para o gol vazio. Dois minutos depois, após boa jogada de Pölöskei, Kiss, de cobertura, fez o segundo dele no jogo e o oitavo da Hungria na partida. Apenas um minuto depois, o goleiro Luis Mora deu rebote para dentro da área e novamente Kiss marcou no jogo. O hat-trick marcado pelo camisa 10 da Hungria é o único na Copa do Mundo a ser marcado por um jogador que veio do banco. Por fim, aos 38′, Nyilasi, autor do primeiro gol do massacre, fechou a goleada de cabeça.

Foto Destaque: Divulgação/FIFA

Gabriel Caetano
Meu nome é Gabriel Caetano, tenho 20 anos e sou estudante de Jornalismo na Anhembi Morumbi. Natural de São Paulo, apaixonado por cinema e música, escolhi o Jornalismo pela minha paixão de futebol e quero poder trabalhar com isso. A carreira de goleiro não deu muito certo, então decidi falar sobre o esporte.