The Playbook

A coluna Futflix volta essa semana para falar novamente sobre a minissérie The Playbook – Estratégias para Vencer. Dessa forma, o segundo episódio sobre técnicos de futebol da produção aborda da carreira de José Mourinho. O treinador português comenta sobre vários episódios dentro da sua trajetória como treinador nesse episódio da série da Netflix. Além disso, The Special One também aborda seus princípios e estratégias como comandante de uma equipe.

ATENÇÃO!!! O TEXTO PODE CONTER SPOILERS. CASO NÃO QUEIRA PERDER SUA EXPERIÊNCIA, SUGERIMOS QUE ASSISTA A PRODUÇÃO E VOLTE DEPOIS, PARA A LEITURA

LEIA MAIS:

Jornalismo Esportivo – Paulo Vinicius Coelho

The Playbook – Jill Ellis

Para sempre Chape: relembre a trajetória do time inesquecível de 2016

THE PLAYBOOK – JOSÉ MOURINHO

Regra N°1 – Entenda sua torcida

O episódio começa com a chegada de Mourinho para treinar o Porto, em 2002. Dessa forma, a primeira lição que o português traz é que o futebol não é apenas um esporte, é uma religião. Sendo assim, os Dragões estavam em baixa no cenário do futebol nacional, e os torcedores não tinham mais identificação com o clube. José então planeja mais que uma reformulação no clube, mas em um entendimento do que os adeptos queriam. Além disso, os jogadores que chegaram na equipe não eram grandes estrelas, mas lutavam por cada bola, o que agradavam os fãs.

Dessa forma, José Mourinho conquistou vários títulos para o Porto em âmbito nacional primeiramente, como a Taça de Portugal e a Primeira Liga. Isso trouxe de volta a confiança dos torcedores e o orgulho deles em torcerem para os Dragões. Entretanto, o treinador português sabia que podia mais com essa equipe, e agora partia para o cenário europeu. Enfim, é isso que The Special One nos conta em The Playbook, em sua segunda regra.

Regra N°2 – Estar preparado para o pior é estar preparado

A paráfrase do renomado escritor português Fernando Pessoa é o que guia José Mourinho na sua segunda lição no episódio. Prepara-te para o pior e estarás preparado”. O técnico comenta o episódio do sorteio das oitavas de final da Liga dos Campeões da Europa 2003/04, quando a equipe enfrentou o Manchester United, na ocasião. Dessa forma, o Porto era visto como o time mais fraco, e o treinador trabalhou o coletivo e o mental em seus jogadores, que chegaram a querer enfrentar os Red Devils na ocasião, e não deu outra.

Além disso, toda a força mental de seus atletas, e a oportunidade de vencer um grande adversário ajudou muito, principalmente na primeira partida. Dessa forma, o Porto venceu o Manchester United por 2 x 1, mas o resto, Mourinho nos conta em sua terceira regra de The Playbook.

Regra N°3 – O ataque do Azarão

O ataque do azarão. O título da terceira regra já diz muita coisa sobre o que pensa José Mourinho, principalmente naquela UEFA Champions League. Dessa forma, o episódio mostra o jogo de volta daquela oitavas de final, e o Manchester abre o placar em Old Trafford. Mesmo assim, o técnico português já sabia que algo especial aconteceria, principalmente quando diz sobre a reação de medo. E não deu outra. O treinador comenta sobre a capacidade de competição, que sempre coloca em seus clubes, e isso motivou o elenco a buscar o empate, já nos acréscimos.

A classificação ajudou a motivar o Porto naquela sequência de Champions, e os Azarões foram derrubando time por time, até chegar a conquista da Champions League daquela temporada, o que foi histórico para o clube. Dessa forma, Mourinho se tornou um sucesso, e deixou o Porto para comandar o Chelsea, e treinar uma equipe na Premier League.

Regra N° 4 – Algumas Regras devem ser quebradas

Acima do time de futebol, está o elo, a família que se cria. E se faz tudo pela família. Esse é o lema de José Mourinho em sua quarta regra de The Playbook. Dessa forma, o conselho vai contra as primeiras abordagens que The Special One no episódio. O português para seu comportamento muitas vezes arrogantes, como um lema de sua carreira em prol da equipe. Na abertura do episódio inclusive, é passado um trecho de uma coletiva onde Mourinho diz: “Não me chame de arrogante”.

Além disso, José conta o episódio em que estava suspenso da beira do campo, pelas quartas de final da UEFA Champions League, contra o Bayern de Munique, após ataques ao técnico do Barcelona, nas oitavas de final. Dessa forma, o português não poderia nem estar no estádio, mas como ele disse: “Se faz tudo pela família”. Mourinho vai até o vestiário para falar com seus jogadores, e até se esconde dos fiscais da UEFA em um cesto de roupa suja dentro do Stamford Bridge. Entretanto, tudo deu certo, e o Chelsea venceu o jogo e saiu com a vaga às semifinais.

https://twitter.com/Curiosidades_PL/status/1192251805046063104?s=20

Regra N°5 – O Trem não para duas vezes

Essa frase é usada por José Mourinho para justificar suas saídas de clubes para treinar outros. Nessa parte do episódio, o português conta a história de seu pai, que também era técnico. Como treinador, ele fez um feito histórico, ao levar uma equipe pequena de Portugal a final da taça do país. Após isso, ele recebeu uma proposta de um clube maior mas decidiu ficar. Porém, no início da temporada foi demitido. The Special One afirma as chances que aparecem, surgem apenas uma vez.

Com isso, em 2008, saiu do Chelsea aceitando o convite para treinar a Internazionale, que foi uma equipe lendária na última década, conquistando o sonhado triplete italiano: Champions League, Serie A e Coppa Italia em 2009/10. Entretanto, “o trem não para duas vezes”. Após aquela temporada fantástica, José Mourinho recebeu proposta para treinar os Galáticos do Real Madrid e novamente, aceitou um novo desafio.

Regra N°6 – Não treine o jogador, treine a equipe

Enfim, chegamos a última regra de José Mourinho em The Playbook, que aborda justamente o período em que passou pelo Real Madrid. Muitas vezes, o português foi questionado sobre como era treinar uma equipe recheada de craques, como Cristiano Ronaldo, Kaká, entre outros. Dessa forma, o português foi simples e direto. “Não treino jogadores, treino equipes”. Mourinho usa essa frase para justificar as mudanças que faz em prol de seus clubes, e deu o exemplo da final da Copa do Rei de 2011, quando colocou CR7 como centroavante, para absorver o melhor dele. E deu certo, os Merengues venceram o Barcelona e levantaram o caneco.

Enfim, o episódio termina com o novo e atual desafio de José Mourinho, que é treinar o Tottenham. De volta a Premier League, após construir seu longo currículo, hoje, o português é um dos maiores técnicos do mundo, e isso é visto, na grandeza como ele é recebido nos Spurs.

Foto destaque: Reprodução/Pundit Arena

Avatar
Caíque Ribeiro
Olá, eu sou Caíque Ribeiro, tenho 20 anos e a paixão por esportes corre em minhas veias, sobretudo, o futebol. Um amante do futebol tanto brasileiro, quanto europeu e ainda sim, do alternativo. Tendo como maior jogador que vi jogar, Ronaldinho Gaúcho e grandes memórias futebolísticas. Estou cursando jornalismo pela Universidade Anhembi Morumbi. Quando criança,sonhava em ser jogador de futebol,mas a vida me planejou outros rumos. Desde então, decidi juntar duas paixões: a paixão por escrever e a paixão pela pelota, e seguir nessa jornada,sempre disposto a trazer a informação de forma correta e apurada ao público. Além de futebol, escrevo e sou comentarista sobre basquete na Rádio Poliesportiva. Instagram: @caiqueribero, Twitter: @CRSousa5

Artigos Relacionados