Tiro de misericórdia do Maracanã S/A

Na última segunda-feira (27), a Odebrecht rescindiu o contrato de concessão do Maracanã. A decisão seria por causa de uma cláusula contratual, determinada pelo consórcio, que a empresa teria uma avaliação de dois anos e determinaria quando devolveria o estádio.

Essa condição foi rejeitada pelo governo do Rio de Janeiro e, agora o próximo passo é um novo acordo com a participação de clubes como o Flamengo e o Fluminense, além da Ferj (Federação de Futebol do Rio) que ainda precisa de investidores para fazer alguma proposta.

O Consórcio Maracanã S/A foi formado em 2013 pelas empresas Odebrecht (majoritária) com 95%, a IMX (empresa de Eike Batista até 2015) que vendeu os seus 5% para Odebrecht e a AEG com 5%. A proposta econômica do grupo para ficar com a licitação do estádio foi de R$ 181,5 milhões divididos em 33 parcelas de R$ 5,5 milhões por ano, o que equivale a 66% dos investimentos públicos.

Em 2015, a relação entre o consórcio e o governo estadual entrou em atrito, depois de prejuízos com a paralização de obras referentes ao estacionamento e de lojas comerciais que foram retiradas do acordo, logo após a Copa do Mundo de 2014, começaram a surgir especulações de que a Odebrecht abriria mão da concessão.

Depois disso, outro possível prejuízo para o consórcio seria por conta das Olimpíadas do Rio 2016, com suposta perda de R$ 57 milhões, pois o estádio ficaria à disposição do COI (Comitê Olímpico Internacional) por até nove meses.

BetWarrior


Poliesportiva


Maria Angélica Andrade
Maria Angélica Andrade
Sou Maria Angélica Andrade, moro em São Paulo, tenho 27 anos. Faço Jornalismo e amo esportes em especial futebol. Escrever sobre um esporte tão querido pelos brasileiros é motivo de orgulho e muita responsabilidade.

    Artigos Relacionados

    Topo