Ah, Seu Antônio…

Esperando meu ônibus como de costume, reparei um senhorzinho de mais ou menos 75 anos me olhando meio de lado (com uma camisa azul celeste bem surradinha de tanto que deve usar) com um olhar de quem quer perguntar algo mas não tem coragem de falar. Sentado no ponto de