Mais um dia da nossa coluna, nesta semana vamos para um novo continente. Iremos embarcar para um novo caminho, partimos rumo ao Iraque, país da Ásia. Thiago Amaral – meio-campo brasileiro do Erbil SC – será o nosso guia em busca das particularidades do futebol iraquiano. Guerras, grupos terroristas, homens-bomba. De acordo com o jogador brasileiro, essas situações ficaram no passado do país árabe. Ao longo desta reportagem, falarei mais sobre a paz do novo Iraque.

Marca da Liga Iraquiana (Reprodução/Wikipedia)

A Premier League Iraquiana é composta por 20 clubes, que jogam entre si por dois turnos, totalizando 38 rodadas. O campeão leva uma vaga direta na fase de grupos da Champions League da AFC, já o segundo colocado conquista um lugar nos playoffs da Champions asiática.

O FUTEBOL IRAQUIANO

Natural de São Bento do Sul/SC, Thiago Amaral tem 26 anos. É meio-campo, e tem passagens ainda nas categorias de base por clubes como Avaí, Grêmio, Coritiba e Figueirense. O jogador brasileiro que desde janeiro de 2018 está no Iraque conta que sua adaptação foi difícil.

“A adaptação foi difícil devido à liga ser de muita força física”, disse.

O Iraque atualmente tem cerca de 38 milhões de habitantes, a capital é Bagdá, as línguas oficiais do país asiático são o árabe e o curdo. No aspecto de comunicação Thiago afirma que não teve muito problemas, visto que o meio-campo fala inglês e árabe.

“Já estou passando no terceiro país árabe, então a língua já não é tão estranha”, contou o jogador que tem passagens pelo futebol de Omã e Líbano.

O Erbil SC, clube que Thiago Amaral joga, é da cidade com o mesmo nome do time, com cerca de um milhão e duzentos mil habitantes. A equipe fez história na temporada 2013-14 onde pela primeira vez um clube iraquiana contratou um jogador estrangeiro, feito histórico no país árabe. O clube já venceu a liga iraquiana quatro vezes.

Franso Hariri Stadium, local onde o Erbil manda seus jogos. Tem capacidade para 40 mil torcedores, é o segundo maior estádio do Iraque (Reprodução/WikiMapia)

O NOVO IRAQUE

No Iraque, cerca de 95% da população é da religião do Islã. Ao ser questionado se já sofreu algum tipo de problema em virtude das rígidas leis islâmicas, Thiago disse:

“Nunca passei nenhuma situação complicada aqui por causa de religião, o país é islâmico, mas respeita muito outras religiões assim como nós, falou o meio-campo do Erbil SC.

O passado do Iraque é de guerras, homens-bomba e muita destruição, mas, segundo Thiago tudo isso ficou para trás. O jogador relatou que em quase um ano no país árabe jamais presenciou nenhum tipo de violência deste sentido. Thiago ainda contou que levou sua esposa e seus filhos para morarem no Iraque.

“O mais importante é que aqui está muito seguro, inclusive mais seguro que muitas cidades no Brasil”, afirmou.

VOLTA AO BRASIL

O último clube de Thiago no Brasil foi o Espírito Santo/ES. O jogador disse que não tem planos de voltar ao seu país natal e, que inclusive pensa em encerrar a carreira no país árabe.

Thiago com a camisa de seu último clube no Brasil, Espírito Santo (Reprodução/Gazeta SBS)

“Estou feliz aqui e construindo uma história muito bonita. Já tenho o respeito e carinho do país inteiro. Pretendo passar alguns anos aqui, quem sabe até encerrar aqui mesmo”, concluiu Thiago Amaral.

João Guilherme Dias
João Guilherme Dias
Nordestino, estuda Jornalismo e tem três paixões: Fluminense de Feira/BA, Corinthians e Atlético de Madrid. Mas torcer para três times? Sim, o amor ao futebol não cabe apenas em único clube.

Artigos Relacionados