Sócrates, o doutor da bola

Um atleta de opinião forte que não fugia da pergunta, mentor da democracia corintiana. Nunca negou seu amor ao Sporting Clube Corinthians Paulista (SCCP), meio-campo clássico de técnica apurada, armador nato que pensava antes mesmo da bola estar nos seus pés, visão privilegiada, usava o seu passe de calcanhar como diferencial para desconcertar marcadores.

Doutor Sócrates

“Magrão”, como era chamado pelos amigos e companheiros, era formado em medicina. O nome Sócrates não é por acaso, seu pai amava literatura e resolveu homenagear o antigo filosofo grego. Magrão era um filosofo do futebol, observava o esporte como poucos, segundo o próprio falava “Arte, no futebol, nunca foi adjetivo”. Sócrates iniciou sua carreira no Botafogo, de Ribeirão Preto (SP), a carreira futebolística nunca interferiu nos estudos em 1977 formou-se em medicina.

No mesmo ano foi campeão da Taça Cidade de São Paulo e artilheiro da competição. Magrão passou por times na Europa e no Brasil. Sócrates foi para copa do mundo de 1982 com treinador Tele Santana, considerada por muitos o elenco com um futebol mais refinado da amarelinha, pós-copa de 1970, e também participou da copa de 1986.

“O Corinthians não é só um time e uma torcida. É um estado de espirito!”

Sócrates sempre foi alvinegro, mas muito antes do timão o meia torcia pelo alvinegro praiano o próprio revelou isso em uma entrevista “Eu era santista, mas me tornei corintiano. Não tem como não virar a casaca no Corinthians!”. Magrão conquistou o título paulista pelo timão em 79 e o bi de 82/83 onde foi peça fundamental na equipe. Mas a grande façanha que o ídolo da fiel conquistou foi á democracia corintiana na época implantada para que todos da agremiação fossem tratados igualmente do presidente ao roupeiro. As opiniões de todos tinham o mesmo peso nas decisões futuras do clube.

Sócrates sempre demostrou o seu amor pelo SCCP e mostrava isso em frases para o clube e torcida. Magrão certa vez revelou um sonho “Quero morrer em um domingo, e com o Corinthians campeão” o desejo foi realizado. O dia 04 de dezembro de 2011 o timão conquistava o seu pentacampeonato. Era um domingo e Sócrates tinha falecido de madrugada, os atletas homenagearam o ídolo em um minuto de silêncio com o braço direito levantado e os punhos fechados, tradicional comemoração de magrão.

A carreira de um jogador é muito curta, lesões, títulos e tropeços, mas nada pode ser mais doloroso para um atleta do que a aposentadoria. Sócrates tinha uma visão sobre este momento “Nenhum jogador abandona a carreira de futebol. É o futebol que abandona o jogador”.

Caio Souza

Sobre Caio Souza

Caio Souza já escreveu 28 posts nesse site..

Estudante de jornalismo, um apaixonado por futebol e NFL. Sonha em ser repórter na beira do gramado, assistir e jogar futebol nos finais de semana é uma obrigação. Fascinado por biografias de ex-jogadores, seu livro favorito “Alex, A Biografia”.

BetWarrior


Poliesportiva


Caio Souza
Caio Souza
Estudante de jornalismo, um apaixonado por futebol e NFL. Sonha em ser repórter na beira do gramado, assistir e jogar futebol nos finais de semana é uma obrigação. Fascinado por biografias de ex-jogadores, seu livro favorito “Alex, A Biografia”.

    Artigos Relacionados

    Topo