Santos pressiona, tira o pé e deixa escapar dois pontos

Santos e São Paulo se enfrentaram na Vila Belmiro em jogo válido pela 12ª rodada do Campeonato Paulista. Os dois times entraram em campo com equipes mistas, já que o Santos não pôde contar com Zeca, Thiago Maia, Lucas Lima, Gabriel e Ricardo Oliveira, todos na Seleção, e o São Paulo não tinha Mena, na seleção chilena, Michel Bastos, recuperando-se de lesão, e Ganso, suspenso pelo terceiro cartão amarelo. Mas mesmo com equipes desfalcadas, os dois times protagonizaram um belo espetáculo na Vila Belmiro.

O empate foi muito comemorado pelo Tricolor porque durante boa parte do jogo, a equipe de Dorival Júnior foi superior. Os atacantes Paulinho e Joel substituíram bem a dupla Gabriel e Ricardo Oliveira e deram muito trabalho para o sistema defensivo do São Paulo. No meio de campo, Vitor Bueno, muito talentoso e técnico, armou o Santos com primazia. O Santos só não desceu para o vestiário em vantagem, pois Joel anotou um gol em posição irregular e Denis esteve em noite iluminada.

No segundo tempo, aos oito minutos, Victor Ferraz cobrou falta com categoria, mas por cima do gol de Denis. Aos dez, a resposta são paulina veio com Daniel, que cortou para a direita e disparou um foguete para o gol de Vanderlei. A bola passou perto da meta do goleiro santista.

O placar foi aberto aos treze minutos: após belo passe de Léo Cittadini, o atacante Joel, em lance que lembrou Serginho Chulapa, dominou girando, tirando Maicon da jogada, e de esquerda balançou a rede são paulina.

A torcida do Santos empurrava o time, que cresceu no jogo e acanhou o São Paulo no campo defensivo. Aos dezessete minutos, Rafael Longuine avançou livre de marcação, disparou um lindo chute e obrigou Denis a fazer uma bela defesa. Aos dezoito, após troca de passes na entrada da área, Vitor Bueno, em ótimo passe, achou Paulinho sozinho, que virou lindo voleio. Denis foi bem mais uma vez e manteve o São Paulo vivo no jogo.

Dorival foi mal ao mexer na equipe. Tirou Vitor Bueno e escalou o fraquíssimo Neto Berola. O poder de criação do Santos diminuiu e o São Paulo começou a ganhar campo. Logo na sequência, Bauza tirou Daniel, que vinha bem, e colocou Alan Kardec em campo.

Aos vinte e sete, Lugano falhou e deixou Neto Berola livre. O camisa 40 tinha tudo para fazer o segundo gol e selar a vitória santista, mas chutou de tornozelo e a bola saiu.

Aos vinte e nove, Bauza colocou Kelvin e mandou o time para cima. O ímpeto do Tricolor foi contido por boa parte do jogo, porque Lucas Veríssimo fez uma partida impecável, anulando Centurión e Calleri.

O Santos teve chances para matar o jogo. Quando não parou em Denis, o time santista falhou nas finalizações. E em clássico, não há espaço para erros, muito menos quando se tem Alan Kardec como adversário. O Santos pagou o preço aos trinta e sete minutos da etapa final: após cobrança de escanteio do jovem Lucas Fernandes, o camisa 14 do São Paulo antecipou o zagueiro Gustavo Henrique e matou o goleiro Vanderlei. Estava tudo igual na Vila Belmiro.

O Peixe não conseguiu reagir, estava sem criação. Faltava Vitor Bueno no meio de campo. O jogo ficou sem graça. O empate estava ótimo para o São Paulo. Por onze minutos, nada se criou. O juiz apitou e o clássico terminou empatado.

O Santos caiu para a segunda colocação do grupo A e manteve-se na terceira colocação geral, atrás de Corinthians e São Bento. O São Paulo manteve a liderança do grupo C. Do lado santista, Victor Ferraz, Vitor Bueno e Joel foram os destaques positivos; Dorival foi mal. Do lado tricolor, Bauza brilhou – a jogada do gol se deu entre Lucas Fernandes e Alan Kardec, ambos escolhidos pelo técnico para entrar no segundo tempo – , Denis fechou o gol, Daniel foi participativo e Alan Kardec decidiu.

Restam três rodadas para o término da primeira fase. O Santos receberá a Ferroviária na quinta, enfrenta o Capivariano fora e encerra a primeira fase contra o Audax, na Vila Belmiro. O São Paulo vai à Lins para enfrentar o Linense, recebe o Oeste no Morumbi e termina sua jornada contra o São Bento em Sorocaba.

O Santos pressionou, dominou, não aproveitou e viu a torcida são paulina sair da Vila Belmiro cantando, comemorando o empate.

André Siqueira Cardoso

Sobre André Siqueira Cardoso

André Siqueira Cardoso já escreveu 313 posts nesse site..

Sou André Siqueira Cardoso, tenho 21 anos. Aluno de jornalismo da Escola de Comunicação e Artes da Universidade de São Paulo (ECA-USP), atualmente trabalho em VEJA, com a cobertura do noticiário político. Apaixonado por esportes, jogador de futebol até hoje, tenho o sonho de cobrir uma Copa do Mundo.

BetWarrior


Poliesportiva


André Siqueira Cardoso
André Siqueira Cardoso
Sou André Siqueira Cardoso, tenho 21 anos. Aluno de jornalismo da Escola de Comunicação e Artes da Universidade de São Paulo (ECA-USP), atualmente trabalho em VEJA, com a cobertura do noticiário político. Apaixonado por esportes, jogador de futebol até hoje, tenho o sonho de cobrir uma Copa do Mundo.

    Artigos Relacionados

    Topo