Salve... O Tricolor Paulista!

2005, o São Paulo Futebol Clube iniciaria aquele que seria um dos principais anos no início do século XXI, o Tricolor Paulista deu o pontapé inicial no Campeonato Paulista com uma goleada sobre o Ituano, 4 x 1, no Morumbi. Foi uma campanha perfeita, 14 vitórias, três empates e apenas duas derrotas, resultando na conquista do 21º título estadual ao clube. Se o torcedor soubesse oque viria posteriormente, certamente comemoraria a conquista como se fosse Copa do Mundo.

No entanto, aquele ano de 2005 reservaria ao São Paulo mais duas conquistas históricas,  a Copa Libertadores e no final do ano o Mundial de Clubes da Fifa.  Fechando uma campanha e um elenco brilhante, sem nomes de grife, mas com atletas que dariam a vida pela camisa vermelha, branca e preto. Sob o comando de Paulo Autuori e do emblemático presidente, Marcelo Portugal Gouveia, o São Paulo viveu um 2005 de fartura.

https://twitter.com/SaoPauloFC/status/1264632050210033664?s=20

INÍCIO DO FIM?

No início do ano de 2006, o clube passou a ser presidido pelo folclórico Juvenal Juvêncio, um personagem que teve o seu nome envolvido em diversas polêmicas enquanto era presidente. Um dos principais casos que repercutiu mal diante dos olhos daqueles que vivam no clube foi a mudança de estatuto. Antes, um presidente poderia apenas cumprir dois mandatos – o segundo caso fosse reeleito – no qual não poderia se candidatar para um subsequente terceiro comando presidencial. No entanto, em uma manobra que fugia do estatuto, conseguiu se reeleger para mais um, no qual se iniciou (desde o primeiro) em 2006 e foi até 2011.

Entretanto, esse episódio começou a gerar rachaduras na diretoria, e em cargos importantes na instituição, que de certa forma se iniciou a crise tricolor. No entanto, o seu mandato não foi apenas de crises. Isso porque em campo, o São Paulo sagrou-se tri campeão brasileiro, além de vice-campeão da Libertadores, ganhando assim o apelido de “Soberano”. Porém,  a crise nos bastidores era ofuscada pelas conquistas em campo.

Após o ano de 2008, o São Paulo começou a viver o seu calvário, aquele no qual se iniciou na cadeira presidencial e se arrastou parta o campo. Em 2009, o clube deixou escapar o 4º título nacional para o Flamengo. Nessa época, o treinador Muricy Ramalho já havia deixado o comando do tricolor, demitido por Juvenal Juvêncio, muito criticado nos corredores do Morumbi,. Entretanto, o pior ainda estava por vir no Tricolor Paulista.

PÁGINAS POLICIAIS

Se já não bastasse as eliminações que começaram a se acumular no histórico tricolor após o ano de 2008, o São Paulo viu seu nome envolvido em crimes. Isso porque, o atual presidente Carlos Miguel Aidar, que assumiu o cargo em janeiro de 2014 passou a ser investigado pela polícia. Na época, Aidar havia se envolvido em polêmicas e sendo acusado de desvio de dinheiro. Surpreendentemente o estopim de toda a confusão era Cinira Maturana, na época namorada do cartola.

As acusações foram postas na mesa por Ataíde Gil Guerreiro, vice de Aidar na época. De acordo com Guerreiro a namorada do político chegou a faturar R$ 6 milhões entre acordo de transferência e o fechamento do contrato com a Under Armor, nova fornecedora que viria a assumir em 2015 a distribuição de materiais esportivos. Além disso, a briga com Juvenal Juvêncio, que ocasionou na demissão do ex presidente passou a gerar mais conflitos no São Paulo. E resumo e após uma briga com Ataide, no qual foram a vias de fatos e um e-mail vazado, contendo revelações sobre o presidente foram o ápice para que Aidar viesse a rescindir do cargo, deixando de bandeja para Carlos Augusto de Barros e Silva, o Leco.

São Paulo! literalmente "Salvem... o Tricolor Paulista"
(Foto: André Lucas Almeida/Futura Press/Folhapress)

LECO! NOVA ERA, VELHOS PROBLEMAS

No ano de 2015, o cargo de presidente do São Paulo caiu como uma luva no colo da Leco. Na época, o seu nome foi posto com a solução de todos os problemas no clube, seja internamente e dentro de campo. No entanto, o seu mandato vem sendo o mais fracassado em relação aos outros dois mandatários anteriores. Foi sob seu comando que a equipe do Morumbi foi eliminada por clubes inexpressivo.

Tais como Defensa Y Justiça, na primeira fase da Copa Sul-Americana de 2017, Cólon, também na primeira fase da competição em 2018. Daí veio a Copa Libertadores de 2019 e o clube foi eliminado pelo modesto Talleres na Libertadores do ano passado. Além disso, pela competição paulista o São Paulo conseguiu ser eliminado pela Penapolense em 2014, o Audax em 2016. Tendo a mais humilhante em 2020, a fatídica eliminação nas quartas de finais do Campeonato Paulista deste ano.

Além disso, o presidente é conhecido também pela sua sede de vender jogadores para a Europa. Tais como David Neres, Antony, e Luiz Araújo, sendo infinitamente criticado por alguns diretores e pela unânime torcida tricolor. Além do mais, o oportunismo também é sua marca, já que usou o nome de Rogério Ceni, o maior ídolo do clube para conseguir se reeleger como presidente no ano de 2017, oque acabou resultando na demissão do ex goleiro e as trocas de farpas entre Ceni e Leco.

https://twitter.com/diario_spfc/status/1289241883953307649?s=20

FUTURO INCERTO

Por fim, a gestão Leco se encerra no final deste ano de 2020, para muitos é o alívio por enfim o adeus da pior gestão da história do São Paulo desde sua fundação. O torcedor são-paulino não suporta mais o clube passar por tantas humilhações, grande parte delas ocorrendo dentro de casa. Um local que imortalizou Rogério Ceni, Raí, Muller, Careca, França, entre outros nomes importantes na construção do nome São Paulo. Não se tem mais nenhum argumento para debater contra isso, é preciso exaltar as glórias do passado, no entanto o famigerado “Somos tri campeões mundiais”  não dá mais,  já passou, e acabou tornando-se muleta para se escorar quando toma um tapa na cara!

Em suma, o futuro do São Paulo começara a ser escrito a partir das eleições que ocorrerão neste final de ano. No entanto os nomes que possivelmente surgirão como solução terão que mostrar serviço. Isso porque o São-Paulino está cansado de gestões que não respeitam o torcedor, além disso, oque o torcedor quer são comandantes quer de fato coloquem o nome do clube acima de tudo, sabendo respeitar e entender que nada e nem ninguém é maior que a instituição.

Será preciso além de tudo, esquecer a velha política, expulsar de fato os “Dinossauros” que vem a cada dia mais sugando as energias e fazendo com que o clube venha a se “apequenar”, ficando para trás em relação aos outros clubes. Por fim, é preciso além do mais de  jogadores que entendam que defender o São Paulo é algo mágico e que todos os jogos teriam que ser tratados como vida ou morte, o mínimo que tem que se ter é vontade de vestir a camisa tricolor e honrar a mesma, para que as Glórias deixem de ser do passado e passam a se tornar presentes!

Reprodução/SPFC.Net
Reprodução/SPFC.Net

 

Raphael Almeida
Raphael Almeida, jornalista 30 anos, apaixonado por futebol, tenho como sonho ser repórter de campo, desde pequeno frequento a várzea de futebol, vendo meu pai jogar. Ali vi que minha vontade era de falar sobre esse esporte, frequentador das arquibancadas do maior palco de futebol paulista. Sou torcedor, mas acima de tudo sou esportista!

Artigos Relacionados